Televisão vazia

segunda-feira, abril 02, 2012

Tenho assistido pouco à televisão. E quando assisto é para ver algum jornal ou documentário interessante. Mas fora isso, a televisão não mais me atrai. Assim como a internet tem me desapontado, a televisão também tem sido uma total decepção e tem fracassado em chamar a minha atenção. Até mesmo a TV a cabo, que deveria suprir a ausência de programas interessantes na televisão aberta tem estado incompleta. Por que isso?

Televisão vazia

Siga a Sybylla no Twitter - @Sybylla_



A reflexão surgiu enquanto eu acompanhava um papo no grupo de ficção científica do Yahoo do qual faço parte, que falava do clichê anti-BBB, onde é de praxe fazer críticas ao programa. Até que alguém, infelizmente não lembro quem, escreveu assim:

Porque programas populares feitos com qualidade desapareceram da grade da programação da TV aberta, essa sim é que é a grande questão.

Um programa popular é bastante relativo. É aquele que agrade à maioria da população? É aquele que tenha conteúdo popular? São as duas características? A questão é que a crítica ao conteúdo televisivo tem sido bastante forte de uns tempos para cá, por conta da apelação, do excesso de mulheres nuas, na falta de qualidade, na repetição de estilos e nas cópias de programas na programação de fora. Sem contar a guerra fria entre Globo e Record, onde o espectador fica até na dúvida de qual canal está assistindo. Temos ainda a programação religiosa e toda a polêmica sobre ela.

Acho que o sensacionalismo é o que mais me incomoda na TV aberta. Em um programa, o apresentador desce a lenha num sistema de transporte público que seu salário de milhões desconhece. No outro, a apresentadora fala de programas de outras emissoras, explora a morte de uma celebridade, ou pior ainda, fala de um crime hediondo e não para até o parente cair em lágrimas. Me incomoda profundamente ver a tragédia humana transformada em espetáculo, mas fico pensando se incomoda aos outros ou se eu é que estou intolerante, pois se está no ar, então há audiência.

Lisa e Bart gritando

Aí entra a questão da TV paga. Ela deveria salvar nossos dias de programação ruim na TV aberta, mas não é bem assim. Programas repetidos à exaustão, o mesmo filme em vários canais e propaganda em excesso (especialmente no canal Warner). Só posso pensar que isso é uma jogada de marketing. Quem quiser uma programação mais exclusiva, tem que pagar pelos canais especiais, sendo que ele já paga por um pacote completo de canais.

Um amigo não tinha televisão em casa, tinha apenas a internet e o rádio como fonte de informações. A televisão, de acordo com ele, tinha tanta porcaria, que ele não precisava gastar dinheiro com uma TV a cabo, sendo que na internet ele tinha tudo à disposição. De fato, a televisão aqui de casa tem passado muito tempo desligada. E não vejo um futuro promissor quando o assunto é programação. Lembro sempre de um episódio de Jornada nas Estrelas, em que um personagem perguntou se não existia televisão no século XXIV e a resposta foi que esse tipo de entretenimento não passou da metade do século XXI.

E você, como assiste à TV e como vê sua programação? Ela agrada? Deixe sua opinião nos comentários. Até mais!

Sybylla

Fã do futuro e da ficção científica. Geógrafa, professora, blogueira, escritora de FC. Capitã da Frota Estelar. Esperando para voltar para o meu planeta. Leia mais.





Leia esses também...

0 comentários

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.
O mesmo vale para comentários:
- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.
A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.

Viajantes

Curta no Facebook

❤️


"A ficção científica é um substituto para todos os lugares que eu nunca vou alcançar nessa vida."

James W. Harris