10 coisas que você não sabia sobre Star Trek 2009

domingo, maio 20, 2018

A nova fase de Star Trek no cinema começou com este longa, em que a tripulação da série clássica é rebootada e lançada em um novo universo, um em que Kirk é órfão de pai e onde uma poderosa nave romulana vem tocando o terror pelo quadrante alfa.




Dirigido e produzido por JJ Abrams, o longa contou com 150 milhões de dólares em orçamento, tendo faturado ao todo quase 400 milhões de dólares em bilheteria. O filme foi aclamado pela crítica especializada e foi dedicado a Gene Roddenberry e sua esposa, Majel Barrett.

10. Tigelinha
Para se preparar para o papel de Spock, Zachary Quinto deixou o cabelo crescer, cortou e depois raspou as sobrancelhas. O ator admitiu que se sentiu uma criança nerd novamente, com 12 anos de idade, com aquele cabelinho tigela, que ele usou por um bom tempo, até a adolescência. Já a saudação vulcana, Zachary tinha que colar os dedos, porque ele não conseguia fazer.

9. Majel Barrett
A esposa de Gene Roddenberry fez a voz do computador da Enterprise, DS-9 e da Voyager e nos filmes clássicos da franquia, além de interpretar a mãe da conselheira Troi e de ser a primeira-oficial do capitão Pike no primeiro episódio piloto da série clássica. Ela também emprestou sua voz para Star Trek 2009 e gravou suas falas em casa, duas semanas antes de morrer, em 18 de dezembro de 2008.

8. John Cho
Em um primeiro momento, o ator de ascendência coreana, John Cho, ficou na dúvida se interpretava o oficial japonês da ponte, Hikaru Sulu. Quem lhe deu um empurrãozinho foi George Takei, o Sulu original, que lhe disse que Sulu representa toda a Ásia e portanto ele deveria fazer o papel.

7. Yo-moyo!
Quando Chekov consegue teletransportar Kirk e Sulu de volta para a Enterprise, ele grita: Yo-moyo! Essa é uma expressão russa que quer basicamente dizer: CARALHO, MERMÃO!

6. Delta Vega
Na cena em que Kirk está em Delta Vega, sendo perseguido por uma imensa fera do gelo, não é o ator Chirs Pine correndo na frente dela e sim uma criança vestida de Kirk. A ideia era mostrar o tamanho do monstro diante de um ser humano.

5. Participações especiais
Randy Pausch foi professor de ciência da computação e um fã declarado de Star Trek. Tendo falecido em 2008, devido a um câncer no pâncreas, ele fez um tenente na ponte da USS Kelvin e doou os 217 dólares do cachê para a caridade. O irmão de Zachary Quinto, Joe Quinto, interpreta um romulano na Narada. Nichelle Nichols ia aparecer como a avó de Uhura, mas a cena foi cortada. O filho de James Doohan, o Scooty original, aparece como assistente do Scooty de Simon Pegg. Wil Wheaton, o conhecido Will Crusher de A Nova Geração, fez a voz de vários romulanos, como nesta frase "Sir, if we ignite the red matter..." O capitão da USS Kelvin, Richard Robau (Faran Tahir), é uma homenagem ao tio de Roberto Orci, um dos roteiristas do filme e fanático por Star Trek.

4. 12091
Já no final, atrás do Spock de Nimoy, é possível ver uma nave auxiliar com o número 12091. É uma referência ao último filme feito com a tripulação da Enterprise da série clássica, lançado em dezembro de 1991, Jornada nas Estrelas VI - A Terra Desconhecida.

3. Locações
Para o quartel-general da Frota Estelar e o prédio da academia, foram usadas as dependências da Universidade Estadual da Califórnia e o prédio da prefeitura de Long Beach. As cenas em Vulcano foram feitas numa antiga locação da série clássica, as montanhas de Sierra Pelona, também na Califórnia e o desfiladeiro de San Rafael, em Utah.

2. Efeitos
Há uma longa tradição de se usar modelos em escala de naves para cenas que as envolvam, tanto nas séries quanto nos filmes clássicos de Star Trek. Para este filme, a Industrial Light & Magic e a Digital Domain criaram todas as naves em computador, com design que remete às naves vistas na série clássica.

1. NASA
A astrofísica e planetóloga Carolyn Porco, chefe da missão da sonda Cassini até o fim da missão, em 2017, foi consultora científica do filme e orientou produtores e especialistas em efeitos especiais em várias cenas. Por exemplo, ela orientou a equipe sobre como seriam disparos de armas no espaço, como uma onda de detritos flutuaria e até como um planeta se partiria.


Tem na Netflix, vamos assistir?

Vida longa e próspera!

Já que você chegou aqui...

Sybylla

Fã do futuro e da ficção científica. Geógrafa, professora, blogueira, escritora de FC. Capitã da Frota Estelar. Esperando para voltar para o meu planeta. Leia mais.





Leia esses também...

3 comentários

  1. Muita gente crítica esse filme, mas para mim foi uma porta de entrada para a série. Hoje sou muito fã estou na segunda temporada da Voyager e já as anteriores. Sybylla tmb foi importante com o podcast do anticast "Star Trek é comunista?".. valeu Sybylla.

    ResponderExcluir
  2. Nunca tive dúvidas de que esse Star Trek veio para erguer uma nova geração de fãs, como o usuário acima citou, foi muito criticada, e ainda assim, teve grandes referências à série clássica, bem como foi divertido conhecer a juventude dos nossos queridos tripulantes!

    Abraço Sybylla!

    ResponderExcluir

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, em caixa alta, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.
O mesmo vale para comentários:
- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.
A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.

Curta no Facebook

Viajantes