Invasões alienígenas

quinta-feira, dezembro 12, 2013

Invasão alienígena é um termo tão batido na ficção científica que podemos citar vários filmes, séries e livros com esta temática. Alguns bons, alguns ótimos, alguns um lixo, mas na real todos eles trabalham com o nosso medo mais profundo, aquele que nos assombra desde o primeiro momento em que olhamos para as estrelas nas noites ao relento no advento da nossa espécie: o desconhecido.





O cenário de invasão alienígena sempre nos toca no medo do desconhecido, mas também pode ser usada como alegoria para várias situações. Podemos ter uma invasão para protestar contra hegemonia militar, totalitarismo, perda da segurança e da vida. Durante a Guerra Fria, este foi um cenário grandemente utilizado pelos escritores norte-americanos devido ao medo da invasão da União Soviética e da temida Guerra Nuclear.

Os aliens podem vir para cá para nos escravizar sob um regime colonial, nos usar como alimento, tomar os recursos do planeta, usar-nos como hospedeiros, ou só para zuar o barraco, nos destruir junto com o planeta, por pura diversão ou para passar uma hipervia espacial. Os motivos não costumam mudar muito, já que sempre nos colocam como o supra sumo da existência pela galáxia, onde aqui tem alguma coisa muito especial que lá fora não tenha. Talvez seja um reflexo da perda de importância do nosso planeta que veio com a revolução copernicana. Quem reagiria bem ao saber que não é mais o centro do universo, não é mesmo?

Muita gente estipula que as invasões surgiram na literatura com A Guerra dos Mundos, de H.G. Wells, mas antes de sua publicação em 1898 temos aparições pontuais de alienígenas de olho na Terra ou de seres superiores. Em 1727, Jonathan Swift publicou As Viagens de Gulliver, e ele fala de seres semelhantes à raça humana, mas muito superiores, com uma obsessão por matemática. Viviam em uma fortaleza chamada Laputa. Temos aqui a primeira visão de uma raça superior à nossa.

Em Micrômegas, de Voltaire, em 1752, temos dois visitantes, um de um planeta ao redor de Sirius e outro de Saturno que visitam a Terra. O visitante de Sirius está escrevendo um livro onde ele analisa os insetos em seu planeta. Quando chegam à Terra, ele não consegue identificar que aqui havia vida inteligente, devido ao seu avantajado tamanho comparado ao nosso e, portanto, éramos insignificantes para ele.

Em 1892, o australiano Robert Potter publicou The Germ Growers, descrevendo uma invasão onde os aliens tomavam a forma e a aparência humanas para desenvolver uma doença perigosa para auxiliar em seus planos de dominação global. Acredita-se que HG Wells tenha usado The Germ Growerts como inspiração para A Guerra dos Mundos.

Corram para as colinas! 

Nem sempre os alienígenas fazem um contato prévio para invadir. Cenários como o que vimos em O Dia em que a Terra Parou ou em Star Trek Primeiro Contato são raros na ficção científica. E em outras situações, como Avatar, nós somos os invasores para usurpar recursos. Mas tomando como ponto principal que são eles que nos invadem, eles têm seus meios de se aproximar do nosso planetinha.

Infiltração
Este é um dos meios mais perigosos, já que não podemos identificar quem é ou não alienígena. Eles assumem nossa forma ou nos usam como hospedeiros para poderem andar livremente pela sociedade. Eles podem se valer desta vantagem para conhecer nossas fraquezas e assim preparar uma invasão ou podem fazer isso para assumirem posições-chave em postos de comando das nações a fim de facilitar a chegada dos parceiros. Este foi um artifício usado com bastante frequência na Guerra Fria, devido ao medo de infiltrações de agentes soviéticos no ocidente. Um exemplo recente deste tipo de invasão é A Hospedeira. Eles nos usaram como hospedeiros e pacificaram a Terra, mantendo nossa sociedade e modos de vida, porém controlando seus hospedeiros.

A Peregrina, de A Hospedeira.

Ocupação
Aqui temos uma efetiva invasão e dominação, onde os aliens querem usar nosso planeta como sua casa e danem-se os humanos. É talvez uma alegoria das mais usadas pelo entretenimento, com vários exemplos como V, Falling Skyes e Half Life. Movimentos de resistência são comuns e tentam, a todo custo, derrotar ou aleijar as forças inimigas para retomar o planeta, o que nem sempre funciona e acaba acarretando em várias mortes. Esta foi uma maneira usada de se fazer críticas a sistemas totalitaristas, utilizando os aliens como uma força opressora e mostrando que era possível fazer frente a eles.

Cena de Falling Skyes. 

Saques
Podem existir invasões onde os aliens não têm condições de manter uma ocupação efetiva e só param aqui para um lanchinho ou para pegar suprimentos necessários para sua sobrevivência. Sinais é um filme neste estilo (o que não quer dizer que seja bom), onde eles chegam aqui para vandalizar tudo, causar medo, enquanto buscam pelos recursos de que necessitam. É um recurso utilizado como uma maneira de demonstrar o medo da desordem e do caos causados por regimes autoritários, já que muitos destes cenários são em locais isolados, no campo, em plantações, longe das modernas cidades grandes.

Sinais. Muito ruim, aliás. 

Benéfica
Esta invasão é pouco utilizada, mas temos como exemplo O Fim da Infância, de Arthur C. Clarke. Os aliens chegam à Terra na esperança de nos civilizar e pacificar, trazendo tecnologia e conhecimento para alavancar a evolução de nossa espécie. A ideia aqui é que nós somos o nosso principal inimigo e portanto precisaríamos de uma ajuda externa para acabar com o longo histórico de mortes, guerras e desigualdades. É algo parecido ao que muita gente pensa ao falar que os aliens estão vindo à Terra, para nos salvar.

O Fim da Infância, Arthur C. Clarke.

Histórica
Ou se preferir, o "alienígena no passado". Talvez Stargate e suas séries seja a franquia que mais trabalhou com isso no cinema e na televisão, ao falar de uma raça alienígena tão avançada que chegou na Terra e se passou por deuses para escravizar a população e mandá-las pelo Stargate para os confins do universo. Temos aqui um mito atual sendo utilizado para explicar eventos do passado e para tentar entender como os seres humanos primitivos teriam erguido tais estruturas maravilhosas. Foi graças ao pessoal na Montanha Cheyenne que pudemos derrotar estes aliens usurpadores e assim libertar a galáxia da opressão.

Stargate SG-1.

Podemos ter, logicamente, uma combinação de vários tipos de invasão em um enredo. Nada impede que vários elementos aconteçam no decorrer dos eventos, mas devemos sempre perceber qual é o sentido para determinada invasão ocorrer. A crítica sempre é feita, de uma forma ou de outra quando temos visitantes intergalácticos aparecendo em nossos céus.

Acompanhe pelo Facebook!

Até mais!

Sybylla

Fã do futuro e da ficção científica. Geógrafa, professora, blogueira, escritora de FC. Capitã da Frota Estelar. Esperando para voltar para o meu planeta. Leia mais.





Leia esses também...

0 comentários

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.
O mesmo vale para comentários:
- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.
A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.

Viajantes

Curta no Facebook

❤️


"A ficção científica é um substituto para todos os lugares que eu nunca vou alcançar nessa vida."

James W. Harris