10 termos da ficção científica e suas origens

quinta-feira, junho 26, 2014

Saiu uma postagem bem bacana no io9 (um portal que eu fortemente recomendo para os nerds e geeks, mas que manjem de inglês) sobre 31 termos da ficção científica e suas origens. Foi uma pesquisa bem legal que mostra que alguns termos que parecem tão modernos tiveram, na verdade, uma origem bem lá trás nas brumas misteriosas da literatura e das artes. Eu escolhi dez dentre eles que acho que são as mais importantes e as mais emblemáticas para a FC e os reordenei na lista de acordo com o meu gosto. A imagem ao lado não tem nada a ver com o post, mas achei sensacional, não acha?




Deixei o termo em inglês primeiro com a tradução ao lado, pois em alguns casos é preciso ver o termo original para sacar o sentido.

Leia também: Outros 10 termos da ficção científica e suas origens

10. Terraforming (terraformação)
O escritor de ficção científica Jack Williamson criou vários termos importantes para o gênero. Muitos chegaram a entrar para a ciência mesmo, como engenharia genética. A palavra terraformação (formar ou transformar em Terra) foi usada pela primeira vez na novela Collision Orbit, de 1942. Consiste em transformar um ambiente estéril e hostil para a vida em um lugar habitável.


A Trilogia Marciana, de Kim Stanley Robinson, trata justamente da terraformação de Marte. E quem é fã da franquia Alien deve lembrar que a Weyland-Yutani usou processadores de atmosfera em LV-426 para tornar o planeta-satélite habitável. Aí veio a Ripley e detonou com tudo! A mulher é foda. Abaixo, um trecho de Collision Orbit, com tradução livre por minha pessoa:

Ele era o reclamante original de Obania, quarenta anos atrás; e Drake era o jovem engenheiro espacial encarregado de terraformar a pequena rocha, apenas dois quilômetros para perfurar, afundando rumo ao seu centro para a instalação da paragravidade, gerando oxigênio e água dos minerais óxidos, liberando gases de absorção para prender o fraco calor do longínquo sol.


9. First Contact (primeiro contato)
O termo foi criado por Murray Leinster para a sua novela First Contact, de 1945, além de também ter cunhado o termo "tradutor universal". A novela conta a história de duas raças tecnologicamente muito avançadas encontrando-se no espaço profundo e tentando achar uma maneira de trocarem informações e tecnologia, tendo que confiar no desconhecido. Foi uma das primeiras obras a demonstrar toda a tensão que existe entre dois povos estranhos se conhecendo.


Quando Star Trek: Primeiro Contato foi lançado, o primeiro da franquia sem Kirk e companhia, os herdeiros de Murray tentaram processar a Paramount Pictures por violação e uso indevido de marca registrada. No entanto, a corte foi favorável à Paramount, alegando que Leinster não era dono do termo já que ele permitiu que o mesmo se proliferasse por meio de outros escritores de ficção científica.


8. Superhero (super-herói)
Super-herói era um termo aplicado à pessoas de verdade antes de ser tomado pela ficção. A primeira citação com esse termo aparece em 1899, em uma discussão do Caso Alfred Dreyfus, quando o soldado da artilharia francesa foi julgado e erroneamente condenado por traição. Georges Clemenceau, em algum momento, comenta que se Georges Picquart, que questionou a culpa de Alfred e investigou o assunto, era um herói, então o irmão de Alfred, Mathieu, era um super-herói.


Na ficção, o termo faz seu debut em 1924, em um artigo do The New York Times que falava do hiper-competente protagonista do agora perdido filme Tongues of Flame. Na ficção científica, foi usado pela primeira vez para Zarnak, um gênio da ciência que viajava pelos planetas, criado por Max Plaisted, que apareceu pela primeira vez em 1936 e 37 na Thrilling Wonder Stories. O termo foi usado por um fã que reclamava da perda de qualidade das tiras, em 1937. Em 1938, foi a vez de Superman adotar o termo na Action Comics.


7. Teleportation (teleporte ou teletransporte)
De acordo com os registros da Enterprise, o termo foi cunhado por Charles Fort em Lo!, o segundo de seus livros, onde ele documenta "fenômenos anômalos". Fort era também um investigador de eventos paranormais, colecionador de fatos estranhos e um dos precursores do realismo fantástico. Ainda em Lo!, Fort escreveu:


Principalmente neste livro, devo especificar os indícios de que existe uma força transportadora que devo chamar de Teletransporte.

Fort acreditava que o teletransporte poderia explicar vários eventos sem explicação, ainda que fosse necessário detalhar a própria tecnologia por trás do teletransporte. Quem diria que se tornaria um dos símbolos da ficção científica? Mas nada que o Chefe O'Brien não consiga resolver.


6. Time travel (viagem no tempo)
O grande livro emblemático de H.G. Wells, de 1894, originou o termo "máquina do tempo", que hoje é usado para designar do DeLorean ao Tardis. Wells também introduz o termo "viajante do tempo", outro termo largamente usado. No entanto, viagem no tempo só apareceu vinte anos depois, em um artigo considerando a jornada através do tempo no Journal of Philosophy, Psychology and Scientific Methods, em 1914.


H.G. Wells simplificou os termos e nos deu em uma linguagem simples, porém direta. Mas até mesmo Ebenezer Scrooge, de A Christmas Carol, de Charles Dickens, realizou várias indas e vindas através do tempo.


5. Alien (alienígena)
No inglês, o termo tem dois significados: um, que é o mais antigo, que é usado para imigrantes ilegais ou algo vindo de fora, algo estrangeiro; e como o nosso já bem conhecido ser vindo de outro planeta. O termo usado como alienígena, provavelmente, foi usado por Thomas Carlyle, historiador e ensaísta vitoriano. Em algum momento da vida, ele abandonou sua carreira para ser tutor de um garoto numa fazenda.


Em uma de suas melodramáticas cartas sobre a vida no campo ele descreve a si mesmo como um alien chutado de seu planeta, "um peregrino entre seus detentores". Na ficção científica, não foi antes de 1929, quando a Science Wonder Stories publicou The Alien Intelligence, de Jack Williamson. Mas muitos alegam que o termo foi usado no sentido mais moderno por Philip Barshofsky, em 1934 em One Prehistoric Night, onde ele se refere aos marcianos, que viajam até a Terra pré-histórica para lutar com dinossauros, como aliens.


4. Cyberspace (ciberespaço)
A palavra é tão popular nos dias de hoje que tem gente que nem para e pensa de onde ela veio. Aqueles que têm uma leve ideia de onde ela surgiu logo chutarão Neuromancer, de William Gibson, como sendo o lançador do termo, um dos mais importantes livros do movimento cyberpunk e da ficção científica.


Na verdade, ele aparece primeiramente em 1982, em sua novela Burning Chrome. Gibson leu a história em 1981, mas a Omni só publicou no ano seguinte. Cyberspace Seven era o nome dado ao computador do enredo de Gibson, mas é somente em Neuromancer que o termo ganha sua definição completa:

Ciberespaço. Uma alucinação consensual diariamente experimentada por biliões de operadores legítimos, em cada país, por crianças a quem são ensinados conceitos matemáticos... Uma representação gráfica de dados extraídos de bancos de cada computador do sistema humano. Complexidade impensável. Linhas de luz alinhadas no não-espaço da mente, clusters e constelações de dados.


3. Robot (robô)
Talvez seja a origem mais conhecida de todas. Karel Čapek, escritor tcheco, utilizou a palavra eslava para trabalho forçado ou escravo "robota" em sua peça de 1921 Rosumovi Univerzální Roboti (Rossum's Universal Robots). Rossum era um cientista que criou um protoplasma para utilizar em humanoides (robôs) para que fossem obedientes e realizassem todo o trabalho físico.


Quando a peça foi traduzida para o inglês em 1929, os autores pegaram a palavra para descrever suas próprias construções, fosse na forma física ou mental. No entanto, Isaac Asimov, em 1940, nomeou uma disciplina de "robótica" e tornou-se um dos maiores expoentes no que se refere ao universo ficcional de robôs no mundo. A forma curta, "bot", foi utilizada em 1969, por Richard C. Meredith, em sua novela We All Died at Breakaway Station.


2. Spaceship (nave espacial)
O termo mais batido de toda a ficção científica tem origem em uma época em que nem mesmo os aviões existiam. Em inglês, ship quer dizer nave, mas também navio. Pode reparar que algumas vezes as traduções das legendas não são fidedignas e "naves" saem como "navios" nas séries de TV. Então, parece lógico que é só adicionar a palavra space e teremos o termo nave espacial.


Mas o termo apareceu, primeiramente, em 1880, na Pall Mall Gazette, em uma resenha da novela Across de Zodiac, de Percy Greg. Frequentemente, o termo também é atribuído a John Jacob Astor IV, em 1894, em sua novela A Journey in Other Worlds, que acontece no ano 2000 e imagina um futuro com rede global de telefones, energia solar e viagens aéreas, mas também imagina a humanidade indo para Júpiter e Saturno. O termo starship (nave estelar) surge bem depois, em 1934, na novela Star Ship Invincible, de Frank K. Kelly.


1. Science fiction (ficção científica)
O termo mais precioso de todos, SIM! Mas mesmo com toda essa fama, o termo ainda permanece nas brumas. Acredita-se que William Wilson, em 1851, em seu livro A Little Earnest Book upon a Great Old Subject, tenha sido o primeiro a utilizá-lo. O livro fala de como um único objeto pode ser percebido de maneiras diferentes e fala das percepções de uma abelha, uma formiga, uma aranha, um peixe, um pisco de peito vermelho (pássaro migratório) e um gato. William descreve seu trabalho como ficção científica. Mas o sentido de Wilson era um pouco diferente do de hoje. Ele se aplicava às verdades reveladas pela ciência entrelaçada à uma história agradável que pode ser poética e verdadeira. Seria algo como uma ciência ficcional passada de uma maneira poética e etérea.


Já os romances científicos datam de 1845, sendo seu primeiro expoente um trabalho anônimo de história natural especulativa publicado na North American Review. Era um trabalho voltado para investigar os vestígios da criação divina através da história. Algumas pessoas atribuem o trabalho ao geólogo Robert Chambers. Foi graças, apenas, ao trabalho pioneiro de Hugo Gernsback que temos o termo "ficção científica" com o sentido de hoje.

Hugo foi um pioneiro editor de FC que, em 1908, editou a Modern Electrics, que viria a se tornar a primeira revista voltada exclusivamente para o gênero, conhecida mundialmente como Amazing Stories, em 1926. Foi graças a seu trabalho que autores como Isaac Asimov, Arthur C. Clarke, Robert A. Heinlein, entre muitos outros, tiveram chance de publicar suas incríveis histórias. O famoso Prêmio Hugo de ficção científica é em sua homenagem. Segundo a revista Life, Hugo é o responsável pelo termo, mas esta não era sua primeira opção; ele queria que fosse "cientificação".

O que achou? Comente aí, compartilhe!

Até mais!

Sybylla

Fã do futuro e da ficção científica. Geógrafa, professora, blogueira, escritora de FC. Capitã da Frota Estelar. Esperando para voltar para o meu planeta. Leia mais.





Leia esses também...

4 comentários

  1. É sempre interessante ver de onde os termos que a gente está acostumado a ouvir e usar vêm. Eu não fazia ideia de que "super-herói" também tinha uma origem o-o

    ResponderExcluir
  2. Legal saber a origem desses termos. Eu comecei a me interessar por FC sem saber através dos quadrinhos. Lembro bem quando li entrei em contato com termos como esses de cima lendo hq's.

    ResponderExcluir
  3. Excelente pesquisa. Muito bom conhecer a origem desses termos. Parabéns, e obrigado por compartilhar!

    ResponderExcluir

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.
O mesmo vale para comentários:
- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.
A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.

Viajantes

Curta no Facebook

❤️


"A ficção científica é um substituto para todos os lugares que eu nunca vou alcançar nessa vida."

James W. Harris