Resenha: A Revolução dos Bichos, de George Orwell e Odyr

A Revolução dos Bichos é um dos grandes clássicos da literatura. Ainda que alguém nunca tenha lido a obra, conhece o título e o nome de seu autor. É daqueles livros que nunca saem de moda porque a raça humana não mudou muito desde o lançamento, em 1945. Agora a Companhia das Letras trouxe uma linda edição ilustrada e poderosa desta que é uma leitura obrigatória para qualquer fã de ficção científica e quadrinhos.



Parceria Momentum Saga e
Companhia das Letras


O livro
Considerado um dos cem mais importantes e influentes livros de língua inglesa, A Revolução dos Bichos (um título que acaba sendo um pequeno spoiler) é uma moderna fábula que trata de como acabamos apoiando regimes opressores, ditatoriais e líderes déspotas, valendo-se de manipulação alienação da população. Ainda que, inicialmente, George Orwell mirasse na União Soviética, seu livro fala de regimes totalitários no geral, podendo facilmente servir de metáfora para o Nazismo, também em ascensão na época.

Resenha: A Revolução dos Bichos, de George Orwell e Odyr

O livro fala de uma fazenda onde os animais se cansam da constante exploração e maus-tratos dos homens. Assim eles se rebelam, botando os humanos para fora da fazenda e tomando conta da propriedade. Logo eles criam uma ideologia, o Animalismo, regido por 7 mandamentos:

1. Qualquer coisa que ande sobre duas pernas é inimigo.
2. Qualquer coisa que ande sobre quatro patas, ou tenha asas, é amigo.
3. Nenhum animal usará roupas.
4. Nenhum animal dormirá em cama.
5. Nenhum animal beberá álcool.
6. Nenhum animal matará outro animal.
7. Todos os animais são iguais.

Tudo parece bem no começo, pois a fazenda começa a prosperar; os animais se sentem felizes e livres pela primeira vez. Gradualmente, os porcos, por serem mais inteligentes, assumem a liderança da comunidade e se tornam os tomadores de decisão. Um destes porcos, Napoleão, logo se empenha em eliminar seu rival, um outro porco, tornando-se um déspota pouco depois. Enquanto os animais se matam de trabalhar pela fazenda, os porcos vão acumulando mais e mais benefícios e regalias, manipulando os demais para acreditarem em um inimigo externo e a cultuarem a figura do líder.

Os ideais estabelecidos pelos sete mandamentos de antes vão gradualmente sendo adaptados para favorecerem aos líderes. É fácil ver em Napoleão a figura de vários outros déspotas da história. Essa facilidade com que identificamos o porco da fábula com tantas outros líderes da vida real é porque os métodos de dominação e manipulação não mudaram. Vimos isso na nossa própria eleição de um déspota em 2018.

Ilustração do livro, onde os bichos trocam o nome da fazenda para Granja dos Bichos

Não deve ter sido fácil adaptar o livro, mas todos os principais pontos da obra estão nesta edição. Adorei a arte de Odyr, que acrescentou um componente de ação, de drama e de movimento que são essenciais em algumas passagens. Fiquei bem triste em alguns momentos, como a doença de Sansão e como o líder "resolveu isso".

Não encontrei erros de revisão ou tradução, que foi adaptada do trabalho de Heitor Aquino Ferreira. A edição é grande, um pouco menor que uma folha A4 e a fonte da capa é metálica, dando um bonito efeito à arte de Odyr.

Ficção e realidade
O momento para a publicação não poderia ser mais importante. A Revolução dos Bichos deveria ser uma leitura obrigatória, mas aposto como muita gente diria que o livro é "doutrinador". E provavelmente teria gente que se identificaria com os porcos, quando na verdade eles são os animais lá fora, ralando no relento, no frio, no calor, carregando pedras e vivendo das sobras dos poderosos.

George Orwell e Odyr
George Orwell e Odyr

Então, camaradas, qual é a natureza desta nossa vida? Enfrentemos a realidade: nossa vida é miserável, trabalhosa e curta. Nascemos, recebemos o mínimo alimento necessário para continuar respirando, e os que podem trabalhar são exigidos até a última parcela de suas forças; no instante em que nossa utilidade acaba, trucidam-nos com hedionda crueldade.

Páginas 12 e 13

George Orwell foi escritor, jornalista e ensaísta político inglês, nascido na Índia Britânica. É considerado o melhor cronista da cultura inglesa do século XX, com obras que apostam na crítica social, na sátira e na análise da sociedade. Odyr Bernardi é um ilustrador gaúcho, com quadrinhos publicados por grandes revistas e jornais brasileiros.

Pontos positivos
Ilustrações e arte
Clássico da ficção científica
Colorido
Pontos negativos

Nenhum!

Título: A Revolução dos Bichos
Título original em inglês: Animal Farm
Autor: George Orwell
Tradutor: Heitor Aquino Ferreira
Ilustração: Odyr Bernardi
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 176
Ano de lançamento: 2018
Onde comprar: Amazon

Avaliação do MS?
Para aqueles que tenham dificuldades com obras clássicas da ficção científica e fantasia, por sua linguagem ou por terem envelhecido mal, aqui está uma ótima alternativa para você conhecer um dos dos mais importantes livros da literatura mundial. Adorei a arte e a adaptação, combinação perfeita. Atual e visceral, é uma obra que ecoa suas críticas há mais de 70 anos e é uma leitura obrigatória.

Até mais!

Já que você chegou aqui...

COMPARTILHE

1 Comentário

  1. Leitura mais atual do que nunca...Vale destacar a adaptação do livro no desenho animado "Animal Farm" de 1954, considerado uma obra prima do cinema de animação!

    ResponderExcluir

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, com Desconhecido ou Unknown no lugar do nome, em caixa alta, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.
O mesmo vale para comentários:
- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.
A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.