Resenha: Crianças do Éden, de Joey Graceffa

Crianças do Éden é uma distopia juvenil que tinha chamado minha atenção quando vi o lançamento em sites gringos. Aí fiquei feliz de poder ler em português, já que ela foi lançada pela Galera Record. O livro fala de um colapso ambiental que levou ao fim da vida na Terra e tudo o que resta é uma comunidade protegida e sustentável, o Éden, onde vive Rowan e sua família.



O livro
Rowan é uma segunda filha. Na comunidade planejada e sustentável do Éden isso é ilegal. Eles precisam controlar o crescimento populacional pra que possa garantir o suprimento de água e comida para todos. A família deveria ter abortado o segundo filho, uma gestação de gêmeos não-idênticos, mas a mãe não teve coragem. Assim, Rowan passou seus 16 anos de vida dentro de casa, tendo aulas dadas pela mãe, escondendo-se em vários locais já preparados para ela dentro da residência quando alguém batia à porta. Ela é uma das poucas afortunadas em Éden a morar em uma casa de pedra, espaçosa, já que seus pais trabalham para o governo, onde pode treinar e correr e até escalar o muro e bisbilhotar o mundo fora de casa.

Resenha: Crianças do Éden, de Joey Graceffa

Tenho que estar pronta para o glorioso dia em que finalmente emergirei na luz. Se esse dia chegar. Mamãe e papai sempre me garantem que vai, sim, algum dia. Mas após 16 anos de garantias esse algum dia ainda não chegou.

É por isso que quando o irmão chega em casa da escola, ela o interroga ansiosa por notícias do mundo. Até as roupas dos outros ela insiste em saber, se irritando com o irmão por ele não lembrar. Seu irmão gosta de uma garota, Lark, e Rowan fantasia sobre a garota, imaginando que a conheça tão bem como se fosse amiga dela de verdade. Entendo que a vida de Rowan não deve ter sido fácil, mas ela é insuportável, provavelmente pela falha construção da personagem pela mão do autor.

Ansiosa por conhecer e ver o mundo que sempre lhe foi negado, Rowan se arrisca a sair de casa e conhecer a cidade. Ela teme que todo mundo vá olhar para sua cara e ver quem de fato Rowan é, já que seus olhos não possuem os implantes cibernéticos que todos usam. Rowan passa despercebida na massa de gente, mantendo os olhos baixos, cuidadosa para que ninguém a note. Mas é impossível não ser notada. Ela some na multidão e quase se perde de casa. Quando faz amizades improváveis, ela começa a compreender a gestão da comunidade, seus segredos e esconderijos. O triângulo amoroso que o autor colocou - porque é claro que tem um - pelo menos não envolve dois garotos e sim uma garota e um rapaz que entende a vida de Rowan. Tirando isso, a situação toda é o clichê que a gente já conhece.

Éden é a consequência do colapso ambiental. Uma pessoa, prevendo o que estava para acontecer, criou a comunidade. Mas como o autor pegou o Manual para Escrever Distopias Juvenis e seguiu passo a passo, você já pode prever que Rowan descobrirá um grande segredo sobre a comunidade e sobre sua própria existência. A premissa é legal, mas foi mal aproveitada. Rowan testemunha um crime, foge, se esconde, torce o tornozelo, conhece um movimento oculto de resistência, é torturada, depois acolhida, o pé se cura, descobre um grande segredo e resolve invadir um prédio do governo, tudo isso em menos de 48 horas!

É o tipo de livro que precisava de pelo menos mais cem páginas de desenvolvimento para poder encaixar todos os eventos e todas as descobertas que a personagem faz aqui. Rowan não é a primeira personagem impulsiva e inconsequente em distopias juvenis, mas ela precisava ser melhor trabalhada para conhecer seu lugar no mundo, evoluir e aprender e aqui nada disso acontece. Acontece tudo tão rápido que o livro de repente acaba e você fica com cara de UÉ.

A parte tecnológica foi bem pensada, com estruturas fotossintetizantes artificiais e algas servindo como substituto para a comida. Li o ebook e não o livro físico, então não sei dizer como está a edição, mas não encontrei problemas de tradução, que ficou na mão de Glenda D'Oliveira.


Ficção e realidade
A premissa toda do livro é muito legal. Acredito que a ficção científica que trate de mudanças climáticas será um sub-gênero que vai se destacar cada vez mais, conforme adentramos mais e mais no século XXI. Não há mais o que fazer para impedir as mudanças, elas já se instalaram e vão piorar. Devemos é nos preocupar em mitigar os efeitos, proteger as populações, os suprimentos de água e comida e torcer para que as políticas públicas de redução de poluentes, de reciclagem, de materiais alternativos se instalem.

Joey Graceffa

Joey Graceffa é um youtuber norte-americano. Joey possui dois canais no YouTube, totalizando mais de 1 bilhão de visualizações.


Pontos positivos
Representatividade
Trata de mudanças climáticas

Pontos negativos
Rowan
Enredo confuso
Passa muito rápido

Título: Crianças do Éden
Título original: Children of Eden
1. Crianças do Éden
2. Elites of Eden
3. Rebels of Eden
Autor: Joey Graceffa
Tradutora: Glenda D'Oliveira
Editora: Galera Record
Ano: 2019
Páginas: 266
Onde comprar: Amazon


Avaliação do MS?
Já vi séries e trilogias melhorarem com os livros seguintes. Mas não sei se tenho ânimo para continuar com Rowan depois deste livro aqui. Gosto de distopias juvenis, mas sinto que a coisa por aqui não vai melhorar. Não vou dizer que o livro é totalmente horrível, pois tem críticas boas e um tema sobre a questão ambiental, mas ainda assim não me ganhou. Três aliens para o livro.

É bom, mas...

Até mais! 🌱


Já que você chegou aqui...

COMPARTILHE

1 Comentário

  1. Olá, Capitã Sibilla! Maior fã! Adoro seu trabalho !! Em breve irei poder contribuir com seu trabalho (adiado por problemas finaceiros-politicos...Há-Há-Há!).

    ResponderExcluir

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, com Desconhecido ou Unknown no lugar do nome, em caixa alta, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.

O mesmo vale para comentários:

- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.

A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.