Resenha: O primeiro homem, de James R. Hansen

Nunca fui uma ávida leitora de biografias. Li poucas, mas recentemente me apaixonei pela biografia de Leonardo da Vinci e o interesse ressurgiu. Foi então que a Intrínseca me mandou este livro, que biografa Neil Armstrong com grande profundidade, trazendo suas origens escocesas, sua formação em engenharia aeronáutica, até sua morte. Muito reservado e de poupo papo a respeito de si mesmo, o livro é um resgate não só da memória de Neil como também um resgate da história da aviação e dos primórdios da exploração do espaço. Também deu origem ao filme de mesmo nome.



Este livro foi uma cortesia da Editora Intrínseca


O livro
Neil Armstrong recusou outras tentativas de biógrafos por um bom tempo, até que aceitou o convite de James R. Hansen, alegando que aquele era um bom momento. Nascido e criado em Ohio, Neil entendia que a história de uma pessoa não começava no seu nascimento, mas sim a um tempo anterior, com as jornadas de seus antepassados. No caso de Neil, vinha dos primeiros Armstrongs, no século XVII, na região entre Escócia e Inglaterra. Sim, o autor foi longe a esse ponto, traçando a linhagem paterna, depois a materna de Neil, passando pelas 13 Colônias, a Revolução Americana, até o casamento apressado de seus pais.

Resenha: O primeiro homem, de James R. Hansen

A criança tímida e inteligente era o irmão mais velho, então sempre teve mais responsabilidades que os outros e cuidava dos irmãos. Gostei muito, aliás, do nível de detalhes do autor, as tiradas bem humoradas e em alguns momentos os detalhes eram demais. Só faltou o número de série de todos os aviões que Neil voou nessa vida, pois você tem modelos e até as horas que Neil tinha em cada um. O mais curioso é saber que o primeiro ser humano na Lua era um péssimo motorista.

Tendo voado na Guerra da Coreia, cerca de 78 missões, teve a universidade paga pela Marinha. Como piloto de testes, voou em vários aviões experimentais ainda bem jovem. Suas notas na universidade começaram a melhorar com o tempo, mas se mantendo na média. Justamente por voar em aviões experimentais que ele acabou se envolvendo com o ainda embrionário programa espacial. Seus colegas sempre o acharam novinho demais para voar, porém ele era conhecido pela calma e sangue-frio em situações extremas, como quando voou com motores falhando e conseguiu pousar na marra.

Da posição em que estamos no planeta é difícil observar onde está a Terra e para onde vai, ou qual será o seu caminho no futuro. Felizmente, olhando um pouco mais de longe, tanto no sentido real quanto no figurado, podemos fazer algumas pessoas darem um passo para trás e repensarem sua missão no universo, para pensar em si mesmas como um grupo que integra a tripulação de uma espaçonave que cruza o universo. Quem conduz uma espaçonave precisa ter muita cautela sobre como tratá-la, como empregar seus recursos e com usar sua tripulação.

Página 14

O autor reitera como Neil era tranquilo, do tipo que não gostava de se gabar e que não surfou na onda do sucesso de seus feitos como outros membros do programa espacial. Mesmo nas entrevistas, quando narrava os perrengues que passou, Neil não elevava a voz, era sempre afável e tranquilo. Mas a vida do pioneiro lunar teve seus altos e baixos. O casal Neil e Janet teve três filhos, mas Karen morreu com apenas 2 anos de idade, devido a um tumor no cérebro.

Depois de sair da NASA, o casamento afundou, Neil entrou em depressão e o casal por fim se divorciou. Senti que o autor não conseguiu mais detalhes sobre a vida do casal além do que foi contato por Neil, talvez a ex-esposa não quisesse relembrar dessa época, já que por conta de seu casamento ela nunca terminou sua faculdade e se arrependeu muito disso.

Ainda que não gostasse de falar de si mesmo, Neil adorava falar sobre ciência, sobre o espaço, sobre o programa espacial e tinha uma agenda cheia, o que também custou muito seu tempo com a família. O distanciamento emocional de Janet e dos filhos é algo mencionado na biografia e como ele pouco acompanhou o crescimento dos próprios filhos por viajar demais e nunca estar em casa.

O livro reconta a história do programa espacial pelos olhos de um de seus mais conhecidos astronautas. Então além de uma vida pessoal é também um registro histórico narrado por quem viveu aquilo. Neil dizia que ele não era o autor do livro e sim James e nunca autografou nenhuma das obras. Este livro foi lançado primeiro em 2005 e depois ampliada e revisada com a morte de Neil em 2012, em decorrência de problemas cardíacos após quatro pontes de safena. Foi bem pesquisado, bem mesmo, chegando a ser chato em alguns momentos, mas não posso deixar de admirar o empenho do autor em detalhar cada pormenor. No final há uma extensa biografia, um índice e várias fotos de arquivos estão distribuídas pelas páginas.

A tradução está muito boa, ficando a cargo de Donaldson M. Garschagen e Renata Guerra e praticamente não encontrei erros de tradução, revisão ou digitação. Peço mais uma vez à Intrínseca que coloque os nomes dos tradutores de seus livros nos sites das lojas. Quase todas as editoras colocam, só a Intrínseca que não coloca.


Obra e realidade
Muito me espantou a profunda humildade de Neil, além da reverência que ele tinha pela ciência e pelo conhecimento. O autor chega a comentar como ele parecia se iluminar quando falava da exploração do espaço e do conhecimento científico, de como o futuro da raça humana é seguir para o espaço e explorar outros corpos celestes. Admirado no mundo todo, Neil deixou de levar multidões por onde passava nos Estados Unidos, mas fora de casa a polícia tinha escoltá-lo, tamanha a admiração de fãs e entusiastas das missões Apollo.


Em 20 de julho de 1969 a Apollo 11 pousou no solo lunar, então estamos nos aproximando dos 50 anos deste feito histórico. E nada mais justo que ter a biografia do pioneiro, aquele que deixou pegadas na Lua, para mostrar que nossos sonhos podem acabar nos levando para onde quisermos.

James R. Hansen é escritor e professor de história na Universidade de Auburn, no Alabama. Ele entrevistou mais de 120 pessoas para compor a biografia de Neil, tendo também escrito vários livros sobre a história da exploração espacial e da NASA.

Pontos positivos
Bem escrito
Bem pesquisado
Fotos
Pontos negativos

Pode ser maçante em algumas partes

Título: O primeiro homem
Título original em inglês: First Man: The Life of Neil A. Armstrong
Autor: James R. Hansen
Tradutores: Donaldson M. Garschagen e Renata Guerra
Editora: Intrínseca
Páginas: 512
Ano de lançamento: 2019
Onde comprar: na Amazon


Avaliação do MS?
Se assim como eu você também é fã das missões espaciais, da exploração do espaço e da ciência, vai gostar deste livro. Ele é sim bastante detalhado, ao nível quase que maníaco, mas isso apenas mostra o esforço do autor em trazer cada detalhe da vida de Neil Armstrong, aquele que deixou pegadas na Lua, que nos mostrou o quanto a humanidade pode ir ao longe. Leitura essencial e obrigatória.

Até mais! 🌖

Já que você chegou aqui...

COMPARTILHE

Seja o primeiro a comentar.

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, com Desconhecido ou Unknown no lugar do nome, em caixa alta, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.

O mesmo vale para comentários:

- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.

A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.