Resenha: Rani e o Sino da Divisão, de Jim Anotsu

sexta-feira, maio 15, 2015

Rani e o Sino da Divisião não é um livro de ficção científica, mas fiquei muito feliz de lê-lo, o suficiente para querer ter tido um desses quando eu mesma era adolescente. Além de ser um embate entre forças espirituais com xamãs, guitarras, vampiros e todos os conflitos juvenis típicos da idade, ainda é escrita por um autor nacional. Uma aventura muito divertida, com perigos e dinossauros!



O livro
Rani mora em uma cidade pequena, Graúna, um lugar provinciano, com todas as características típicas de uma cidade pequena. Todo mundo se conhece, pouca coisa interessante acontece, as coisas parecem andar mais devagar. Rani mora com o pai, estuda numa escola pública depois de sofrer bullying na escola particular em que estudava por ser negra e por curtir punk death metal.

Adorei a capa.

Mas tudo muda numa manhã, enquanto cortava caminho para ir para a escola. Ela encontra um garoto que aparenta ter sua idade, roupas coloridas, mas que a deixa com uma sensação estranha. Qual não é sua surpresa quando ele se mostra seu novo colega de classe? Pietro é seu nome. E o que ele lhe revela é uma completa loucura: ele faz parte de uma facção de seres sobrenaturais, chamada Animais de Festa e que Rani é uma poderosa xamã, daquelas muito raras. Ahh, e tem o detalhe: um xamã sanguinário quer matá-la, o que pode levar ao fim do mundo como conhecemos.

Como qualquer pessoa que recebesse uma notícia dessas, Rani foge e sente que não tem condições de lidar com tanta informação, com tanta coisa em suas mãos de uma vez só. Mas ela percebe que se não treinar para controlar seus poderes e se não encarar Aiba, o poderoso xamã, as pessoas que ama estarão em risco.

O livro é narrado em primeira pessoa, então temos completa visão das sensações e pensamentos de Rani. Vemos suas frustrações com a escola, com os próprios sentimentos por vezes conflitantes. Sua relação com os pais e avós, seus gostos musicais altamente refinados e sua relação com Marina, sua melhor amiga, que embarca em sua aventura sem nem mesmo ter poderes sobrenaturais. Temos vampiros, lobisomens, o filho do diabo e o cramunhão em pessoa em uma das mais divertidas visões de infernos que já li.

Ficção e realidade
As referências sobre a cultura pop são variadas. Temos as bandas favoritas de Rani e Marina, trechos de músicas abrindo os capítulos, um teste para saber a qual facção o leitor pertence, um trecho do Sobrenatural em Dia e anotações divertidas de Rani pelos capítulos. Além disso e o mais legal do livro, é que Rani não orbita nenhum personagem masculino. Temos uma adolescente negra, que toca guitarra, é xamã e que decide enfrentar o mal sozinha.

Ninguém manda em mim! E, em segundo lugar, não vou deixar de fazer minhas coisas porque um cara como você acha que é melhor assim.

Rani

Ao contrário de outros livros juvenis, como Divergente, onde Tris só falta ter um cordão umbilical com o Quatro e eles discutem relação o tempo inteiro, Rani não liga pra isso e reclama de ser chamada de "namorada" de quem quer que seja. Também não há aqui um amor eterno como vemos em outros livros. Seja passageiro ou não, a lição é para aproveitar o momento, para amar as pessoas como se não houvesse amanhã. E não tem mesmo, né galera?

E não posso deixar de dizer que tem amazonas cavalgando dinossauros. AMAZONAS.CAVALGANDO.DINOSSAUROS. Se você precisava de um motivo convincente, taí um!

Pontos positivos
Amazonas e Dinossauros
Autor e cenário nacional
Protagonista feminina
Pontos negativos
Não tem mapa
Capítulos curtos

Título: Rani e o Sino da Divisão
Autor: Jim Anotsu
Editora: Gutenberg
Páginas: 320
Ano de lançamento: 2014
Onde comprar: Amazon



Avaliação do MS?
Fãs de Harry Potter vão adorar esse livro! Eu ri muito com várias passagens insólitas e com todas as referências ao mundo pop que temos aqui. É uma narrativa leve, com passagens assustadoras, magia e piadinhas, além de uma casa mágica que se redecora e se limpa sozinha. Além disso, o livro mostra que um escritor pode muito bem criar uma personagem feminina com a qual podemos nos identificar sem cair nos clichês óbvios. Aos autores que não conseguem, sinto dizer que vocês não são muito bons. Cinco aliens para Rani e pelamordedeusa, leia este livro.


Até mais!

Sybylla

Fã do futuro e da ficção científica. Geógrafa, professora, blogueira, escritora de FC. Capitã da Frota Estelar. Esperando para voltar para o meu planeta. Leia mais.





Leia esses também...

0 comentários

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.
O mesmo vale para comentários:
- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.
A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.

Viajantes

Curta no Facebook

❤️


"A ficção científica é um substituto para todos os lugares que eu nunca vou alcançar nessa vida."

James W. Harris