Resenha: Este é o mar, de Mariana Enriquez

Nunca tinha lido nada da Mariana Enriquez, apesar de ver ótimas críticas à sua coletânea, As coisas que perdemos no fogo. Então quando a Intrínseca me mandou este livro, estava bem ansiosa para o que encontraria nestas páginas. Aqui a autora abusa da fantasia ao explorar o amor e a obsessão que os fãs têm por seus ídolos da música.



Este livro foi uma cortesia da Editora Intrínseca


O livro
Combinando a essência humana e o sombrio, o livro conta a história das Luminosas, seres mitológicos femininos que vivem da devoção humana. Elas nunca dormem, não respiram, não comem, vivem em movimento perpétuo, como tubarões, alimentando-se do desespero dos fãs de celebridades da música. Uma delas, Helena, está caçando alguma fã devota da banda Fallen. Ela tem um único objetivo: quer ser uma Luminosa, não quer mais ser do Enxame, queria ir para o lugar das Luminosas, a Costa, perto do mar.

Resenha: Este é o mar, de Mariana Enriquez

Elas precisam ser certificar de criar lendas da música que serão lembradas e celebradas para sempre. John Lennon, Amy Winehouse, Kurt Cobain, Elvis, cada um deles já foi alvo de alguém do Enxame que elevou o astro até o patamar de uma Lenda e depois tirou sua vida. É uma forma cruel de lidar com as pessoas, mas as Luminosas vivem dessa devoção incontrolável de fãs que fazem de tudo por seus ídolos. Assim elas precisam alimentar a Lenda para que elas mesmas possam viver.

Fallen é uma banda famosa, mas nem de longe tem a fama necessária para tornar seu vocalista uma lenda. Helena então começa a trabalhar diretamente com a banda, cuidando de tudo para eles, interagindo com fãs, alimentando a devoção e loucura de milhares de obcecados por Fallen. As Luminosas são seres que podem viver na forma de névoa, podem até mesmo incitar doenças nos humanos e Helena usará de suas habilidades para fragilizar o vocalista às vistas do público.

Todo esse esforço é necessário, todas as vezes em que ela causa crises na banda e espalha boatos. Tudo serve de combustível para alimentar tags nas redes sociais e vídeos de fãs enlouquecidas. As Luminosas dependem disso. E Helena é bastante dedicada à sua causa, fazendo de tudo o que pode para fomentar a fama de James, o vocalista. A autora mostra um outro lado da fama, da devoção de fãs, de como os atos loucos e até impensados podem servir de alimento para estes seres.

Misturando mitologia e cenário musical, a narrativa de Mariana me surpreendeu. Um livro com tão poucas páginas, menos de duzentas, conseguiu contar uma história com começo, meio e fim, indo do sombrio ao fantástico, do bizarro ao sublime. Você acredita no propósito das Luminosas e compreende porque elas agem com crueldade em alguns momentos. Agindo como como deusas ou outros seres divinos, tal como os que conhecemos das lendas gregas, os mortais são apenas uma ferramenta a ser usada, nada mais do que isso. Essa frieza delas foi muito bem usada pela autora.

Quando o tempo é infinito, o esquecimento é inevitável.

Página 165

O livro é curto, até demais, mas está bem diagramado. A arte interna das capas está bem bonita, acompanhando a da capa e praticamente não há erros de revisão ou diagramação. A tradução ficou na mão de Elisa Menezes e está ótima.


Obra e realidade
Apesar de eu ser fã de algumas bandas e cantoras, de ter tido pôster na parede quando era adolescente, nunca fui do tipo que desmaia, chora, se descabela, acampa na frente do estádio. Lembro de uma vez, em um show do Sepultura, no estacionamento do Anhembi, o Carlinhos Brown ficou anunciando o nome de um fã por uns bons 15 minutos, pois ele tinha fugido de casa quando os pais não deixaram que ele fosse ao show. Os pais se preocuparam, obviamente, acionaram a banda e que começou a procurar o garoto. Acredito que ele foi encontrado depois e acabou assistindo o show, já que os pais estavam lá.

Mariana Enriquez

Mariana Enriquez é uma jornalista e escritora integrante da "nova narrativa argentina". Graduou-se em Comunicação Social pela Universidad Nacional de La Plata. Escreve histórias góticas, de terror e de ficção científica, que se situam em bairros periféricos e lugares ermos da Argentina — semelhantes àqueles onde a própria autora cresceu durante a ditadura.


Pontos positivos
Helena
Luminosas
Bem escrito
Pontos negativos

Pode conter cenas perturbadoras
É curto demais

Título: Este é o mar
Título original em espanhol: Éste es el mar
Autora: Mariana Enriquez
Tradutora: Elisa Menezes
Editora: Intrínseca
Ano: 2019
Páginas: 176
Onde comprar: Amazon


Avaliação do MS?
Foi uma leitura muito proveitosa. Comecei sem muitas expectativas, mas terminei com uma sensação de que tinha lido algo diferente, capaz de me cativar com apenas algumas poucas páginas. Acredito inclusive que merecia mais algumas páginas para ser melhor trabalhado em algumas coisas, mas é um livro que vale à pena. Quatro aliens para Este é o mar e uma forte indicação para você ler também!


Até mais!


Já que você chegou aqui...

COMPARTILHE

1 Comentário

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, com Desconhecido ou Unknown no lugar do nome, em caixa alta, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.

O mesmo vale para comentários:

- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.

A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.