Resenha: A Biblioteca Invisível, de Genevieve Cogman

Na contra capa, uma frase chama a atenção: "A Biblioteca Invisível é um sonho para os amantes de livros". Um dos primeiros lançamentos da editora Morro Branco, fala a história de uma Biblioteca interdimensional que, para manter o equilíbrio de diversos mundos, manda seus agentes para reaver livros raros e muito específicos. Uma de suas agentes é Irene, nossa protagonista!



O livro
Irene é uma bibliotecária, uma agente secreta que precisa adotar os mais variados disfarces para poder cumprir suas missões. Em alguns momentos ela pode se disfarçar de uma simples faxineira, em outras de uma socialite rica. Em algumas missões, ela apenas entra no mundo determinado, pega o livro e volta. Em outros ela precisa se valer de magia e muita corrida para fugir dos mais variados perseguidores. Mas Irene ama o que faz.


Há três motivos básicos para Bibliotecários serem enviados a alternativos para encontrar livros específicos: porque o livro era importante para um Bibliotecário sênior, porque o livro teria algum efeito na Linguagem ou porque o livro específico era único àquele mundo alternativo.

Página 32

Admito que o começo do livro foi bem confuso. É só conforme a leitura avança que você passa a compreender as dinâmicas dos mundos alternativos e como eles funcionam. Da forma como a autora coloca no começo, você tem aquele monte de informações que não fazem sentido para só compreender depois do que ela está falando. Existem mundos com variados graus de caos, em que todo tipo de seres pode aparecer, como feéricos, vampiros, lobisomens.

Quando Irene retorna da missão que abre o livro, ela descobre que precisa ir para um mundo infestado pelo Caos e que de quebra ainda tem um aprendiz misterioso, Kai. Eles precisam reaver um livro importante dos Irmãos Grimm, mas nada os preparou para as situações que enfrentariam na Londres daquele mundo alternativo. Eles terão que se valer de inteligência e perspicácia para poderem sobreviver aos perigos daquele mundo, que são vários.

Irene é uma personagem incrível. Ela pensa rápido, se adapta bem às situações e ainda por cima luta! Se valendo da Linguagem, um tipo de magia poderosa baseada nas palavras, ela consegue destrancar portas, ou trancá-las, parar inimigos ou fazê-los aceitar como conhecidos. Ela sabe que tem que cumprir sua missão, mas não pode arriscar a segurança de seu charmoso aprendiz. Aqui entra um ponto bem positivo: apesar da óbvia tensão sexual entre Kai e Irene, ela não perde metade do cérebro para poder arrancar logo as roupas dele. Não, aqui ela precisa de foco e assim os dois ficam apenas em breves insinuações. Eles têm uma missão, afinal de contas.

Fiquei em dúvida se este é um livro de fantasia ou se é uma aventura steampunk. Não interessa muito, é claro, mas há tantos elementos legais bem colocados na trama que você se vê em diferentes estilos, todos convergindo para criar um enredo que é praticamente impossível de largar assim que você passa das primeiras cem páginas. Irene terá que fazer alianças com pessoas que conhece pouco para poder cumprir sua missão, verá sua vida e de Kai no limiar e ainda terá que encontrar um perigo antigo e uma grande ameaça à Biblioteca.

Gostei muito da tradução e da diagramação do livro, com muitos detalhes na parte interna das capas e no miolo. Carece de uma revisão para uma segunda edição, pois em alguns momentos você tem Lorde e depois Lord. Fora isso, a edição está muito boa e ainda vem com um marcador de páginas!

Ficção e realidade
Os apaixonados por livros e leitura sabem a dificuldade de se escolher um único livro para ler naquela semana ou dia. Fiquei pensando em Irene, que dentro da Biblioteca não envelhece, já que o tempo lá pára, tendo toda uma instituição à sua disposição para ler. Imagino a lista de leitura dela. É aí que a frase da contracapa do livro faz sentido, o livro é sim um sonho para os amantes de livros.

Ela era uma Bibliotecária, e a parte mais profunda e fundamental de sua vida envolvia um amor por livros. No momento só queria mesmo se isolar do resto do mundo e não ter nenhuma preocupação, exceto com a próxima página do que estivesse lendo.

Página 308

Genevieve Cogman, como toda amante da literatura, criou um livro que é uma verdadeira homenagem aos amantes das letras, brochuras e e-inks. Foi capaz de usar vampiros, feéricos e lobisomens em um contexto novo, inserido em uma Londres vitoriana como zepelins e conspirações de maneira muito criativa e satisfatória. Você termina a leitura querendo ser uma Bibliotecária!

Pontos positivos
Irene e Kai
Livros, livros, livros!
Tem uma biblioteca interdimensional
Pontos negativos

Pode ser confuso em algumas partes

Título: A Biblioteca Invisível
Título original em inglês: The Invisible Library
1. A Biblioteca Invisível
2. A Cidade das Máscaras
3. A Página em Chamas
Autora: Genevieve Cogman
Tradutor: Regiane Winarski
Editora: Morro Branco
Páginas: 368
Ano de lançamento: 2016
Onde comprar: AmazonCompre A Biblioteca Invisível, de Genevieve Cogman

Avaliação do MS?
Não tenho como dizer o quanto gostei deste livro a não ser indicando que você também leia. Se você conseguir superar o começo um tanto confuso, vai se divertir com as situações inusitadas que Irene e Kai terão que enfrentar. É mesmo uma obra para aqueles que amam os livros e a leitura. Quatro aliens e uma forte recomendação para você ler também!


Até mais! 📚

Já que você chegou aqui...

COMPARTILHE

Seja o primeiro a comentar.

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, com Desconhecido ou Unknown no lugar do nome, em caixa alta, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.
O mesmo vale para comentários:
- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.
A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.