Resenha dupla: Starters e Enders, de Lissa Price

sábado, julho 05, 2014

A resenha deste sábado é dupla, já que li os dois livros na sequência. Lissa Price fez mais uma distopia adolescente, com pouca originalidade, admito, onde adolescentes e idosos são sobreviventes da Guerra dos Esporos, enquanto todos os adultos jovens foram dizimados. É uma sociedade em desequilíbrio, onde jovens precisam sobreviver de alguma maneira, mesmo que ilegal. É também uma crítica à ditadura da beleza.



Starters
Callie, seu irmão mais novo, Tyler e Michael, seu amigo de infância, são sobreviventes. Eles conseguiram viver depois da Guerra dos Esporos, onde todos os adultos entre 20 e 60 anos morreram. Com isso, sobraram idosos (enders) querendo ser jovens, sendo que a expectativa de vida foi estendida para os 200 anos e adolescentes (starters) órfãos caçados pelas autoridades, vivendo nos escombros das cidades. Os jovens que tinham avós com mais de 60 anos puderam viver com eles, porém os que não tinham precisam fugir do governo.


A Guerra dos Esporos deixou Callie e seu irmão na rua. As lembranças são poucas e Tyler vive doente. Desta maneira, ela resolve ir à Prime Destinations para tentar levantar uma grana e assim comprar comida e, quem sabe, tentar aquecer o irmão. A Prime é uma empresa que aluga os corpos dos adolescentes para idosos ricos, dispostos a pagar por juventude e saúde. Para isso, o adolescente passa por um intenso tratamento de beleza, final seu corpo é um produto e é colocado para dormir, enquanto a consciência do locatário se instala.

Os primeiros testes de Callie foram muito bons. Dessa maneira, ela estava pronta para o teste mais longo, que era o empréstimo de um mês de seu corpo. Mas as coisas dão errado quando Callie acorda em uma danceteria, cercada de estranhos. Usava uma roupa caríssima, além de jóias e não sabia quem era a pessoa que a chamava. Ao que parece, o chip que a Prime instalou em seu crânio está com defeito. E o pior: ela consegue ouvir em sua cabeça a consciência da locatária em sua cabeça. E ela implora que Callie não volte à Prime para consertar, pois é perigoso.

Sem ter muito o que fazer, Callie volta à casa da Enders que a alugou e assume sua vida. Embalada pela riqueza e pelo luxo, Callie se envolve com um rapaz bonito, Blake, neto de um importante senador, para quem pede ajuda para levar dinheiro ao seu irmão e ao seu amigo Michael. A partir daqui o livro perde um pouco do ritmo, pois, mais uma vez, o envolvimento romântico de Callie com o rapaz bonito e rico assume o lugar da narrativa.

Para quem se lembrou de A Hospedeira, de Stephanie Meyer, acertou. Parece mesmo. O principal problema do livro, e que tem acontecido com muita frequência em quase todas as distopias juvenis que li, é que o romance se torna mais importante do que o mundo distópico em si. A Guerra dos Esporos, os motivos por trás, disso, os eventos de guerra, tudo o que aconteceu para desgraçar o mundo perdem o sentido e só o romance parece ser importante. E isso deixa o livro insosso demais. Até acontece um clímax próximo do final, o que praticamente salva a obra, onde a Prime acaba desmascarada. Mas até aí você já está bocejando e quase babando.

Pontos positivos
Distopia
Personagem central feminina
Críticas à ditadura da beleza
Pontos negativos

Não sabemos nada sobre a guerra
Romance toma tempo demais do livro

Título: Starters
Autor: Lissa Price
Editora: Novo Conceito
Páginas: 369
Ano: 2012
Onde comprar: Amazon


Enders
Se o primeiro livro terminou de maneira um tanto insossa, com o romance tomando conta de metade da narrativa e com o mundo em si meio que deixado de lado, em Enders a coisa piora consideravelmente. O primeiro livro, apesar das chateações com o romance adolescente excessivo, ele tem um bom andamento, tem cenas muito boas onde a Ender reassume o corpo de Callie e ela, literalmente, parece outra pessoa. No primeiro livro, Callie tenta descobrir quem é o Velho, o misterioso dono da Prime, que consegue escapar das garras da justiça.


Em Enders, ela acha que a vida agora vai ser fácil, já que a Ender que a alugou deixou sua fortuna para ela e para seu irmão, Tyler, tornando-se sua tutora legal. Dessa forma, eles não precisam mais passar fome e frio. Mas os sentimentos de Callie para Michael, seu velho amigo de infância, são confusos, desde que ela conheceu Blake no primeiro livro. Mas Blake nem mesmo se lembra dela. Ao que parece, ele estava sob controle de outra pessoa, tendo sido, também, alugado. Além disso, Callie precisa descobrir o que de fato aconteceu com a neta da Ender que a alugou. Muitos jovens procuravam a Prime para poderem passar pelos tratamentos intensos de beleza, caros demais para muita gente. Foi por isso que Callie foi alugada, pois a Ender queria descobrir o paradeiro da neta.

Ao que tudo indica, a ideia era transformar mais e mais jovens em corpos ambulantes para que Enders pudessem abandonar seus corpos idosos e ficarem, permanentemente, nos corpos adolescentes. E Callie precisa descobrir como impedir isso. Precisa também impedir que o Velho coloque as mãos em seu chip. Lembra que ele estava defeituoso no primeiro livro? A Ender original fez a modificação para que ela fosse capaz de matar. Isso faz de Callie a arma perfeita para um assassinato. Neste segundo livro, ela precisa descobrir uma maneira de ajuda a Ender que a alugou, precisa descobrir como tirar o chip de sua cabeça sem que ele exploda, precisa achar o Velho, precisa proteger seu irmão Tyler e seu amigo Michael, precisa saber quem é Hyden, um amigo misterioso que passa a ajudá-la, precisa..........

Ou seja, temos tantos eventos, tanta coisa acontecendo e a autora NÃO EXPLICA NADA SOBRE A GUERRA. Sem contar que ela também não finaliza o livro decentemente. Ficam muitas perguntas em aberto, sem que a gente saiba o que acontece com os personagens. Nenhum deles tem uma resolução. É sério. E o pior, esta não é uma trilogia, o que é febre hoje em dia, e portanto tudo o que acontece em Enders é o fim da obra. Pronto, acabaram-se os livros. Lissa Price até lançou livros acessórios depois disso, mas o fim de Enders foi tão chato que não me sinto impelida a ler mais nada.

Pontos positivos
Distopia
Personagem central feminina
Reviravoltas
Pontos negativos

Não sabemos nada sobre a guerra
Final em aberto deixa muitas perguntas

Título: Enders
Autor: Lissa Price
Editora: Novo Conceito
Páginas: 285
Onde comprar: ebook apenas

Ficção e realidade
Os livros tratam de questões interessantes como ditadura da beleza - que leva adolescentes a alugarem seus corpos para estranhos na tentativa de ficarem mais belos e mais jovens. Trata também de privacidade e identidade. Até que ponto realmente conhecemos as pessoas? Até que ponto alguém pode dizer que sabe quem é se sua consciência foi tomada por outro? A tecnologia seria segura o suficiente para impedir que uma consciência se fundisse com a outra? O processo, infelizmente, não é detalhado nos livros, mas sabe-se que o Ender fica desacordado na sede da empresa, caminhando por aí no corpo de um jovem. Meio assustador isso.

Avaliação do MS?
Se você está procurando um livro de leitura fácil, rápida, sem grandes surpresas, e também sem grandes explicações, taí a duologia perfeita. A obra de Lissa Price nem tira nem acrescenta nada ao mundo literário. É boa, diverte um pouquinho, especialmente o primeiro que é mais denso e mais bem amarrado, mas em si ele não é um grande passo literário e não vai mudar a visão de ninguém, nem levantar grandes questões filosóficas. Três aliens, e não dois, apenas pelo primeiro livro. E olhe lá.


Até mais!

Sybylla

Fã do futuro e da ficção científica. Geógrafa, professora, blogueira, escritora de FC. Capitã da Frota Estelar. Esperando para voltar para o meu planeta. Leia mais.





Leia esses também...

0 comentários

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.
O mesmo vale para comentários:
- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.
A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.

Viajantes

Curta no Facebook

❤️


"A ficção científica é um substituto para todos os lugares que eu nunca vou alcançar nessa vida."

James W. Harris