Resenha: O homem de giz, de C.J. Tudor

Apesar de já ter ouvido falar do livro, ainda não tinha lido O homem de giz. Nem conhecia o estilo da autora até que, em uma das caixas do Clube Intrínsecos, veio O que aconteceu com Annie, da mesma autora. E o estilo me fisgou na hora, o que me deixou com vontade de ler seu primeiro livro. Algumas resenhas disseram que a autora tentou imitar seu primeiro livro na história de Annie, mas não poderiam estar mais enganadas. Os dois livros, na verdade, são bem diferentes na questão de enredo.



Este livro foi uma cortesia da Editora Intrínseca


O livro
Anderbury, 1986. Gav, Mickey, Hoppo, Eddie e Nicky, a única menina do grupo, são inseparáveis. Andam juntos, estudam, juntos, frequentam as casas uns dos outros, brincam nas florestas em volta cidade, compartilham segredos e doces. Eddie, que acaba sendo nosso narrador, indo e voltando no tempo para nos narrar os eventos estranhos daquele ano, está animado por poder ir à feira que acontece na cidadezinha sem a companhia dos pais. Um acidente com um brinquedo, porém vai mudar sua vida para sempre, conectando-o ao reservado professor Halloran.

Resenha: O homem de giz, de C.J. Tudor

(...) muitas vezes, o que a idade traz não é sabedoria, mas sim intolerância.

Página 28

A narrativa de Tudor corre rápido, é ágil, ainda que ela desacelere em alguns momentos para explicar algum evento ou voltar ao passado. Isso só te dá mais vontade de continuar virando as páginas, pois a forma como o enredo foi construído lhe entrega surpresa e segredos a todo momento. O que parece um simples grupo de coleguinhas de escola vai se revelando um grupo cheio de segredos e sentimentos ocultos, culminando para uma idade adulta difícil para todos eles.

Enquanto o segundo livro da autora mexe com um tom mais sobrenatural, aqui o terror é executado pelas próprias pessoas. Você até pode achar que anos 80, crianças em bicicletas e crimes misteriosos possam soar familiar, mas é só isso, uma temática familiar, não quer dizer que você já viu isso em algum lugar. Os personagens vão revelando a trama cuidadosamente, revelando como algumas coisas nunca mudaram em 30 anos.

A capacidade de Tudor de criar personagens bizarros é fantástica. Eles são irritantemente bem construídos, você passa raiva, se identifica, se incomoda com as coisas que eles fazem ou deixaram de fazer. Eddie, que é o narrador, não é uma pessoa muito confiável, tem manias estranhas, é solitário e pouco sociável, provavelmente pelas marcas deixadas nele no passado por tudo o que precisou testemunhar.

Mesmo os personagens secundários estão bem feitos, aparecendo no momento certo, cada um com seu jeito de ser e de agir, então eles não parecem rasos, são personagens críveis, por mais absurdas que suas ações pudessem ser. Há momentos em que você sente que não pode confiar em ninguém ou simpatizar com qualquer um deles, pois no capítulo seguinte ele pode te decepcionar completamente. O que parecem simples brincadeiras da molecada da cidade se revela algo muito mais sinistro, especialmente quando um corpo sem cabeça aparece na floresta. Admito que descobrir quem levou a cabeça me espantou, eu esperava algo completamente diferente e não tão mundano. Foi uma grande revelação.

Vão ter momentos bem tensos e desagradáveis de violência, inclusive uma de abuso sexual. Então sugiro cautela para a leitura caso o assunto seja um gatilho. Com tradução de Alexandre Raposo, a edição da Intrínseca está um primor. A capa é dura, a diagramação interna é excelente, com desenhos de bonecos de palito nas partes internas das capas, páginas pretas no começo de cada capítulo e a brochura pintada de preto. O segundo livro da autora segue o mesmo padrão.


Ficção e realidade
É interessante notar como a autora trabalha as questões de amizade em seus dois livros. Em nenhum deles os grupos se mantiveram unidos. Cada um foi para um lado, muitos separados por segredos e eventos que desfez anos de amizade. Enquanto tem gente escrota nos grupos, mesmo os considerados legais acabaram levados a cometer atos abomináveis e ficaram marcados para a vida toda. Pense nisso, quantos contatos de infância ou de escola, até mesmo de faculdade, você mantém até hoje?

C.J. Tudor

C.J. Tudor é uma escritora inglesa, que morra em Nottingham. O estilo sombrio de escrita surgiu logo cedo, enquanto devorava obras de Stephen King e James Herbert. O Homem de Giz foi seu romance de estreia. Já trabalhou como repórter, redatora, roteirista para rádio, apresentadora de televisão, dubladora, passeadora de cães e agora escritora.

Acho que na vida real não há finais felizes, apenas finais confusos e complicados.

Página 191

Pontos positivos
Bem escrito
Eddie e seus amigos
Mistério
Pontos negativos

Violência e abuso sexual
Pode ser lento em algumas partes

Título: O homem de giz
Título original em inglês: The Chalk Man
Autora: C.J. Tudor
Tradutor: Alexandre Raposo
Editora: Intrínseca
Páginas: 272
Ano de lançamento: 2019
Onde comprar: na Amazon


Avaliação do MS?
Não caia na conversa de que essa história você já leu em algum lugar. Se jogue na leitura e entenda porque o livro está nas listas de mais vendidos por aí. Para quem gosta de nostalgia e crimes bizarros, totalmente humanos, este livro é um prato cheio. CJ Tudor é uma mestra nesse sentido e vai te levar por caminhos tortuosos pela floresta. Quatro aliens e uma forte indicação para você ler também!


Até mais! 💀


Já que você chegou aqui...

COMPARTILHE

Seja o primeiro a comentar.

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, com Desconhecido ou Unknown no lugar do nome, em caixa alta, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.

O mesmo vale para comentários:

- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.

A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.