Resenha: A Sexta Extinção, Uma Historia Não Natural, de Elizabeth Kolbert

De acordo com a história geológica, o planeta Terra passou por cinco grandes extinções em massa, que seriam do Cambriano, Ordoviciano superior, Devoniano superior, Permiano, Triássico superior e Cretáceo (essa sendo comumente conhecida como a que extinguiu os dinossauros). A maior delas foi a do Permiano, há 251 milhões de anos atrás, que dizimou 96% dos gêneros marinhos e 50% dos gêneros terrestres. E hoje muitos cientistas temem que estejamos caminhando para a Sexta Extinção, dessa vez causada pelas atividades humanas.



O livro
Ganhador do Prêmio Pulitzer de 2015, o livro de Kolbert nos traz 13 capítulos onde cada um deles se usa de uma determinada espécie já extinta para narrar eventos de extinção e de como a ciência se estruturou para chegarmos ao hoje. Nos primeiros capítulos as espécies já desapareceram, estão perdidas na história geológica da Terra, mas nos capítulos finais já temos exemplos mais recentes.

Resenha: A Sexta Extinção, Uma Historia Não Natural, de Elizabeth Kolbert

No que parece ser uma coincidência fantástica, mas que provavelmente não é coincidência alguma, a história desses eventos é recuperada bem na hora em que as pessoas começam a perceber que estão provocando mais um.

...

Se extinção é um assunto mórbido, a extinção em massa é um assunto muito mais.

Da fragmentada floresta Amazônica à morte dos corais na Grande Barreira de Corais, na Austrália, a autora nos conduz pelos traumáticos eventos pelos quais os ecossistemas estão passando. A autora visitou vários desses locais e conversou com especialistas preocupados com os animais e plantas que estão sumindo, às vezes sem nenhuma explicação aparente, como a rã-dourada-do-Panamá, que teve sua população diminuída tão drasticamente que hoje é difícil encontrá-la na natureza. O culpado demorou para ser descoberto: um fungo.

Com a possibilidade de estar em qualquer lugar do globo em 24 horas, acabamos transportando em nossas cargas, bagagens e sapatos todo o tipo de vírus, fungos e bactérias. Semelhante ao que aconteceu com a chegada dos europeus nas Américas, levamos para outros locais o que pode ser um agente mortal para outras espécies.

Por ação imprudente das atividades humanas, pássaros, corais e até a megafauna estão sendo extintos a um ritmo alarmante, o que estaria caracterizando uma nova extinção, a sexta delas. As outras extinções aconteceram por motivos variados e a raça humana teria pouco a fazer nesses casos. Mudanças na insolação, mudanças bioquímicas nos oceanos, vulcanismo intenso, tudo isso está além da nossa capacidade técnica. Mas proteger os habitats originais das espécies, parar com a caça e contrabando, isso sim está na nossa alçada e ainda assim não é feito.

Além de falar de espécies, a autora aborda conceitos e a história da ciência. Ela relata, por exemplo, o surgimento da moderna paleontologia e como o conceito de extinção surgiu a partir das observações em rochas e fósseis de animais já extintos. Foi um longo caminho até o estabelecimento do termo e de que não eram eventos relacionados ao dilúvio bíblico.

A extinção só surgiu como um conceito na França revolucionária - e não deve ter sido coincidência. Isso aconteceu em grande parte graças a um animal, a criatura hoje em dia chamada de mastodonte americano, ou Mammut americanum.


Livro e realidade
Quando se fala de uma extinção que aconteceu há 251 milhões de anos, sei que isso é muito distante da nossa realidade. Mas se essas extinções não tivessem acontecido, é bem provável que a raça humana não estivesse aqui. Se a vida não tomasse os tortuosos caminhos que precisou tomar depois de todas as extinções, talvez uma raça inteligente, dotada de habilidade para criar ferramentas e tecnologia nunca tivessem surgido.

É horrível pensar que na extinção animais e plantas morrem? É sim, bastante horrível. Mas nós surgimos sobre as carcaças e restos destes animais. E o planeta se recuperou de todas elas. Sei que parece terrível dizer isso, mas não me preocupo com o planeta no momento em que estamos passando. Minha preocupação é com o futuro de uma espécie que se multiplicou demais e que está consumindo demais. O planeta vai passar por isso, se reorganizar e verá surgir novas eras geológicas e novas espécies. Nós não passamos de uma coceira neste imenso ecossistema planetário.

No entanto, se o planeta se recupera, o mesmo não posso dizer de nós. Se não nos prepararmos adequadamente para o futuro que se agiganta, se não conservarmos a biodiversidade e impedir a destruição de biomas e habitats, temo que pouco poderemos fazer para sobreviver e perpetuar nossa civilização.

Elizabeth Kolbert é uma jornalista e escritora norte-americana, ganhadora do Prêmio Pulitzer pelo livro A Sexta Extinção.

Elizabeth Kolbert

Qualquer evento que tenha ocorrido apenas cinco vezes desde o surgimento do primeiro animal com espinha dorsal, há cerca de quinhentos milhões de anos, deve ser qualificado como excepcionalmente raro.

Pontos positivos
Escrito por mulher
História da ciência
Bem escrito e explicado
Pontos negativos

Acaba rápido

Título: A Sexta Extinção: Uma História Não Natural
Título Original: The Sixth Extinction: An Unnatural History
Autora: Elizabeth Kolbert
Tradutor: Mauro Pinheiro
Editora: Intrínseca
Páginas: 336
Ano de lançamento: 2015
Onde comprar: Amazon

Avaliação do MS?
Mesmo tendo uma linguagem técnica, o livro não é difícil. A autora soube usar de humor e informação científica com muita habilidade e você nem vê as páginas passando, pois é uma leitura que flui rápido e que cativa. Especialmente as partes em que ela resgata a história da ciência. Cinco aliens para o livro e uma forte recomendação para você ler também.


Até mais!

Já que você chegou aqui...

COMPARTILHE

1 Comentário

  1. Adorei o blog e sua dedicação a causa FC. Tenho esse livro (e book) e após a leitura de sua instigante resenha fiquei muito empolgado em iniciar a leitura. Obrigado, a partir de hoje vou acompanhar esse espaço, rico em informações e seres extraterrestres.

    ResponderExcluir

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, com Desconhecido ou Unknown no lugar do nome, em caixa alta, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.

O mesmo vale para comentários:

- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.

A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.