Pular para conteúdo Pular para navegação

O presente das cidades

prédioNa semana passada eu tentei resgatar os três principais motivos que levaram à civilização a desenvolver e morar nas cidades. É um passado nebuloso, pois antes de qualquer registro escrito, o embrião das cidades surgiu e pouco restou do assunto para ser estudado. Não vou me ater à toda a evolução das cidades na Grécia e em Roma, pois isso é bem conhecido. A postagem de hoje é sobre as cidades no presente, o agora.

Siga a Sybylla no Twitter - @Sybylla_



Viver nas cidades se tornou o padrão nas últimas décadas e elas estão inchando e crescendo. A nossa rotina urbana é tão automática que não percebemos suas formas e sequer pensamos em viver sem as facilidades dela. A gente já conhece seus ritmos, sua rotina, seus problemas, suas virtudes.

cidade

As cidades hoje são evoluções de formas passadas. Tomando a cidade de São Paulo como exemplo, um assentamento de jesuítas na beira do rio Tamanduateí se tornou um imenso assentamento com mais de mil quilômetros quadrados. Temos municípios conurbados com a mancha urbana, um vai e vem frenético de gente, mercadorias, capital e veículos.

O fato de as cidades serem um padrão de povoamento nos dias atuais tem causado o inchaço que muitas regiões metropolitanas vêm sentindo. Se até o início dos anos 2000 nós tínhamos Nova York, Tóquio e Cidade do México como expressivas aglomerações populacionais, hoje temos Mumbai, São Paulo, Lagos, todas sem preparo para absorver população e com problemas de expansão, criminalidade e miséria.

centro de SP
Edifício Copán e Edifício Itália, Centro de São Paulo. Fonte: Estadão.

Mega cidades, inchadas e sem planejamento se tornarão ainda mais comuns. Mesmo aquelas que possuem um certo planejamento como Belo Horizonte, Brasília e Curitiba hoje sofrem com a descontinuidade destes processos. Elas agem como polos concentradores de serviços o que também atrai novos moradores que na maioria das vezes não têm onde morar e incham as periferias pobres. Os dados mostram que São Paulo, por exemplo, possui mais moradias vazias do que famílias sem casa para morar. É a especulação imobiliária que vende a paisagem do lugar ao invés do imóvel e que deixa áreas da cidade quase desabitadas, como é o caso do centro. Basta ver os apartamentos com vista para o mar e os que não têm. Qual tem o maior valor?

Além de todas as questões sociais, a questão ambiental é ainda mais preocupante. A poluição do ar causada pelos automóveis e a retirada da cobertura vegetal tornam as metrópoles lugares insalubres. Retificação de rios como o Tietê e o Pinheiros e seus córregos, a impermeabilização das ruas, a ausência de mata nativa são responsáveis pelas enchentes de todos os anos na grande São Paulo, cuja resolução envolve muito investimento e vontade política.

Duas coisas caracterizam as cidades de hoje:

  • acentuado processo de verticalização - construção acelerada de prédios e condomínios.
  • aceleração do tempo - quem sai de uma cidade grande e vai para uma cidade pequena percebe a desaceleração, nota como tudo parece andar devagar.

Ambas são consequência do processo globalizante, que ao diminuir as distâncias e trazer as pessoas perto das outras, acarreta numa maior ocupação do espaço e na consequente compactação do tempo. Cidades pequenas não sofrem tanto com isso pois elas perdem mais habitantes que recebem, e acabam não sendo totalmente integradas a este ritmo frenético.

Seja grande ou pequena, a cidade é hoje o padrão de ocupação e de evolução da civilização. Onde você estiver, ela é um marco da sociedade e da raça humana. Temos apenas que encontrar o equilíbrio e uma maneira de sanar os problemas.

E você? Onde você mora? Você sente essa aceleração do tempo na vida cotidiana? Não deixe de comentar, até mais!
Editar o post
Comentários
Momentum Saga © 2010-2014 | Designed by Marta Preuss | Modified by Sybylla | Proudly powered by Blogger