Resenha: Edgar Allan Poe: Medo Clássico, da DarkSide

sexta-feira, fevereiro 23, 2018

Sabe aqueles livros que são edições definitivas? Então, este volume do Medo Clássico, todo dedicado à vida e obra de Edgar Allan Poe é destes livros definitivos. Não apenas a edição é caprichada, como a atenção dada à biografia, as ilustrações que enriquecem os contos, as fotos no final da edição mostrando o lugar onde o autor morava. Você não vai se arrepender de ter esta edição em seu livreiro!



Parceria Momentum Saga e
editora DarkSide


O livro

Há acordes no coração dos mais inconsequentes que não podem ser tocados sem emoção.

Página 79

Tive poucos contatos com Edgard Allan Poe antes deste livro. Admito que quando ele chegou na nave da capitã, a leitura me intimidou, então optei por ler em gotas, um conto por vez, absorvendo a obra e a visão do autor aos poucos. Começamos o livro com uma linda introdução por Marcia Heloisa, tradutora, professora, pesquisadora e dark, fã do escuro e da obra de Poe. Aqui temos uma visão sobre a vida do autor, mas não só isso. Temos uma ideia de como ele via o mundo, algo que se traduz em seus escritos.


Poucos autores se tornaram tão efígie de sua obra quando Edgar Allan Poe. A imagem de seu enigmático retrato parece presidir sobre cada uma de suas palavras, como o busto de Palas em seu poema mais célebre. Sozinho, ou pareado com o corvo, o semblante de Poe nos devolve em seu olhar a mesma impressão de desamparo, angústia e empáfia tão presentes em suas criações literárias.

Página 11

Tendo perdido os pais antes dos três anos de idade, foi separado dos irmãos e criado por outro casal. Alçou pouco sucesso como escritor, foi pouco ou mal compreendido pela cidade natal, muito menos reverenciado pelos cidadãos de Boston. Rondado pelo espectro da morte, ela parece acompanhar seus contos, às vezes como uma coadjuvante, outras vezes como uma protagonista imperdoável.

Divido em seis partes, o livro começa pelo Espectro da Morte, onde estão três contos onde a Morte ronda e enlouquece seus personagens. Narradores Homicidas têm assassinos perturbados, perseguidos por seus crimes, impetuosos em suas vinganças. Em Detetive Dupin, a parte mais chata para mim, as aventuras do detetive especialista em crimes bizarros. Mulheres Etéreas trabalha com a poesia mortal de mulheres recém falecidas; um tanto de mau gosto quanto de perversão. Em Ímpeto Aventureiro, Poe sai da racionalidade e se aventura por campos não antes trilhados. O último ato é totalmente dedicado ao Corvo.

Porém, nem todos os contos são de fato bons e nem tem como ser tudo uma obra-prima. As partes do detetive Dupin, por exemplo, quase me fizeram desistir do livro. Bocejei forte mesmo. E mesmo achando algumas partes de extremo mau gosto, o livro parece carregar o espírito imortal do autor, cujo trabalho definiu muito do que viria a ser escrito dali em diante.

A edição da DarkSide está incrível, como é de costume. Capa dura com uma linda ilustração em detalhes dourados. Ilustrações no miolo no começo de cada conto, de Ramon Rodrigues. Não encontrei grandes problemas de revisão e tradução; uma letra batida a mais ou esquecida aqui e ali que não chegam a complicar a compreensão do leitor.

Ficção e realidade
Filho de atores de teatro, Poe teve a tragédia como companheira desde cedo. Nasceu em Boston e lá morou até sua morte prematura, aos 40 anos, depois de agonizar inconsciente. Perdeu a mãe adotiva para a tuberculose, depois a esposa para a mesma doença. Envolvido em constantes discussões literárias, em críticas ferozes sobre seu trabalho e os problemas financeiros e de saúde mental, Poe tinha uma vida atribulada que deve ter influenciado seus personagens perturbados e dissonantes. Sua morte ainda é cercada de mistérios: foi encontrado confuso e atordoado, usando roupas que nem eram suas.


Depois de ler o trabalho de Poe neste primeiro volume foi que notei quantas influências suas eu li por outros autores. Há até um livrinho que li quando era adolescente, chamado Sete Gritos de Terror, em que a maioria dos contos apresenta grande semelhança com seus escritos. Foi indicado por uma professora de Língua Portuguesa que, suspeito, pudesse ser fã de Poe.

Pontos positivos
Contos de Poe
Histórias de suspense e terror
Ilustrações
Pontos negativos

Alguns contos chatos

Título: Edgar Allan Poe: Medo Clássico
Autor: Edgar Allan Poe
Volume 1
Tradutora: Marcia Heloisa
Ilustrador: Ramon Rodrigues
Editora: DarkSide
Ano: 2017
Páginas: 384
Onde comprar: Amazon

Avaliação do MS?
Finalmente corrigi a falha em meu currículo de leitora e li trabalhos de Edgar Allan Poe! Este não é um livro que apenas reúne contos do autor, é uma homenagem ao autor e ao seu legado, um livro caprichado para fãs e para aqueles que querem conhecer seu trabalho. Quatro aliens para o livro e uma forte recomendação para você ler também.


Até mais!

Já que você chegou aqui...

Sybylla

Fã do futuro e da ficção científica. Geógrafa, professora, blogueira, escritora de FC. Capitã da Frota Estelar. Esperando para voltar para o meu planeta. Leia mais.





Leia esses também...

Deixe seu comentário!

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, em caixa alta, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.
O mesmo vale para comentários:
- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.
A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.

Curta no Facebook

Viajantes