Dê as costas ao perfeccionismo

terça-feira, setembro 26, 2017

Perfeccionismo muitas vezes passa uma impressão de ser um alto padrão pessoal para que as coisas saiam sempre no seu máximo. Na escrita, na vida, no trabalho, nos relacionamentos. Algumas quando perguntadas sobre seu maior defeito alegam "perfeccionismo", esperando sejam assim levadas a sério, sejam vistas como pessoas positivas. No entanto, perfeccionismo é apenas um monstro devorador de vontades, de sonhos, de desejos, que nos deixa aterrorizadas demais para continuar no caminho que queremos seguir. No fim, ele nos imobiliza.




Uma das coisas que eu mais vejo na vida de quem escreve - inclusive na minha - é a espera pelo "momento perfeito". Quando todas as energias cósmicas, os horários, a velocidade do vento, a musa, a inspiração estarão em pleno acordo. Quando sua obra estará perfeita para a apreciação do público e você enfim terá o devido reconhecimento. Sinto lhe dizer, essa perfeição não virá. Ao contrário, por esperar demais pelo momento perfeito, a escrita perfeita, a vida perfeita, você está se sabotando.

A Síndrome do Impostor é algo que sempre me abalou. Foi apenas há poucos anos que resolvi me arriscar a deixar as outras pessoas lerem minhas ficções, meus contos, além do que escrevo no blog, sempre com medo que um dia descubram a tremenda fraude que eu sou. Muitas mulheres se sentem assim, pois somos ensinadas a nunca ter ambição demais, a querer sempre menos, porque podemos menos. Não é verdade, podemos mais e devemos sim ter ambição, devemos querer. Mas como lidar com o perfeccionismo e sua farsa de "alto padrão pessoal" e "ambição"?

Perfeccionismo não é sobre alto padrão pessoal

As pessoas perfeccionistas criticam seu trabalho constantemente. Elas colocam seu talento em padrões irreais, incrivelmente altos e não em objetivos e critérios que sejam de fato alcançáveis. Assim, elas trabalham até a exaustão, acreditando que assim consertarão qualquer erro, mesmo que seja potencial, não aceitando elogios ou tendo orgulho do que fazem, porque encaram isso como uma fraqueza. Sentir orgulho de si e de seu trabalho parece que afetará o inabalável padrão de qualidade pessoal. Capaz até que te chamem de arrogante por ter orgulho.

Qualquer crítica que chegue será vista como um punhal cravado no peito. Justamente por se autocriticar o tempo inteiro, quando chega uma crítica externa (não confunda com ódio gratuito) a pessoa perfeccionista vai acreditar que não tem valor como artista.

Perfeccionismo não é sobre disciplina e motivação

Taí um grande perigo do perfeccionismo: o de acreditar que é um caminho a se trilhar para o sucesso. Na verdade você está cometendo bullying contra si, se punindo, vivendo no medo e na ansiedade. Não apenas a pessoa tem problemas em falar do seu trabalho, como também tem medo de sentar e escrever, temendo o que pode sair dali. É diferente do "bloqueio criativo". O perfeccionista vai sofrer em cada frase, em cada diálogo, em cada vez que precisar descrever uma cena, apagando e escrevendo diversas vezes, nunca achando que está bom o suficiente.

Nem tudo o que você fizer será bom. E tudo bem! O importante é fazer. Escrita, assim como qualquer habilidade, requer treino, requer erros e acertos, e se você não escrever coisas ruins ou meia-boca, nunca escreverá algo bom. É preciso saber errar e superar o erro, não colocar expectativas irreais que você nunca vai alcançar.

Perfeccionismo não é sobre ambição

As definições de sucesso e fracasso para um perfeccionista são irreais, normalmente apontado para extremos. Como se comparar com escritores famosos, por exemplo. A vida não é feita só de escuridão ou só de luz, existe toda uma gama de pontos intermediários de luminosidade que os perfeccionistas acabam ignorando em busca do sucesso absoluto e, em geral, inalcançável.

O medo de falhar paralisa. Com isso, uma pessoa vai passar ainda mais tempo pensando, preparando, organizando, planejando, mudando, corrigindo, voltando ao início porque nunca está bom. Conheço bem essa sensação. Com medo de errar, eu relia tudo o que estava escrito antes de continuar a escrever. E como resultado eu escrevia muito pouco. Às vezes nem uma palavra. É comum que a pessoa espere que o sucesso seja um óbvio fim para todo o seu talento, que são destinados a isso. Pensar dessa maneira leva a uma verdade inescapável: seu trabalho nunca ficará pronto, você nunca publicará nada, nunca agregará público ou chamará a atenção de alguém.

E a outra verdade que você precisa saber: não se vive uma vida criativa com medo de falhar. Porque você vai falhar, mas precisa aprender com o erro e seguir em frente. Lembre-se: Harry Potter foi rejeitado por 12 editoras.

Como vencer o perfeccionismo?

Primeiro é reconhecer que você está agarrado ao perfeccionismo e não progredindo com ele. Querer que uma cena ou uma ilustração fiquei boa é diferente de nunca terminá-la porque não está perfeita. O segundo passo é aceitar a possibilidade do erro (e não se apavorar com isso) e compaixão. Por você, por seu trabalho e pelo trabalho dos outros, já que não é só você que pode errar. Compaixão por si mesma é reconhecer seus pontos fortes e pontos fracos, é não se cobrar demais, é se arriscar de vez em quando. É saber que você NUNCA agradará a todos. E isso não deve te impedir de fazer o que gosta.

E um terceiro passo que foi bem dito em Grande Magia, de Elizabeth Gilbert: criar deve ser um processo divertido. É preciso ter prazer no que você faz. Aquela vozinha que te diz que você é uma fraude, que seu valor é menor do que o do vizinho não é a voz da razão, mas sim a voz de um predador que está te afastando da sua paixão e do seu talento. Dê as costas para ele. Aceite os elogios que receber, aceite que você, mesmo não sendo perfeita, é capaz de fazer coisas boas, coisas que as pessoas vão gostar e vão querer te dizer. Tenha sim orgulho das coisas que faz.


Até mais!

Já que você chegou aqui...

Sybylla

Fã do futuro e da ficção científica. Geógrafa, professora, blogueira, escritora de FC. Capitã da Frota Estelar. Esperando para voltar para o meu planeta. Leia mais.





Leia esses também...

4 comentários

  1. "Sentir orgulho de si e de seu trabalho parece que afetará o inabalável padrão de qualidade pessoal"
    Nossa, como isso é verdade. Eu sempre tive medo de dizer que as coisas que eu faço são boas por medo de parecer arrogante ou com falta de humildade, mesmo eu sabendo que algo ali estava realmente bom, eu dizia que não tava perfeito, então não tava assim bom.
    Mas estou cada vez mais me desapegando disso, e pensando que o que eu produzo é bom sim, nem sempre será, como você mesma falou, mas acho que com dedicação - e não perfeccionismo, né? - o trabalho ficará bom e eu me sentirei bem de ter feito aquilo.

    Seu texto foi importantíssimo para mim nesse momento, então muito obrigada, Lady Sybylla <3

    Beijins!

    ResponderExcluir
  2. Nossa, estava comentando agora com um amigo meu sobre um livro que estou lendo que tem um tema que gostaria de escrever sobre - pessoas com poderes especiais, ou mutantes -e o livro é tão bom que me desmotiva a escrever minha história, porque apesar de gostar dos meus personagens qualquer contexto que imagino acho mais do mesmo, clichê, sendo que a autora do livro pegou o tema e conseguiu um contexto mega interessante. Aí logo depois disso aparece seu texto na TL, me deu o que pensar, obrigada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não deixe de escrever! O tema pode ter aparecido por aí várias vezes, na pena de vários autores, mas ainda falta a sua visão sobre o assunto. =)

      Excluir

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.
O mesmo vale para comentários:
- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.
A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.

Curta no Facebook

Viajantes