Resenha: Recomeço, de Cat Patrick

sábado, abril 26, 2014

Recomeço é um daqueles livros que enganam. Você pega para ler achando uma coisa e ele é outra. Achei a sinopse dele bem interessante e achei que devia conferir para ver se era aquilo tudo mesmo. Cat Patrick é mais uma autora de YA (young adult), vindo a reboque de uma caralhada de outras obras com a mesma temática: adolescente precisando sobreviver e, quem sabe, arrumando um amor.





O livro
Daisy Appleby morreu em um acidente de ônibus. Era muito pequena para lembrar, são apenas alguns flashes muito breves. Mas ela foi trazida de volta. Desde então, junto com outras 14 crianças que sobreviveram ao acidente, Daisy morreu e foi trazida de volta à vida várias outras vezes devido a um programa do governo para testar uma droga capaz de trazer os mortos à vida, chamada Recomeço.


Daisy é obrigada a se mudar depois de uma picada de abelha quase matá-la na última cidade. Seus pais adotivos, dois cientistas do programa, precisam constantemente lembrá-la de seus deveres para com o programa e em como é importante que ninguém saiba quem ela é ou o que aquela família realmente faz. Os 14 jovens passam por testes de vários tipos para se avaliar como a droga funciona, como ela afeta o corpo, se pode ser usada em larga escala, etc., etc..

Aí, começa o imbróglio que caracteriza muita distopia adolescente. Menina vai para a escola nova, conhece rapaz encantador, se apaixona loucamente, ele é irmão da melhor amiga, ele também se apaixona por ela, ela conta seu grande segredo, a família dele também tem um grande segredo... Tá, mas e a tal da droga do Recomeço? Aquela, sabe, que traz os mortos de volta à vida? Aquela do programa governamental secreto? Pouco ou nada se fala dela. A autora simplesmente parece esquecer que mencionou isso.

Depois, do nada, parece que Cat Patrick lembra da droga e aí cria um segredinho, um suspensezinho para cortar o ar de romance entre Daisy e o garoto bonitinho, irmão da melhor amiga, que também guarda um segredo. Isso rola por algumas páginas insuportáveis até que, de repente, o livro acaba e, surpresa!, MAIS NADA sobre o programa, a droga ou sobre como ela funciona é revelado.

Eu entendi o final do livro e a relação com a palavra Recomeço. Acho que, no entanto, se autora pretendia falar dos dilemas adolescentes, dos recomeços que as pessoas precisam dar às suas vidas algumas vezes, ela podia muito bem nunca mencionar uma droga experimental maravilhosa, cujo funcionamento, origem e componentes ela não fornece. Vinculasse o título do livro com a vida de Daisy, ora bolas!, mas não. Ela optou por começar de um jeito e terminar de outro. Nem em inglês o título (Revived) funciona bem. Uma pena.


Ficção e realidade
O mais legal do livro é que a melhor amiga de Daisy, uma das sobreviventes do acidente, mas que mora em outro estado, é transgênero. E a autora tratou com muita naturalidade, como deve ser, o tema. Vemos a moça pela moça que ela é e não por seu passado ou por sua orientação. Ela sofre dos mesmos dilemas adolescentes que sua amiga e a ajuda no que pode para tentar desvendar alguns dos mistérios sobre o programa.


Pontos positivos
Personagem trans*
Dilemas pessoais
Suspense
Pontos negativos
Faltam detalhes sobre a droga Recomeço
Final óbvio

Título: Recomeço
Título original: Revived
Autor: Cat Patrick
Editora: Intrínseca
Páginas: 304
Onde comprar: Grandes livrarias


Avaliação do MS?
Para quem curte romances adolescente, de menina-se-apaixona-por-rapaz, este livro é um prato cheio. Para quem espera algo mais convincente, desista. Nem comece a ler, pois não vale à pena. A autora escreve bem, coisa e tal, mas se ela tem essa mania de escrever livros que ficam meio no vácuo, seria bom ela trocar de editor. Dois aliens apenas.


Até mais!

Sybylla

Fã do futuro e da ficção científica. Geógrafa, professora, blogueira, escritora de FC. Capitã da Frota Estelar. Esperando para voltar para o meu planeta. Leia mais.





Leia esses também...

0 comentários

Viajantes

Curta no Facebook

❤️


"A ficção científica é um substituto para todos os lugares que eu nunca vou alcançar nessa vida."

James W. Harris