Sonequa Martin-Green será a protagonista de Star Trek Discovery e isso é lindo

segunda-feira, dezembro 19, 2016

Desde que anunciaram uma nova série de Star Trek que os fãs estão sedentos por informações. E elas demoram! Apenas nas últimas semanas que nomes começaram a sair, como os de Michelle Yeoh, Doug Jones e Anthony Rapp, mais três atores convocados para serem klingons, Chris Obi, Shazad Latif e Mary Chieffo.

Esta será uma série bem diferente das anteriores, que tinham um monstro novo a cada semana. Discovery seguirá a linha das séries atuais, com uma história apenas, mas dividida em treze episódios. Mas certamente, o anúncio mais importante era o da protagonista, que Bryan Fuller tinha admitido que seria uma mulher negra. Pois bem, agora nós a temos!

Sonequa Martin-Green  💜



Sonequa Martin-Green é conhecida dos fãs de The Walking Dead, onde ela interpreta a Sasha, uma das personagens mais fortes da série. Tendo sofrido perdas grandes durante as temporadas e passado por momentos depressivos, Sasha é uma das peças fundamentais na segurança do grupo de Rick Grimes. O anúncio de que ela será a tenente-comandante Rainsford, da USS Discovery, reforça uma visão iniciada há 50 anos, com a série clássica.

Star Trek é um universo onde as desigualdades caíram, onde a humanidade finalmente compreendeu que lucro, ganância e preconceito em nada ajudariam seu futuro. Assim, com o primeiro contato com os Vulcanos e as mudanças sociais que se seguiram, a Terra se pacificou. Miséria, doença e fome desapareceram, as pessoas passaram a ter as mesmas oportunidades, as mesmas chances na vida, as mesmas escolhas. E a chance de melhorar a si próprias.

Mas ao mesmo tempo em que Star Trek mostra essa humanidade positiva, em sua melhor forma, ela também peca em algumas áreas. Por exemplo, os próprios Klingons, tidos como uma raça muito forte, guerreira e beligerante, geralmente é interpretada por negros, reforçando um estereótipo bem danoso na ficção que vincula bestialidade, força física e agressão ao povo negro. Foi apenas em Deep Space Nine que o primeiro capitão negro sem essas características estereotipadas apareceu e em Voyager uma mulher (e cientista). Faltava algo, no entanto; faltava uma mulher negra em posição de destaque e protagonismo, pois até então nós as víamos apenas como coadjuvantes.

Uhura foi pioneira em uma época em que uma mulher negra na televisão ou no cinema era escrava ou empregada. Ser uma oficial em uma ponte de uma nave estelar mostrou a milhares de meninas negras que elas podiam ser o que quisessem ser. Assim como Sisko, assim como Janeway, que também passaram suas mensagens poderosas a uma geração de espectadores. A ficção e a cultura pop inspiram, elas nos fazem sonhar, nos fazem ver as possibilidades. Por isso a importância da representatividade ainda nos dias de hoje. Por isso a importância de Sonequa e da tenente-comandante Rainsford.

Vamos torcer que Star Trek Discovery continue a longa tradição de meio século em representar uma raça humana unida e que prega pela igualdade. E torcer para que essa mensagem mude o mundo.

Vida longa e próspera! 🖖

Já que você chegou aqui...

Sybylla

Fã do futuro e da ficção científica. Geógrafa, professora, blogueira, escritora de FC. Capitã da Frota Estelar. Esperando para voltar para o meu planeta. Leia mais.





Leia esses também...

1 comentários

  1. E que demora pra série sair!!!
    A cada notícia, que demora mais ainda pra sair, fico mais ansioso.

    ResponderExcluir

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.
O mesmo vale para comentários:
- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.
A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.

Viajantes

Curta no Facebook

❤️


"A ficção científica é um substituto para todos os lugares que eu nunca vou alcançar nessa vida."

James W. Harris