Resenha: Francis, de Loputyn

Francis é, possivelmente, um dos quadrinhos mais lindos e fofos que já tive o prazer de ler. Não apenas é lindamente ilustrado e colorido como também trata de temas sombrios e sérios com uma delicadeza inigualável, em uma grande jornada de autoconhecimento.



Parceria Momentum Saga e
editora DarkSide


O quadrinho
Neste mundo de traços delicados pelas mãos de Loputyn (pseudônimo de Jessica Cioffi), acompanhamos a jornada da bruxa Melina, ainda uma aprendiz, não muito dedicada aos estudos, que está prestes a duelar com Camélia, sua amiga de longa data. A vencedora será a nova sacerdotisa, no entanto Melina não se preparou como deveria. Ela não tem uma estufa com ervas bem cultivadas, não treinou poções e, como muitas de nós, acabou deixando para a última hora, notando que não há mais tempo para fazer o que era preciso.

Resenha: Francis, de Loputyn

Para quem esperava uma bruxinha dedicada em seu ofício, descobrimos uma personagem bastante real, com dilemas reais com os quais a gente se identifica muito rápido, pois quem nunca deixou aquele trabalho da faculdade para a última hora quando poderia ter começado bem antes? E bem sabemos que o desespero pode nos levar a cometer qualquer tipo de idiotice na tentativa de recuperar o tempo perdido, que é exatamente o que Melina faz depois de uma bebedeira.

Este é um mundo de mulheres livres, garotas que podem praticar a magia, que não carregam o estigma da "bruxa feia e má", mesmo que as ações de Melina sejam erradas em um determinado momento. Camélia, por exemplo, vendo o desânimo de Melina, tenta consolá-la na noite anterior, sem saber o que lhe aguarda no dia seguinte. A sacerdotisa é uma senhora acolhedora, bondosa, que exige o respeito necessário às práticas mágicas de suas iniciadas.

Que é justamente o que Melina não demonstra no começo. Depois de festejar e beber durante o tempo que poderia ter usado para se preparar para o duelo, ela tem um plano descabido: roubar o grimório da Alta Sacerdotisa para usar magia e fazer eu canteiro de ervas crescer. Na madrugada, ela invade a casa da Sacerdotisa, que finge dormir e leva o livro consigo. Na floresta, bebendo e esperançosa que tudo dará certo, Melina faz a invocação. O que aparece na sua frente: uma raposa.

Mas não é uma raposa comum. É Francis, uma criatura que apresenta uma personalidade dúbia, ora doce, ora sombria, fazendo aflorar um amargor de Melina que a faz tomar decisões erradas, que a leva a pensar que o mundo deve ser seu, sem consequências, sem pensar em mais ninguém. Loputyn carrega todas as características de um conto de fadas, o que vai encantar as pessoas que são fãs.

Melina é uma personagem que muita gente pode acabar vendo como um espelho. A sensação constante de ser uma impostora e que a qualquer momento podem descobrir isso, a sensação de que o futuro será vazio e sem significado, a sensação de não ser o suficiente para um alto cargo e acabar se sabotando. Por mais que ela tome decisões equivocadas mais pra frente na leitura, não é difícil se identificar com sua tristeza.

Devo dizer que o traço e, principalmente, as cores usadas por Loputy deram um tom de doçura para o quadrinho que faz você pensar em marshmallows, macarrons, docinhos açucarados com muito recheio. Quem espera uma história com a mesma doçura do traço vai se surpreender com os temas levantados pela autora e o lado sombrio de Francis, que tenta cooptar Melina para seu lado.

Detalhe do traço de Loputyn
Olha que lindeza de traço

A edição é em capa dura com folhas encorpadas. As cores, o trabalho gráfico, o traço, tornam essa uma das belas obras publicadas pela DarkSide no Brasil.


Ficção e realidade
Gosto muito dessa dualidade trabalhada no quadrinho. Enquanto que nos contos de fada tradicionais o bem e o mal são bem demarcados na rainha má, na fada malvada, na madrasta controladora, a dualidade abordada em Francis é dentro das pessoas. Somos todos capazes de atos bons, maus ou indiferentes e Melina acaba dando vazão ao seu lado mais sombrio em um momento de manipulação da parte de Francis. Melina acaba sendo muito humana, errando, encarando suas falhas e entendendo que é por elas que pessoas oportunistas podem acabar se infiltrando e nos quebrando por completo.

Loputyn

Jessica Cioffi, nome real de Loputyn, vive em Bréscia, região da Lombardia, na Itália, tendo frequentado a Academia de Belas Artes de Bergamo, tendo sido autodidata no desenho e na pintura. Seu primeiro trabalho no mundo dos quadrinhos, publicado em 2015, chama-se Cotton Tales, um conto de fadas com toques vitorianos, uma das marcas registradas da autora que, em 2016, lançou uma coletânea com seus desenhos favoritos.


Pontos positivos
Capa dura
Melina e Francis
Cores e traço
Pontos negativos
Final em aberto
Acaba rápido!
Preço

Título: Francis
Título original em italiano: Francis
Autora: Loputyn
Tradutora: Maria Clara Carneiro
Editora: DarkSide
Páginas: 96
Ano de lançamento: 2019
Onde comprar: na Amazon e na loja oficial da editora DarkSide, com um caderninho exclusivo


Avaliação do MS?
Francis foi uma agradável surpresa, um quadrinho muito fofo de se ler e de acompanhar. Espero de verdade que mais obras de Loputyn cheguem ao Brasil, pois amei o traço, as cores, a história e todos os significados dados pela autora às suas bruxinhas. Quatro aliens para Francis e uma forte recomendação para você ler também!

MUITO BOM!

Até mais!❀

Já que você chegou aqui...

COMPARTILHE

Seja o primeiro a comentar.

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, com Desconhecido ou Unknown no lugar do nome, em caixa alta, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.

O mesmo vale para comentários:

- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.

A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.