Resenha: O caso da Mansão Deboën, de Edgar Cantero

Os fãs de Scooby-Doo e Sobrenatural, certamente, vão curtir este livro aventureiro e misterioso sobre um clube de detetives mirins que resolve um caso de roubo em sua pequena cidade natal. Mas o que aconteceu com eles? Eu sempre imaginei o que acontecia com o psicológico da turma do Scooby-Doo depois de seus casos assombrosos e o autor deve ter pensado nisso também, nos traz os detetives mirins de volta, mais de dez anos depois dos eventos que os tornaram famosos.



Este livro foi uma cortesia da Editora Intrínseca


O livro
O Clube de Detetives de Blyton era notório na cidade por sua perspicácia e a resolução de casos assombrosos, mas o que rendeu a primeira página para eles foi a resolução e prisão do Monstro do Lago, onde fica a misteriosa Mansão Deboën. O bandido mascarado foi preso e a foto sorridente das crianças estampa a primeira página dos jornais. Mas toda criança cresce e com estes não foi diferente. O que houve com o grupo?

Resenha: O caso da Mansão Deboën, de Edgar Cantero

É essa a premissa que o autor trouxe para o livro. Treze anos depois, o ladrão preso sai em condicional e uma das crianças do grupo, Andrea (Andy como prefere ser chamada) já adulta, o encontra em um bar. Ela nunca aceitou a versão de que ele estava lá assustando as pessoas sozinho. Havia algo na mansão no meio do lago, algo que vinha assombrando os jovens desde então, algo ruim, algo bizarro. Dessa forma, ela decide reunir os antigos amigos e partir para a cidade de onde saíram tantos anos atrás. Eles têm assuntos inacabados por lá.

A dinâmica dos personagens é excelente, especialmente o cachorro, que tem participação intensa na trama. Cada um é bem descrito, articulado, tem participação ativa e dinâmica na narrativa que é ágil e rápida, você nem sente o livro passar na mão. O mais interessante é acompanhar a jornada de cada, como que cada um lidou com o que viu e viveu naquela mansão assombrada e decrépita no meio do lado. Eles estão convencidos que o que aconteceu naquela noite foi o que mudou suas vidas para sempre. Depressão, suicídio, internação em hospitais psiquiátricos, brigas e prisão, tudo isso acabou surgindo nas vidas dos detetives mirins.

— Nenhum livro em si é perigoso, sabe. Mas, historicamente, ler um livro da forma errada pode resultar em terríveis consequências.

Página 59

Apesar de o livro dar uma derrapada no ritmo aqui e ali, especialmente perto do final parece que ele se alonga demais, o livro é gostoso de se ler. Mas algumas observações devem ser feitas. A primeira é a forma como ele constrói o texto em alguns momentos. A estrutura dos quadrinhos funciona nos quadrinhos. Tentar transportar a estrutura dos diálogos para um livro não funciona e ele faz isso não apenas diversas vezes como o faz no meio de uma cena de ação ou importante. Você perde o ritmo da leitura porque ele muda de repente os diálogos e os parágrafos, como se fossem textos de quadrinhos. Isso me desagradou muito.

O segundo ponto é que ele acertou muito colocando personagens diversos na história, especialmente Andy, que é lésbica e quando criança era chamada de "machona" pelos outros garotos apenas por não ser feminina. Tudo bem até aqui, pois ela é inteligente, destemida, corajosa, uma grande personagem. Mas aí o autor resolveu fazer justamente de Andy alguém que não consegue ficar perto de uma mulher com calça de couro e que toca o corpo da amiga sem consentimento em momentos em que não era legal fazer isso. Sério, não precisava disso, ainda mais com uma personagem tão bacana quanto essa. Foi desnecessário, foi inoportuno e preconceituoso. O autor fez isso uma ou duas vezes, o que consegue salvar a trama, mas nem devia ter feito pra começo de conversa.

Existem momentos sobrenaturais na história e isso foi bem trabalhado. Há cenas sombrias e sufocantes em alguns momentos bem tensos, além de pitadas de magia. O cachorro, Tim, merece uma menção honrosa, pois é um dos personagens mais carismáticos e fofos de toda a história. A edição que eu recebi veio com a caixa 4 do Clube Intrínsecos, da Editora Intrínseca, com capa minimalista, mas ele já está à venda com essa capa colorida lindona aí em cima.

O livro praticamente não tem problemas de revisão ou diagramação. A tradução ficou por conta de Giu Alonso e está muito boa. E o melhor: a editora creditou a tradução nas lojas online e fiquei muito feliz por isso.♡


Ficção e realidade
Assistindo ao Scooby-Doo hoje, os episódios me parecem óbvios e datados, mas quando eu era xóvem adorava os desenhos e os casos bizarros da turminha. Até me imaginava resolvendo casos de bandidos mascarados em casas mal assombradas. Esse é um tipo de aventura que anda em baixa ultimamente, por isso o livro foi tão divertido a despeito dos problemas pontuais.

Edgar Cantero

Edgar Cantero é um escritor e cartunista espanhol, que trabalha em catalão, inglês e espanhol. Seu estilo literário une humor certeiro a cenas de ação, casas mal-assombradas e diversas referências pop

Esta era basicamente a vantagem de estar internado em um hospital psiquiátrico: conviver com pessoas mais malucas que você ajuda a colocar as coisas em perspectiva.

Página 52

Pontos positivos
Bem escrito
Aventura
Cachorro Tim
Pontos negativos

Características da Andy
Pode ser lentoem algumas partes

Título: O caso da Mansão Deboën
Título original em inglês: Meddling Kids
Autor: Edgar Cantero
Tradutor: Giu Alonso
Editora: Intrínseca
Páginas: 352
Ano de lançamento: 2019
Onde comprar: na Amazon


Avaliação do MS?
Uma aventura para os fãs de histórias de detetives e do sobrenatural, além de uma pitada de ciência e magia. Ainda que tenha problemas pontuais, o livro foi muito divertido. Dei altas risadas com o cachorro Tim e a interação dos personagens. Quatro aliens para o livro e uma forte recomendação para você ler também.


Até mais!🧟‍♂️

Já que você chegou aqui...

COMPARTILHE

Seja o primeiro a comentar.

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, com Desconhecido ou Unknown no lugar do nome, em caixa alta, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.

O mesmo vale para comentários:

- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.

A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.