Distopias reais

terça-feira, dezembro 23, 2014

Este ano de 2014 foi mais surpreendente e marcante que 2012, o ano do ~previsto~ apocalipse maia. Vai ver o calendário deles errou por dois anos, porque 2014 apresentou tanta coisa, boa e ruim, que fica difícil imaginar se outro ano conseguirá superá-lo. O texto não tem a pretensão de ser uma retrospectiva, apenas uma breve amostra de como temos distopias tão próximas que não devem nada à ficção.

O Exterminador do Futuro





Distopia é um assunto comum no blog. Mas sempre falo das distopias da ficção. As distopias reais não tinham sido abordadas aqui, talvez por não enxergá-las, de tão acostumada que fico com o universo da ficção científica. Mas foi pelo Twitter que a minha irmãzinha de coração, a Bel, me falou sobre um certo fascínio bizarro que ela tem pela Coreia do Norte. E perguntei por que isso, afinal é um dos países mais fechados e sinistros que existem no mundo atualmente. E é justamente por essa situação do país, uma distopia do presente, que ele é fascinante, bizarro, estranho, próximo, esquisito...

Se olharmos bem à nossa volta temos situações distópicas o tempo todo. Falei num post sobre O que é distopia? que a função dela é nos deixar desconfortáveis, é nos deixar incomodados ao olharmos para uma determinada situação que foi extrapolada ao máximo na ficção. Universos distópicos é o que mais tempos na ficção científica, sinal de que algo sempre incomoda os autores e os leitores. De 1984 a Jogos Vorazes, de Admirável Mundo Novo a Homeland, temos cenários, pessoas e crises que nos lembram do quão próximos estes mundos estão da nossa vivência.

Por exemplo, Jogos Vorazes tem uma seleção para 24 jovens serem enviados à uma arena futurística onde serão mortos para o deleite do público. No que isso é diferente da morte de adolescentes negros, principalmente pelas mãos da polícia, nas comunidades carentes pelo país? No que isso é diferente do caso Ferguson? Ainda em Jogos Vorazes, o novo filme da franquia foi suspenso nos cinemas da Tailândia depois que manifestantes imitaram o gesto de resistência feito pelos personagens do filme.

Em um mundo onde Carrie Mathison (Homeland) bombardeia um casamento atrás de terroristas, uma escola é invadida pelo Talibã, no Paquistão, porque eles não toleram ver pessoas recebendo educação formal, especialmente meninas. A Coreia do Norte é acusada de ter hackeado a Sony, causando um constrangimento global, com emails vazados, tudo porque um filme foi feito parodiando o grande líder da nação... Mas que coisa estilo Hackers, estilo Nexus... Será que vivemos mesmo fora da Matrix?

Jogos Vorazes e o gesto subversivo

Tudo isso já é visto na ficção e tem sido visto na realidade mais vezes do que gostaríamos. E o choque de ver na realidade é de certa forma mais intenso do que ver na ficção. Ler ou assistir uma distopia é bem diferente de viver uma. Enquanto nos sentimos angustiados com o modo como Winston vive e trabalha para o Partido, em 1984, temos um exemplo ótimo na Ásia de um regime que ignora o resto do mundo e permanece o mais fechado do planeta. Enquanto autores trabalharam por anos com regimes totalitários e invasões alienígenas com medo da invasão vermelha do comunismo, Cuba e Estados Unidos se reaproximam.

Temos nossas distopias, tanto passadas quanto presentes, retratadas em ficção ou não. Se foram esmiuçadas pelos escritores, se foram sentidas e imaginadas na ficção, talvez nada seja mais profundamente perturbador do que o nosso próprio mundo, do que o jornal da noite dando as notícias que rodaram o globo naquele dia. Senti que 2014 foi mais pesado que qualquer distopia que já li, como se ele resolvesse explorar os universos ficcionais e nos chocar a cada dia com a mais simples realidade.

Você sobreviveu a 2014? Deixe seu comentário, até mais!


Ficção científica é uma revelação psicotrópica super espiritual, um sonho futurístico, um ritual sigiloso. É surrealidade e realidade. O psicotrópico se refere à habilidade da ficção científica em induzir o sonho no escritor e no leitor, o participante. É semelhante aos alucinógenos na qualidade de fazer a ficção científica parecer real (possível) e totalmente surreal (impossível). O efeito das melhores FCs é semelhante ao efeito das melhores drogas. Enquanto o participante "vê coisas" que a maioria de nós, sem FC, não vê, o participante trabalha com essas "coisas", ele age e se comporta como se fosse quimicamente induzido.

Alex Smith

Sybylla

Fã do futuro e da ficção científica. Geógrafa, professora, blogueira, escritora de FC. Capitã da Frota Estelar. Esperando para voltar para o meu planeta. Leia mais.





Leia esses também...

0 comentários

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.
O mesmo vale para comentários:
- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.
A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.

Viajantes

Curta no Facebook

❤️


"A ficção científica é um substituto para todos os lugares que eu nunca vou alcançar nessa vida."

James W. Harris