Resenha: Twin Peaks - Arquivos e Memórias, de Brad Dukes

sábado, setembro 30, 2017

WELCOME TO TWIN PEAKS. POPULATION 51.201. Twin Peaks foi um marco para a televisão, mesmo com tão poucos episódios. Com apenas duas temporadas, a série girava em torno de uma pergunta inquietante: quem matou Laura Palmer? Um desavisado poderia pensar que é uma simples série policial, porém o mistério em torno de Laura e a bizarrice que permeia a fictícia Twin Peaks mostram que esta não é uma série comum. E ela voltou com 18 episódios na Netflix!



Parceria Momentum Saga e
editora DarkSide


O livro
Fãs de séries e filmes gostam, em geral, de saber os bastidores de suas séries preferidas. É comum haver comentários em DVDs e entrevistas nos sets, mostrando o dia a dia de gravações, construção de cenários, ensaios e erros de filmagens. Este livro é como um making off da série Twin Peaks, uma compilação detalhada de fatos e memórias de todos os envolvidos na gravação. Há uma seção inteira com apenas as fotos de atrizes e atores, alguns já falecidos até, com nome do personagem na legenda, que é para o fã não esquecer de ninguém.


A série gira em torno do assassinato da jovem Laura Palmer, queridinha da cidade e da família, mas cuja vida secreta é cheia de sexo e drogas. O mistério em torno da sua morte, o cadáver enrolado em plástico, aciona o agente do FBI, Dale Cooper, que percebe algum tempo depois que Twin Peaks não é aquela comunidade provinciana e pacífica que parece em um primeiro momento. A comunidade tem muitos esqueletos no armário. Mesmo durando tão pouco, a série logo conquistou uma legião de fãs fiéis até hoje.

Utilizando-se das falas das pessoas ao invés de compôr um texto com base neles - igual aos livros de Svetlana Aleksiévitch - o autor traz informações valiosas sobre como a série surgiu, as inspirações, os problemas (que não foram poucos), fatos curiosos e superstições como o fato de David Lynch se atrasar para uma gravação por ter visto um carro com uma placa com os números 666 na estrada.

É possível também saber a desconfiança do estúdio com a série. Ninguém botava muita fé que eles terminariam a primeira temporada. A ABC não gostava nadica da independência de Lynch para editar os episódios como quisesse e até os roteiristas se sentiram um tanto culpados por não saberem exatamente o que escrever assim que o verdadeiro assassino de Laura foi revelado ao público, que na real era o que segurava muita gente. Fez me lembrar de todos os problemas que Chris Carter teve com a FOX por não querer que os executivos do estúdio mandassem em Arquivo X.

Há também muito carinho e uma sensação de dever cumprido por terem conseguido estrear a série, apesar de todo o trabalho e desconfiança. Mas a decepção e a frustração também são palpáveis, pois a série dá uma derrapada no enredo na segunda temporada e os criadores estavam afastados, o que só aprofundou os problemas. Sem mais conseguir manter a audiência, a série mal teve condições de terminar.

A edição da DarkSide está um primor de tanto capricho. Capa dura com detalhes conhecidos dos fãs nas contra capas e no miolo, além de uma apetitosa receita de torta de cereja, a favorita do agente Dale Cooper.

Obra e realidade
Eu devia ter 11 ou 12 anos, quando estava na livraria Siciliano e vi o livro O Diário Secreto de Laura Palmer na pilha logo na entrada. A capa me chamou a atenção, o rosto de Laura eternizado no momento em que é encontrada. Na época, muita gente acredita que Twin Peaks narrava os eventos de um assassinato real, então o diário virou uma sensação em pouco tempo. E claro que comprei o bendito e lia na perua escolar todos os dias.


Mas aquilo não era leitura para uma criança como eu. Recheado de cenas de sexo e masturbação, o livro ficou famoso entre os meninos, que até as aulas de educação sexual, nunca ouviram falar em "meu botão especial". Imagina quando alguns pais descobriram o tema do diário? Felizmente também descobriram que era tudo ficção e que Laura Palmer era só uma personagem de uma perturbadora e aclamada série de ficção. Mas aí todo munto no colégio já tinha lido o diário secreto.

Pontos positivos
Declarações dos envolvidos
Bem descrito e bem acabado
Tem receita de torta de cereja!
Pontos negativos

Erros de revisão

Título: Twin Peaks - Arquivos e Memórias
Título original: Reflections: An Oral History of Twin Peaks
Coleção: Fora de Série
Autor: Brad Dukes
Tradutor: Carlos Primati
Editora: DarkSide
Páginas: 320
Ano de lançamento: 2017
Onde comprar: Amazon

Avaliação do MS?
Algumas pessoas podem torcer o nariz para a forma como Dukes fez o livro, deixando os comentários originais da equipe e dos atores. Mas foi uma ótima maneira de reconstruir os bastidores da série, através de quem de fato estava envolvido. Assim você se sente nos anos 1990, sabendo como foi o trabalho, as dificuldades, o êxito da série e que havia muito mais naqueles episódios do que apenas o assassinato de Laura. Se você não perdia os episódios, se ficou entusiasmada com os novos episódios, então esse livro é para você. Quatro aliens para Twin Peaks e uma forte recomendação para você ler também.


Até mais!

Já que você chegou aqui...

Sybylla

Fã do futuro e da ficção científica. Geógrafa, professora, blogueira, escritora de FC. Capitã da Frota Estelar. Esperando para voltar para o meu planeta. Leia mais.





Leia esses também...

0 comentários

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.
O mesmo vale para comentários:
- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.
A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.

Curta no Facebook

Viajantes