Diversidade planetária em Star Wars

segunda-feira, março 21, 2016

Star Wars tem cenários incríveis em todos os seus filmes. Mas os planetas sempre possuem o mesmo tamanho, ar respirável... Bem, para um enredo que se passa há muito tempo atrás, numa galáxia distante, com uma civilização de nível galáctico, só posso supor que o ser humano tenha terraformado os lugares, ou que civilizações humanoides o tenham feito. Separei alguns planetas aqui para falar, mas todos têm algo em comum: são habitáveis.





Este texto foi originalmente apresentado no II Colóquio Star Wars, que aconteceu no PikNik Faria Lima, em São Paulo, no dia 30 de janeiro de 2016.

Planeta é um corpo celeste que orbita uma estrela ou um remanescente de estrela, com massa suficiente para se tornar esférico pela sua própria gravidade, mas não ao ponto de causar fusão termonuclear, e que tenha limpado sua região vizinha de planetesimais (dominância orbital). Star Wars foi bem criativo na forma de mostrar planetas, mas abordou pouco a questão da gravidade. São poucas as ficções científicas que abordam mudança de gravidade nos planetas alienígenas. Star Wars também mostrou um planeta com dois sóis, Tatooine, antes que a ciência realmente descobrisse um planeta em um sistema binário.

Naboo
Orla Média
Planeta natal dos Gungans, conhecido por sua beleza, por seu povo pacífico, lar de filósofos e artistas. O planeta tem o interior oco e aquático, ou seja, é possível passar por dentro dele e sair do outro lado. Porém, isso leva a crer que Naboo é um planeta artificial, que ele foi construído por alguma civilização de capacidade inimaginável. Por não ter núcleo nem manto, ele provavelmente não tem atividade tectônica, portanto não tem vulcões, nem sismos ou orogenia. Naboo não tem calçadas, já que os transportes são todos voadores, assim como outras cidades em Star Wars.

Mustafar
Orla Exterior
Planeta tempestuoso, com rios de lava correndo pela superfície, muitos vulcões e, provavelmente, muita atividade tectônica, devido ao intenso derrame de lava. Faz lembrar a Terra logo na sua formação, há 4,5 bilhões de anos, onde não havia atmosfera, apenas um ambiente tempestuoso como o de Mustafar. Seu derrame contínuo de lava lembra o derrame basáltico que ocorreu no Gondwana, antes da separação da Pangea, que deu a coloração avermelhada - terra "roxa" - nos estados do sul e do sudeste. Apesar da intensa atividade vulcânica, Mustafar tem o ar respirável, algo que, provavelmente, a Terra não tinha. Possivelmente ele esfriará com o tempo.

Coruscant
Mundos do Núcleo
É um planeta inteiramente coberto por uma cidade. Ou eram várias cidades que tiveram suas regiões metropolitanas unidas. Coruscant é uma ecumenópole, termo criado pelo arquiteto e urbanista grego Constantínos Apóstolos Doxiádis, em 1967. Ele acreditava que no futuro todas as regiões metropolitanas se uniriam em uma só, cobrindo toda a superfície. Isso seria bem difícil de fazer aqui na Terra, por exemplo.
Coruscant, segundo o Manual do Império, chegou a ter mares, então eles devem ter drenado a água, armazenado em tanques subterrâneos, por exemplo. Como ficaria o clima? Teria que ser artificialmente regido. Sem os mares e a cobertura vegetal para manter umidade junto à superfície, seria muito difícil manter a temperatura estável. Coruscant deveria ser extremamente quente, a menos que eles controlem isso artificialmente. Provavelmente não tem atividade geológica e precisou ser "aplainado" por conta das fossas oceânicas.

Kamino
Espaço selvagem
Completamente coberto por água depois de um intenso aquecimento global, o planeta ficou com recursos naturais muito restritos. O povo nativo desenvolveu uma avançada tecnologia de clonagem, além de cidades subaquáticas e não gostam de manter contato com povos de fora. Fica aí a dica quando o nosso aquecimento global resolver engolir a superfície. Os kaminoanos são humanoides, mas muito altos, longilíneos. Poderíamos supor que sua gravidade seja menor, mas Obi Wan Kenobi e Jango Fett não tinha problemas para andar por ali.

Bespin
Territórios da Orla Exterior
Bespin é um gigante gasoso com 118.000 quilômetros de diâmetro, localizado no braço mais externo do sistema de mesmo nome. A Cidade das Nuvens flutua na sua camada respirável, uma cidade difícil de manter, porém a extração de gás tibano justifica sua existência. Só por comparação, Júpiter tem 139.822 km de diâmetro e Saturno tem 116.464 km. Muito já se especulou na ciência sobre vida em planetas gasosos. Bespin possui criaturas que vivem do gás rarefeito. Talvez nenhuma vida muito avançada possa sobreviver em condições extremas como a de Bespin.

Hoth
Territórios da Orla Exterior
Extremamente gelado e inóspito, porém com ar respirável, Hoth é coberto por um oceano congelado, com fissuras vulcânicas por onde sai vapor, rochas e minerais. As três luas de Roth causam uma maré agitada sob o manto de gelo, causando também atividade sísmica regular, o que altera constantemente a paisagem. Hoth lembra Europa, com sua extensa camada de gelo cobrindo um oceano que, acredita-se, possa ter formas de vida.

Tatooine
Sistema Arkanis
Tido como um dos planetas mais antigos conhecidos, ele é desértico, com uma população que vive basicamente de cultivos de umidade e venda de sucata. Chegou a ser conhecido como a fossa da república diante de tantos criminosos que ali vivem. Ele já foi um planeta rico em água, com vegetação exuberante, mas a água evaporou, deixando apenas 1% de sua superfície coberta por água, com umidade relativa do ar de cerca de 5,4%. Seu clima é estável, porém quente demais.
A baixa umidade do ar e o sol constante causam envelhecimento precoce na população. Após um intenso bombardeio orbital que vitrificou a superfície e fez os oceanos evaporarem, o planeta se tornou desértico. Ele provavelmente é um retrato de muitos planetas que orbitem sistemas binários, porém não teria ar respirável.

Este são alguns planetas que se destacam em Star Wars. Mas tenho a impressão que todos são parecidos em tamanho e gravidade.

Até mais!

Sybylla

Fã do futuro e da ficção científica. Geógrafa, professora, blogueira, escritora de FC. Capitã da Frota Estelar. Esperando para voltar para o meu planeta. Leia mais.





Leia esses também...

2 comentários

  1. Olá! Adorei a postagem!

    Uma coisa que sempre me incomodou em Star Wars foi que os planetas não tem nenhuma variação de clima geográfica. São uma bola de neve, uma bola de lava, uma bola de floresta e por aí vai. Não existem polos congelados e região equatorial mais quente, como na Terra. São todos esferas de cobertura uniforme do que quer que seja.

    Poderia rolar um texto explicando como deduzimos a gravidade de um planeta com base nos seres que o habitam? Sempre que leio isso me lembro de uma lesma e uma girafa, e de como as duas evoluíram sob a mesma gravidade.

    Beijos, adoro o blog!

    ResponderExcluir
  2. Adorei essa postagem. Nesta nova fase de filmes Star Wars, com equipes diferentes na frente de cada filme, fico receioso quanto à diversidade de Star Wars.
    Tenho medo de que os próximos filmes percam a conhecida diversidade de raças que dá essencia à Star Wars, e que os próximos Jedis sejam somente humanos.
    Satar Wars não pode perder a essência de raças diferentes, em todos os lugares, demonstrando ser comum em seu universo. Nos 6 primeiros filmes vemos Jedis de diferentes raças. Observando Star Wars: o despertar da força, vejo somente Jedis humanos. Espero que nos próximos filmes isso não ganhe força. A essência de Star Wars não pode ser perdida!

    ResponderExcluir

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.
O mesmo vale para comentários:
- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.
A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.

Viajantes

Curta no Facebook

❤️


"A ficção científica é um substituto para todos os lugares que eu nunca vou alcançar nessa vida."

James W. Harris