Resenha: A Poção Perdida, de Amy Alward

A Poção Secreta já é um livro favorito para mim. A história de uma garota alquimista muito inteligente me cativou e li os dois livros seguintes da trilogia numa sentada só. Se no primeiro livro ela precisou correr contra o tempo para salvar a princesa Evelyn e todo o reino da destruição, aqui ela precisa encontrar o velho diário de sua bisavó, um diário dado como perdido há muito tempo.



Parceria Momentum Saga e
Editora Jangada


O livro
Depois dos eventos do primeiro livro, a princesa Evelyn se tornou muito amiga de Samantha Kemi, da tradicional família de alquimistas Kemi e dona de uma loja de poções. O namorado de Sam, Zain Aster, também é amigo da realeza e foi bem legal a autora ter mantido o trio unido em uma amizade sincera e sem ressentimentos. Especialmente entre duas mulheres. Algum tempo se passou desde os eventos do primeiro livro, mas a imprensa ainda ronda as pessoas envolvidas na Caçada Selvagem e fóruns na internet estão agitados com a família Kemi.

Resenha: A Poção Perdida, de Amy Alward

Tudo o que Sam fala vira motivo para os fóruns criarem longas discussões e quando ela solta, sem querer, em um programa de TV, que sua bisavó talvez tenha conseguido fazer a "poção mais poderosa do mundo", a internet vem abaixo e a loja de poções dos Kemi lota de pessoas esperançosas. Aqua Vitae é uma poção capaz de curar qualquer doença. Há rumores que a avó de Sam teria feito a poção, mas com seu diário perdido, como saber? Mas Sam tem outro problema: para salvar a amiga, a princesa Evelyn, ela precisa se lançar em uma nova busca pelo diário de sua bisavó, ou o reino pode estar em perigo.

A princesa tem muito poder mágico que pode ser amenizado ou armazenado se ela se casar. O casal real dividiria o fardo, mas Evelyn não quer ceder à tradição, até porque seu coração já tem dona. Para ajudar Evelyn, Sam precisa encontrar uma forma de armazenar o poder extra da amiga. Mas como? O avô de Sam, por sua vez, diz que a mãe nunca teria feito uma poção dessas, mas depois que ele é atacado na rua e perde sua memória, Sam vai ter que correr contra o tempo. Ela pode salvar os dois?

Uma coisa maravilhosa dessa trilogia é que Sam não corre para salvar um namorado, um crush, um paquerinha. Ela corre para salvar a amiga, a família, a reputação da família, o reino. Não é o interesse romântico. Sim, ela namora, mas sua vida não gira em torno dele e apesar de sofrer como qualquer adolescente sofreria, ela põe isso de lado e foca na missão. Aliás, devo fazer um comentário aqui sobre a estatura da Sam: a maioria arrasadora das heroínas juvenis que já li tinham, no máximo, um metro e meio de altura. Eu comecei a imaginar que era uma fórmula mágica para obras juvenis. Sam, felizmente, é bem alta, e volta e meia se ressente disso. Eu a-do-rei.

A bisavó de Sam, Cleo Kemi, é uma personagem que eu queria ter conhecido mais. Seria incrível se a autora criasse algum spin off com as aventuras desta alquimista tão maravilhosa. Se eu já gostava dela por menções bem leves no primeiro livro, depois que nós descobrimos mais sobre esta mulher e o que ela fez, você se apaixona. Aquela pessoa que para fazer o que é certo se sacrifica, sabe? Isso foi bem bonito e Sam, apaixonada pela história da família, também fica encantada.

Quando ela voltou, não conseguia preparar nem a poção mais simples. Ela se atrapalhava até com uma xícara de chá calmante! Eu não conseguia entender. Então me lembrei de uma lenda que li certa vez: algumas poções são tão poderosas que destroem a mente do alquimista que ousou prepará-la. Eu disse a mim mesmo que ela devia ter preparado uma dessas, porque eu não conseguia admitir que minha mãe ficou envergonhada em perder a Caçada Selvagem e simplesmente perdeu a mão.

Página 45

Amy também ampliou a visão de mundo que temos, indo a mais lugares e colocando pessoas de diferentes etnias e culturas, ainda que você possa reconhecer algumas delas. E ela fez isso sem estereotipar nada nem ninguém. Inclusive ela faz algumas críticas ao colonialismo de Nova, que você pode comparar como sendo a Inglaterra, pois Sam achava que Nova era o centro do mundo e quando tem a oportunidade de conhecer novas culturas acaba percebendo que o mundo é muito maior do que ela achava. Foi bem interessante fazer isso e interessante como a autora usou os Centauros, uma das criaturas mitológicas que eu mais gosto, nesta trama.

A edição da Jangada está bem diagramada, mas carece de melhor revisão e tradução, dois itens que caíram muito neste livro e no terceiro. São repetições excessivas, como se faltasse vocabulário para substituir as palavras e termos que melhor coubessem. A tradução de toda a trilogia ficou nas mãos de Denise de Carvalho Rocha. Faço mais uma crítica à falta de numeração da ordem correta da trilogia do lado de fora dos livros. Indicar na lombada já resolveria o problema, mas você tem que abrir o livro para buscar a informação na capa.


Ficção e realidade
Queria ter tido livros assim na minha época de adolescente para ler. Livros em que moças eram determinadas, independentes, que se lançavam em uma missão ao invés de ficar brigando para quem vai ficar com o menino mais gato da escola. Eu queria ler sobre essas heroínas destemidas, queria poder me identificar com garotas que tinham um propósito. Fico feliz demais de ver livros para o público juvenil com essa pegada e gostaria que as pessoas deixassem o preconceito de lado com este tipo de literatura, pois não sabem o que estão perdendo e nós ganhando.

Amy Alward

Amy Alward, que também assina como Amy McCulloch, o que me confundiu, admito, nasceu no Reino Unido, estudou em Toronto e hoje mora em Londres, onde trabalha. Formou-se em Letras, com ênfase em Literatura Inglesa e Medieval. Antes de se tornar escritora em tempo integral, ela foi editora chefe da divisão de livros infantis da Penguin Random House.

Pontos positivos
Protagonista feminina
Alquimia e poções
Princesa Evelyn
Pontos negativos

Pode ser lento e repetitivo em algumas partes
Erros de revisão e tradução

Título: A Poção Perdida
Título original em inglês: The Potion Diaries: Royal Tour
Série: Diário de uma garota alquimista
1. A Poção Secreta
2. A Poção Perdida
3. A Poção Mortal
Autora: Amy Alward
Tradutora: Denise de Carvalho Rocha
Editora: Jangada
Páginas: 440
Ano de lançamento: 2017
Onde comprar: Amazon


Avaliação do MS?
Tirando os problemas com revisão e tradução, acredito que a trilogia toda super vale à pena. Se você procura um mundo mágico, com excelentes personagens, uma construção de mundo bem feita e uma protagonista simpática e inteligente, esta é a sua trilogia. Gostaria muito mesmo que o universo fosse expandido para outros personagens, como Cleo Kemi. Quatro aliens para o livro e uma forte recomendação para você embarcar nessa jornada!


Até mais! 🧙‍♀️

Já que você chegou aqui...

COMPARTILHE

Seja o primeiro a comentar.

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, com Desconhecido ou Unknown no lugar do nome, em caixa alta, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.

O mesmo vale para comentários:

- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.

A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.