Resenha: Mars One, de Jonathan Maberry

terça-feira, agosto 08, 2017

Um adolescente está se despedindo dos amigos e da namorada. Sua família foi selecionada para ir para Marte, em uma missão de colonização. Mas não é fácil pensar que você nunca mais verá um pôr do sol na Terra, nem passeará com sua namorada, ou que terá uma tarde tranquila com os amigos num sábado qualquer. Sua vida está em constante risco, em um planeta hostil, onde tudo pode nos matar. E ainda há os oposicionistas. E aí, aceitar a missão ou não?



O livro
Mars One é uma ficção científica juvenil, sobre um adolescente, Tristan, que está com o coração dividido. Sua família foi selecionada para participar de uma missão sem volta a Marte. Sua mãe é uma engenheira de renome, detalhista, metódica, e é de vital importância para a missão. Tristan, no entanto, tem que deixar para trás sua vida na Terra, sua namorada, seus amigos, sua vida. Se essa não é uma decisão fácil para um adulto, imagine um adolescente terminando o ensino médio?


O ano é 2026. O programa Mars One, que existe mesmo na vida real, é uma missão só de ida. A empreitada exige muitos recursos e Tristan é uma imensa fonte de renda. Ele estrela um reality show com sua namorada do colégio, Izzy, mesmo a contragosto. A mídia explora a separação do jovem casal ao máximo, fazendo especiais e programas específicos, a ponto da exaustão. É um mal necessário, já que Tristan quer deixar um legado.

Mas não existe apenas a preocupação com a missão, de nunca mais voltar para a Terra, existe também uma preocupação com os terroristas, chamados de Neo-Luddites, que tentam sabotar a missão, alegando que a Terra é nossa única casa e deveríamos cuidar melhor dela ao invés de procurar outro lugar para viver. Tristan se despede dos amigos, mantendo contato apenas pelo celular, enquanto está no centro de controle da missão, quando eles descobrem algo que pode mudar toda a missão: a China enviou uma nave na frente e pode chegar a Marte antes de Mars One. Então é tudo ou nada para Tristan, sua família e os colegas de missão.

O autor conseguiu trabalhar muito bem seus personagens, apesar de ter achado que ele entregou o ouro muito cedo. Há uma preocupação imensa com as qualificações dos membros da missão e com a ameaça constante de terrorismo, mas fica bem óbvio que há sabotadores nas duas naves que rumam para Marte e quem eles são. Maberry nem mesmo disfarçou. Apesar disso, existem personagens ótimos, ambíguos, inteligentes, fortes, que têm medo, que não ficaram rasos. A mãe de Tristan, por exemplo, é uma engenheira super competente e que treina o filho para ser engenheiro da missão. Ela desmonta aparelhos eletrônicos e deixa um tempo para o filho montar tudo, enquanto o avalia.

O autor fala de ciência e sociedade com bastante propriedade, mas também aproveita para tirar sarro da mídia, que quando agarra um assunto de apelo popular o explora até não restar pedra sobre pedra. A mídia vai atrás de Tristan, seus amigos, sua família, paga para que ele use determinados produtos no dia a dia. Até financiam certos produtos que acompanharão a missão.

Ficção e realidade
Em uma época em que as distopias são acusadas de mostrar um futuro não-promissor para a humanidade, de serem muito pessimistas, a obra de Jonathan nos traz um mundo muito real, onde há sim empresas e governos pensando seriamente sobre uma missão a Marte e como o assunto seria tratado pela mídia. Além disso, trata a viagem de maneira positiva, com ciência e tecnologia resolvendo problemas, com pessoas usando a inteligência para ir além.


E sim, gente contra o projeto já existe hoje. Sempre que uma nova missão ao espaço, o desenvolvimento de um novo rover, ou o lançamento de um novo telescópio são anunciados, alguns seres humanos lembram que fome e miséria existem no mundo. Esquecem do sofrimento alheio o ano todo, fecham a janela do carro para a vendedora de pano de prato, mas nas redes sociais parecem bem preocupados. Ciência e tecnologia existem para resolver problemas e quando o ser humano se empenha, ele consegue resolvê-los.

Pontos positivos
Ciência, tecnologia e Marte
Bem pesquisado e bem escrito
Críticas à indústria do espetáculo
Pontos negativos

Vilões óbvios
Não tem em português

Título: Mars One
Autora: Jonathan Maberry
Editora: Simon & Schuster Books for Young Readers
Páginas: 448
Ano de lançamento: 2017
Onde comprar: Amazon

Avaliação do MS?
Um livro bem escrito, positivo, personagens cativantes, de diversos lugares do mundo, todos empenhados em elevar a exploração e curiosidade humanas. Problemas existem, mas Tristan, seus amigos e a tripulação da Mars One não se deixam abater por eles, apenas trabalham juntos, passando pelas dificuldades, sabendo que haverá um amanhã para todos se trabalharem em conjunto. Uma pena que não tenha em português. Quatro aliens para o livro e uma recomendação para você também ler.


Até mais!

Já que você chegou aqui...

Sybylla

Fã do futuro e da ficção científica. Geógrafa, professora, blogueira, escritora de FC. Capitã da Frota Estelar. Esperando para voltar para o meu planeta. Leia mais.





Leia esses também...

0 comentários

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.
O mesmo vale para comentários:
- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.
A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.

Curta no Facebook

Viajantes