10 coisas que você não sabia sobre Gravidade

Gravidade (2013) é um dos meus filmes preferidos. É também um filme que divide opiniões, sobre ser ou não ser ficção científica, por ser parado e etc. e tal. Eu adoro tudo nele, desde a atuação de Sandra Bullock até a discussão sobre renascimento e luta em meio às adversidades. Com efeitos visuais de tirar o fôlego, não recomendo para aqueles que tenham labirintite.




Dirigido por Alfonso Cuarón, o longa ganhou sete estatuetas do Oscar, incluindo a de direção e teve um orçamento de 100 milhões de dólares. A bilheteria compensou o investimento, arrecadando mais de 720 milhões mundo a fora. O filme é estrelado por Sandra Bullock e George Clooney como dois astronautas sobreviventes de um acidente catastrófico em órbita após uma missão de rotina. Da finalização do roteiro até o final da pós-produção, foram quatro anos e meio.

10. Elenco
Sandra Bullock não foi a primeira escolha. Cuarón escreveu o roteiro com seu filho, Jonás e vendeu os direitos para a Warner Bros.. O projeto atraiu a atenção de Angelina Jolie, que queria o papel principal, mas ela pulou fora quando o estúdio se recusou a pagar 20 milhões de dólares à atriz. As demais atrizes sondadas para o papel de protagonista foram Marion Cotillard, Abbie Cornish, Carey Mulligan, Sienna Miller, Rachel Weisz, Naomi Watts, Scarlett Johansson, Blake Lively, Rebecca Hall, Olivia Wilde e Natalie Portman, que por sua atuação em Cisne Negro, não aceitou o projeto por conflitos de agenda. Robert Downey, Jr. deixou o papel do astronauta Matt Kowalski também por conflitos de agenda e depois de vários atores recusarem, George Clooney foi contratado em seu lugar. Cuarón gostaria que Salma Hayek fosse a atriz principal, mas o estúdio disse que ninguém acreditaria em uma astronauta latina.

9. Efeitos espaciais
Alfonso Cuarón, o diretor de fotografia e o supervisor de efeitos visuais sabiam que este não era um filme fácil do ponto de vista de efeitos e que eles teriam que adotar outros métodos. Para as cenas das caminhadas espaciais, eles filmaram os rostos dos atores e o restante foi criado digitalmente. Para isso, o rosto de Sandra e George permanecia constantemente iluminado para poder coincidir com as tomadas, com a Terra, o Sol ou qualquer objeto celeste de fundo. Assim, eles ficavam sentados dentro de um grande cubo de luz, com várias fontes iluminando partes diferentes dos rosto dependendo do movimento da câmera. Cerca de 80% do filme contém efeitos visuais, contra os 60% de Avatar (2009).

8. 90 minutos
A duração do filme, de 90 minutos, é proposital. A Estação Espacial Internacional viaja a quase 28 mil km/h e orbita a Terra a cada 90 minutos. A cascata de detritos também circularia o planeta em 90 minutos.

7. Sandra Bullock
A atriz precisou de seis meses de treinamento para coordenar seus movimentos, que precisavam ser cuidadosamente executados em conjunto com a câmera, além de se preparar para o papel de uma astronauta conversando com profissionais de verdade da NASA. Ao mesmo tempo, ela revisava o roteiro com Cuarón para dar mais veracidade a determinadas cenas e momentos dramáticos da personagem.

6. 12 minutos
A cena de abertura, que mostra um ponto de vista da Terra, alternando para a Dra. Stone se soltando da estrutura, é uma única e contínua cena, gravada de uma vez, durando 12 minutos. Como não existe em cima e embaixo no espaço, a cena original foi alterada para mostrar todos os ângulos caóticos de um lugar sem referências espaciais.

5. Base Aérea de Edwards
O personagem de George Clooney menciona algo sobre um pouso em Edwards, que se refere à Base da Força Aérea de Edwards, na Califórnia, que foi o principal local de pouso de todas as missões dos ônibus espaciais desde 1991. Hoje é um local secundário de pousos, com o fim do programa dos ônibus, em 2011.

4. Alucinada
Os momentos em que a Dra. Ryan alucina, vendo seu colega, Matt Kowalski, foram ideia do próprio George Clooney. Cuarón estava quase retirando os diálogos do roteiro por não ter encontrando uma solução para a questão que lhe agradasse. Foi quando George sugeriu a alucinação da personagem, certamente sob forte estresse, e filmou cenas adicionais.

3. Georges Méliès
Há uma referência e uma homenagem bem tímidas a um filme de Méliès, de 1904, Viagem Através do Impossível. Quando a Dra. Ryan descobre o fogo dentro da Estação Espacial Internacional, ao lado do monitor do computador existem algumas fotos, entre elas, uma retirada do filme. A foto da família que também aparece é a de Jonás Cuarón.

2. Mangalyaan
O filme foi mais caro do que a Missão do Orbitador de Marte, Mangalyaan, lançado pela Índia. Enquanto o filme teve impressionantes 100 milhões de dólares, a missão indiana custou 74 milhões.

1. Efeito Kessler
O filme mostra uma imensa cascata de detritos depois dos incidentes em órbita. Essa cascata é conhecida como Efeito ou Síndrome de Kessler, proposta pelo cientista da NASA, Donald J. Kessler, que a propôs, em 1978. O efeito envolve um objeto grande, do tamanho da Estação Espacial Internacional, que pode gerar uma catastrófica reação em cadeia de detritos, onde um colide com o outro, que colide com mais um, criando assim mais detritos. A reação e o volume de objetos em rotas caóticas tornariam as missões espaciais inviáveis por décadas.

Bora assistir mais uma vez?


Até mais!

Já que você chegou aqui...

COMPARTILHE

Seja o primeiro a comentar.

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, com Desconhecido ou Unknown no lugar do nome, em caixa alta, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.
O mesmo vale para comentários:
- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.
A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.