Resenha: Prólogo, ato, epílogo - Memórias, de Fernanda Montenegro

Fernanda Montenegro é um dos grandes patrimônios culturais e artísticos deste país, cuja cultura já é tão combalida e repelida pelos ignorantes. Indicada ao Oscar, dama dos palcos, rádioatriz, Arlette é neta de imigrantes agricultores e operários, mulher que hoje representa a resistência da cultura e da classe artística frente aos ataques constantes do desgoverno atual. Em colaboração com Marta Góes, escritora, Fernanda/Arlette volta ao passado, nos mostra fotos de família, e analisa 70 anos de carreira.



Parceria Momentum Saga e
Companhia das Letras


O livro

No meu aniversário [de 18 anos] não houve festa. Só lágrima. Naquela jovem que se tornava adulta já estava, inteira, esta mulher de noventa anos que hoje sou.

Página 80

Entre julho de 2016 e novembro de 2017, a escritora Marta Góes fez 18 entrevistas com Fernanda e o resultado transcrito se tornou este livro que é curto para tanta história de vida da atriz. Não é apenas uma história pessoal de Arlette, mas é também um retrato e uma história do teatro, cinema e televisão brasileiros.

Resenha: Prólogo, ato, epílogo - Memórias, de Fernanda Montenegro

Sua vida começa na imigração europeia, com uma família italiana, de sua avó materna, vinda da região da Sardenha, contratados para trabalhar em uma fazenda de café. Fizeram a travessia longa de navio e chegaram em 1897. Com uma propaganda de enriquecimento rápido no Brasil, aliado à desesperança geral para os pobres da Europa (e aliado ao desejo brasileiro de embranquecer a população após a abolição), muitos europeus do interior de seus países atravessaram o Atlântico. E a vida daqueles imigrantes foi marcada por várias provações e falta de dinheiro.

Idas e vindas fez a família de sua avó se instalar em Copacabana, onde havia terrenos baratos à venda e lá teve 8 gestações, sendo que apenas duas bebês sobreviveram, Carmen, mãe de Fernanda e Valentina. Aliás, Fernanda guarda muitas lembranças de sua avó, grande companheira da infância, mulher forte que ficou viúva muito cedo, perdendo o marido de apenas 33 anos para a tuberculose. Sozinha na casa e com duas crianças pequenas, às vezes ouvia gente tentando forçar a porta nas madrugadas e assim fingia que o marido estava vivo, dizendo "Pedro, tem gente aí, Pedro!"

A perda da avó marcou o início de sua vida adulta, uma passagem com lágrimas e sem festa. Aos 15 anos, estudando secretariado, ouviu no rádio uma chamada para participar do Radioteatro da Mocidade. Arlette saiu do subúrbio, foi para o centro do Rio de Janeiro, chegando no pequeno prédio da Rádio MEC, que promovia o concurso para despertar jovens talentos para o radialismo. Este foi seu primeiro emprego. Junto de colegas da rádio, ela começou a frequentar um grupo de teatro e então tinha nascido a Fernanda Montenegro.

Com muita sensibilidade e inteligência, muita maturidade e amor nas palavras é que Fernanda conduz sua narrativa. É um livro pequeno para 90 anos de vida, 70 anos de carreira e 60 anos de casamento com Fernando Torres, um parceiro e marido, amigo e pai de seus filhos, com quem trabalhou lado a lado por tanto tempo. É também um álbum de retratos. Muitas fotos da família e de seus antepassados, muitos retratos de um tempo, de eventos, de momentos. A presença constante dos filhos até a idade escolar chegar, a vida na estrada seguindo palcos e cenários.

Uma resenha não consegue abarcar toda a história do livro. É uma leitura, porém, muito tranquila. Você não tropeça ou para por ser um texto truncado e difícil de acompanhar. É como um diário que Fernanda lê conosco e é difícil não ouvir sua voz quente e rouca enquanto lemos. Apesar de parecer um calhamaço a letra é maior do que o normal, passando a impressão de ter muito texto. Intercalados com as fotos, o livro acaba sendo muito pequeno, uma fração da vida de Fernanda, ou apenas aquilo que ela decidiu compartilhar com a gente.

Com capa macia e papel encorpado, o livro está bem escrito e diagramado. Tem fotos coloridas e em preto e branco pelo miolo e não encontrei grandes problemas de revisão. No final temos uma relação de trabalhos e prêmios, bem como um índice remissivo para se encontrar temas facilmente.

O palco deu a mim e a Fernando um campo neutro. É evidente que houve muitas crises destrutivas. Avassaladoras. Devastadoras. Para ambas as partes. E continuamos. Por que continuamos? Tenho muito pudor de dizer a palavra ❝amor❞. Mas que outro sentimento explicaria o mistério de, num olhar, nós percebermos que não chegaríamos a ninguém igual?

Página 96


Ficção e realidade
Uma frase diz que uma autobiografia pode mentir, mas a ficção desnuda completamente um autor. Acho que no caso de Fernanda, se quisermos de fato conhecê-la, devemos é assisti-la. Ver seus movimentos no palco, ver suas expressões nas falas e a expressão corporal ao executar uma cena. Nada desnuda mais um artista. O livro é também um manifesto de resistência contra o desmonte da cultura no país, área que sempre aparece por último na pasta de qualquer governo, junto de ciência e tecnologia. A situação sempre foi precária e esse livro apenas demonstra que foi o trabalho árduo dos artistas que profissionalizou e o manteve até hoje e manterá mesmo diante dos ataques.

Fernanda Montenegro

Fernanda Montenegro é carioca, uma das grandes atrizes brasileiras, reconhecida nacional e internacionalmente, com diversos prêmios.

Pontos positivos
Fernanda
Fotos
História do teatro e da televisão
Pontos negativos

Nenhum!

Título: Prólogo, ato, epílogo - Memórias
Autora: Fernanda Montenegro em colaboração com Marta Góes
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 392
Ano de lançamento: 2019
Onde comprar: na Amazon!


Avaliação do MS?
Não dá para dizer tudo o que você vai sentir ao ler esta biografia. Seja você fã, seja atriz, seja estudiosa das artes cênicas, é um livro para todo o público. Com um amor sagaz pela profissão e pela vida, Fernanda abriu o coração e a memória em várias passagens. O amor pelos filhos e netos, pela história de sua família, pelos palcos e pelo marido, um amor eterno pela luta da classe artística, um amor por viver outras vidas. Um grande livro, uma leitura obrigatória!

Até mais!

Já que você chegou aqui...

COMPARTILHE

Seja o primeiro a comentar.

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, com Desconhecido ou Unknown no lugar do nome, em caixa alta, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.

O mesmo vale para comentários:

- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.

A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.