Resenha: A Noite do Tigre, de Yangsze Choo

Admito que o primeiro livro de Yangsze Choo foi uma leitura apenas OK. Achei bem escrito e gostei do fato de não ser um enredo que se passe nos Estados Unidos. Mas achei a execução bem morna, sem nada que distinguisse o livro em minha memória. Mas A Noite do Tigre foi diferente. Este é daqueles livros em que você não consegue parar de virar as páginas, imersa nas matas da Malaia tal como um tigre em busca da presa.





Parceria Momentum Saga e
editora DarkSide


O livro
Acompanhamos a jornada de dois protagonistas improváveis: Ren, um garotinho órfão que trabalha na casa de um médico excêntrico, e uma jovem chamada Ji Lin que sonha em ser médica, mas que por ser mulher é impedida de estudar. Estamos nos Estados Federados Malaios, nos anos 1930. No começo você não sabe muito bem como esses dois vão acabar se encontrando, mas acompanhar seus enredos já é bastante recompensador, pois são personagens bem escritos com vidas interessantes que te prendem desde o começo.

Resenha: A Noite do Tigre, de Yangsze Choo


Ji Lin e sua mãe viveram sozinhas por um tempo, até que a mãe se casou novamente com um inglês muito sério e pouco atencioso. Ele já tinha um filho, Shin, mas a família não vive uma relação harmoniosa. Pai e filho visivelmente não se dão bem, com uma tensão crescente sempre que estão próximos e Ji Lin sente que a mãe sofre com abusos da parte dele, sem poder fazer nada para impedir. E o pior: sua mãe contraiu várias dívidas no salão de mahjong e Ji Lin precisa juntar dinheiro e quitar tudo sem que ninguém saiba.

Ji Lin e Ren seguram boa parte do enredo separadamente e Ji Lin, em especial, é uma grande protagonista, uma moça determinada, que trabalha oficialmente em um ateliê de costura, mas que para ajudar a mãe dança em um salão duas vezes na semana. Em 1930 esse tipo de ocupação seria visto como um sinônimo de prostituição, então Ji Lin não conta a ninguém o que vem fazendo.

Ren é outro personagem cativante, um menininho órfão que tem uma estranha missão: ele precisa encontrar o dedo perdido de seu antigo mestre em um prazo de 49 dias depois da morte deste. Segundo a tradição local, o corpo precisa ser enterrado inteiro. Essa incumbência levará o menino a trabalhar na casa de outro médico e a ter sonhos estranhos, que o levam a um lugar onde ele vê seu irmão. Em algum momento, os caminhos de Ren e Ji Lin se cruzam, mas até lá o enredo não fica lento nem se perde, você gosta de virar as páginas e acompanhar suas vidas.

Dizia-se que um tigre que tivesse devorado muitos humanos seria capaz de assumir a forma de um homem e caminhar entre nós.

Página 77

Os Estados Federados Malaios era - e a Malásia ainda é - um lugar multicultural, com indianos, chineses e malaios, além da herança cultural deixada pela dominação inglesa na região. Esse imenso caldeirão de etnias e culturas é o ambiente de Ren e Jin Li e a autora usou muito bem o misticismo e as lendas da região para compor o enredo e influenciar os personagens. É tudo muito rico e bem descrito, seus personagens são irritantes, apaixonantes, cruéis e maravilhosos.

Algumas coisas me incomodaram, porém. Primeiro, há um certo romance totalmente descabido no livro que não faz a menor falta que se revela lá perto do final. Sem ele o enredo continua funcionando, então acho que foi apenas pelo choque de colocá-lo na história. Para mim não rolou. Segundo problema, você termina com a clara impressão de que vai haver uma continuação, pois parece que a autora não finalizou o livro. E o terceiro problema foi a revisão falha da DarkSide. Tem palavras demais, palavras de menos, falta de concordância e letras batidas ou não batidas em alguns lugares. Duas revisoras deixaram passar erros básicos e isso incomodou muito.

A edição da DarkSide é lindíssima, com um belo trabalho gráfico e pintura trilateral. A capa tem acabamento macio e o livro tem fitilho para marcar páginas. A tradução foi de Aline Naomi e está muito boa.

A pior parte da morte é esquecer a imagem da pessoa amada. É o último roubo, a última traição.

Página 49


Obra e realidade
Todos conhecem a lenda do lobisomem, certo? Uma pessoa é ferida por um e acaba se tornando uma criatura feral nas noites de lua cheia. Na Malásia, por sua vez, é o contrário. É uma fera que usa a pele de um ser humano e ataca na mata. As duas lendas mexem com a questão da mudança de forma e de natureza, de fera para humano e de humano para fera, ecidenciando nossos instinstos primitivos e violentos. Mexem também com a questão da dualidade, com o poder que o ser humano tem de ser tanto bom quanto ruim.

Yangsze Choo


Yangsze Choo é descendente de malaios. Formou-se na Universidade de Harvard e ocupou vários cargos corporativos antes de escrever seu primeiro romance, A Noiva Fantasma. Yangsze adora comer e ler, e faz as duas coisas ao mesmo tempo com frequência. Ela mora na Califórnia com seu marido e filhos, além de um coelho.


Pontos positivos
Malaia
Bem escrito
Ji Lin
Pontos negativos
Romance
Revisão falha
Final em aberto

Título: A Noite do Tigre
Título original em inglês: The Night Tiger
Autora: Yangsze Choo
Tradutora: Aline Naomi
Editora: DarkSide (selo DarkLove)
Páginas: 384
Ano de lançamento: 2020
Onde comprar: na Amazon ou na loja da DarkSide com um brinde exclusivo!


Avaliação do MS?
Ainda que algumas coisas tenham me desagradado no livro, foi uma leitura muito gostosa e muito boa. Ji Lin e Ren te seguram do começo ao fim e você se afeiçoa a eles e quer acompanhá-los. O mistério do tigre te embala pelas matas da Malaia, enquanto os personagens se envolvem com o misterioso dedo perdido. Quatro aliens para A Noite do Tigre e uma forte recomendação para você ler também!



Até mais! 🐅


Já que você chegou aqui...

COMPARTILHE

Seja o primeiro a comentar.

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, com Desconhecido ou Unknown no lugar do nome, em caixa alta, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.

O mesmo vale para comentários:

- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.

A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.