10 coisas que você não sabia sobre A Ilha

domingo, dezembro 10, 2017

O que eu mais gosto em A Ilha (2005), apesar de ser um filme bem mediano, é a pertinente discussão sobre engenharia genética, indústria da juventude e bioética: clones têm direitos? O filme deixa claro para nós que clones são meros produtos e que seus progenitores não têm ideia nenhuma que suas cópias estão vivas e pensando que o mundo acabou depois de uma praga. Passando-se em 2019, um agnato é vendido como um ser inanimado, cujos órgãos estarão disponíveis para você a qualquer momento que precisar, desde que esteja disposto a pagar.




Com um orçamento de 126 milhões de dólares, o retorno na bilheteria foi de apenas 163 milhões, pagando o filme, pelo menos. Com direção e produção de Michael Bay, a história foi escrita por Caspian Tredwell-Owen, um dos roteiristas. Os outros dois roteiristas são Alex Kurtzman e Roberto Orci, ambos já veteranos da televisão e do cinema.

10. Renovatio
O iate preto que aparece nos sonhos de Lincoln Six Echo é o 118 WallyPower, super iate de luxo, construído com fibra de carbono, kevlar e vidro, com 36 metros de comprimento e alcançando uma velocidade de 10 km/h. Ele custa apenas 33 milhões de dólares, se você escolher a versão com três turbinas. Duas turbinas baixa o preço para 22 milhões.

9. Calvin Klein
Há um momento em que Jordan Two Delta reconhece seu rosto em uma propaganda da Calvin Klein. A propaganda é real, ela não foi feita para o filme, pois Scarlett é garota-propaganda da marca.

8. Dois em um
Ewan McGregor interpreta dois personagens no longa: Tom Lincoln e seu clone, Lincoln Six Echo. As cenas em que os dois precisavam aparecer juntos eram extremamente chatas de gravar, pois cada mudança de roupa de Ewan levava uma hora e meia.

7. KY
Na cena de nascimento de um agnato (o gif abaixo), Michael Bay admitiu que eles usaram cerca de 600 litros de KY.

6. Acidentes
Na estação de trem, em que Scarlett Johansson e Ewan McGregor correm de seus perseguidores, o operador de câmera tinha que acompanhar seus movimentos de perto, correndo com eles em uma trilha pré-definida. O coitado do operador tropeçou, caiu sobre a câmera e se machucou bem feio, tendo que ser hospitalizado em seguida. Outros acidentes aconteceram, como um reboque se soltando do caminhão, correndo pela rodovia e acertando em cheio uma câmera da Panavision. Um figurante quase morreu na cena em que uma das motos acerta um prédio de escritórios e ele foi arrastado junto com ela. Felizmente, os explosivos foram acionados antes do figurante aparecer, o que salvou sua vida. Ele não se machucou seriamente.

5. Sets
Uma fábrica no Michigan serviu de locação para a estrutura subterrânea onde os clones ficavam, pelo menos a parte de manutenção e era tão barulhento que a equipe tinha que usar abafadores auriculares para poder trabalhar. As gravações no deserto, logo depois dos clones escaparem, foram gravadas em Rhyolite, Nevada, uma cidade fantasma a cerca de 205 km de Las Vegas. As cenas na cidade, apesar de no enredo serem em Los Angeles, foram quase todas gravadas em Detroit.

4. Transformers
Algumas cenas gravadas na estação de trem foram reutilizadas em Transformers: Dark of the Moon (2011), também dirigido por Michael Bay.

3. Conceito
Design-conceitos de diversos produtos aparecem no longa. O celular de Tom Lincoln, por exemplo, era o Nokia 8800/8801, que foi lançado depois do lançamento do filme. Um carro esportivo que aparece brevemente em uma das cenas é um Cadillac Cien. Um carro raro passando em uma rua é um Bugatti Veyron, cujo preço é de 1,25 milhão de dólares, sendo que apenas 50 deles são produzidos anualmente. O computador usado por Merrick era uma versão maior do Microsoft PixelSense.

2. Recorde
Tom Lincoln era apaixonado por velocidade, tanto que ele tem um modelo em sua casa do "Railton-Mobil Special", de John Cobb, que quebrou o recorde mundial de velocidade em terra três vezes, em 1938, 1939 e 1947.

1. Processinho
O diretor de Romance ou Pesadelo (1979), Robert S. Fiveson, entrou com um processo contra a DreamWorks e a Warner Brothers por infringirem direitos autorais. Os advogados de Fiveson apontaram quase 100 similaridades entre o filme de 1979 e o filme de 2005. Antes mesmo de ir a julgamento, a DreamWorks optou por resolver o assunto com um acordo judicial e o pagamento de um valor não revelado de cerca de sete dígitos.


Vamos assistir de novo? Até mais!

Já que você chegou aqui...

Sybylla

Fã do futuro e da ficção científica. Geógrafa, professora, blogueira, escritora de FC. Capitã da Frota Estelar. Esperando para voltar para o meu planeta. Leia mais.





Leia esses também...

2 comentários

  1. Eu sou uma das pessoas que gostou bastante do filme e acredito que sim, ele levanta um debate muito interessante sobre clones, ética e filosofia.
    Agora que já se passaram muitos anos, quero assistir de novo para analisar melhor.
    Gostei do post!
    Abraços e boa semana!

    ResponderExcluir
  2. O filme trata de temas filosóficos sérios, e já tratados por Platão há 24 séculos. A questão da "memória" por exemplo, é fundamental para que os clones pudessem ser mantidos sob controle.

    ResponderExcluir

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, em caixa alta, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.
O mesmo vale para comentários:
- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.
A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.

Curta no Facebook

Viajantes