Resenha: 1984, de George Orwell

sábado, janeiro 03, 2015

E a primeira resenha de 2015 é de um dos grandes clássicos da ficção científica! Eu já o tinha lido, há muitos anos atrás, numa galáxia distante, mas confesso que não curti. Li em PDF, pelo computador, uma edição de Portugal, ou seja, não foi uma leitura agradável. Desta vez li no Kindle, com bom e velho português brasileiro e a leitura fluiu muito melhor.





O livro
Winston trabalha para o Partido, leva uma vida comum, sendo vigiado pelo Grande Irmão, mas há uma inquietação. Ele está incomodado com alguma coisa. Isso fica claro assim que ele começa a escrever em um diário que comprou por impulso. O Grande Irmão está sempre de olho, ele precisa tomar cuidado com o que pensa, o Partido é implacável com os desertores e traidores. Sua função no escritório do Ministério da Verdade é simples: ele falsifica notícias e qualquer notícia que desminta os feitos do governo, transformando mentiras em verdades e apagando a verdadeira história. Ou seja, é muito difícil saber o que é real e o que é imaginário num mundo onde tudo é forjado.


Um dos melhores exemplos disso é que Winston nos diz que a Oceania (abarca a atual Oceania, América, sul da África, Islândia, Irlanda e Inglaterra) está em guerra com a Eurásia e que a Lestásia é aliada, só que ele lembra de um momento no passado em que isso era diferente. Somente por ter esta lembrança, Winston já é um criminoso, pois contraria o que diz o Partido e ele nem mesmo pode verificar se isso é verdade, já que o Ministério da Verdade é muito bom em sua função. Essa é uma afirmação poderosa da política do Grande Irmão: Guerra é paz. Estar em guerra constante, não importa com quem, é uma afirmação de poder.

Winston sempre está de olho em uma moça, membro do Partido, Júlia, com a qual se envolve após um bilhete. Os dois mantém um romance, que é proibido. Winston tanto teme o Grande irmão que prevê que logo serão pegos e, possivelmente, mortos ou torturados. Além deste controle total sobre a verdade, outra afirmação é que Liberdade é Escravidão. Não há possibilidade de individualidade, já que todos recebem exatamente a mesma coisa. Não existem conceitos, não se pensa fora do contexto, nada é questionável.


A narrativa fluiu bem, sem floreios, mas corre devagar em alguns capítulos. Ele tem partes perturbadoras e intensas intercaladas com partes chatas e insossas. Isso pode incomodar alguns leitores. É uma distopia de extrema importância que, com certeza, inspirou muitas distopias atuais.


Ficção e realidade
Mesmo tendo sido escrito em 1948 e conter tecnologias que pareçam obsoletas, ele continua sendo atual não pela tecnologia, mas pela manipulação da verdade, da vigilância extrema, pela dificuldade de saber o que é verdade e o que não é, especialmente quando comparamos com as notícias falsas virais, com a vigilância constante por parte de câmeras e até o controle do nosso ir e vir simplesmente pelo GPS do smartphone da atualidade. O Google seria um bom exemplo de Grande Irmão se considerarmos todas as funções que nos oferece e que usamos, às vezes sem saber.

Winston e Júlia. 

Para poderem viver no sistema, Winston e Júlia precisam ser dissimulados. A certeza de Winston é tanta, que ele às vezes deixa de aproveitar os bons momentos com ela por se preocupar se estará vivo no dia seguinte.

Pontos positivos
Distopia
Grande Irmão
Se mantém atual
Pontos negativos

Alguns capítulos arrastados


Título: 1984
Título original: 1984
Autor: George Orwell
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 270
Onde comprar: Amazon


Avaliação do MS?
Uma grande obra, uma referência para a ficção científica. Pode não agradar a todos quanto ao estilo narrativo do autor, porém a mensagem de 1984 é poderosíssima. Alguns termos do livro, como Big Brother (Grande Irmão), entraram para o vernáculo popular e Orwelliano é usado para se referir a qualquer coisa que lembre o livro ou às situações retratadas no livro. É uma ficção científica obrigatória para qualquer fã do gênero. Cinco aliens para ele e uma forte recomendação para que você também o leia ou releia.


Até mais!

Já que você chegou aqui...

Sybylla

Fã do futuro e da ficção científica. Geógrafa, professora, blogueira, escritora de FC. Capitã da Frota Estelar. Esperando para voltar para o meu planeta. Leia mais.





Leia esses também...

1 comentários

  1. Gostei muito do livro e de sua resenha, fiquei muito reflexivo após a leitura de 1984. Um futuro "possível" imaginado por ele, que não gostaríamos de ser concretizado...

    Fiz uma resenha no meu blog sobre o livro, ficaria muito feliz se você lesse. ;)
    https://antoniopimentablog.wordpress.com/

    ResponderExcluir

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.
O mesmo vale para comentários:
- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.
A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.

Viajantes

Curta no Facebook

❤️


"A ficção científica é um substituto para todos os lugares que eu nunca vou alcançar nessa vida."

James W. Harris