10 coisas que você não sabia sobre O Enigma do Horizonte

terça-feira, junho 27, 2017

Um filme mal recebido pela crítica, que hoje ganhou o status de filme cult. Este é O Enigma do Horizonte, uma mistura de Hellraiser com 2001, um terror no espaço bizarro e perturbador, mas que usou conceitos arrojados da física para aplicar no enredo. De direção de Paul Anderson, o mesmo da franquia Resident Evil, o longa custou 60 milhões de dólares, mas foi muito mal nas bilheterias: apenas 40 milhões no mundo todo.




O enredo se passa em 2046, quando a nave de resgate Lewis & Clark parte para a órbita de Netuno, onde captaram o sinal da nave Event Horizon, cuja missão era chegar a Próxima Centauri. Eles encontram a nave vazia, mas não completamente sem vida. Tem muita coisa legal a se ver no filme antes da parte do Hellraiser do espaço aparecer.

10. Paramount não curtiu
A ideia original de Paul Anderson não agradou o teste de audiência e muito menos a Paramount, que mandou que ele diminuísse o tom violento e sanguinário e cortasse meia hora de filme, decisão que o diretor lamentou profundamente. O material adicional do longa foi guardado de maneira inadequada e boa parte se perdeu. Algumas cenas recuperadas, porém são graficamente perturbadoras demais para colocar aqui.

9. 30kg
A roupa espacial que os atores usaram para entrar na Event Horizon assim que a encontraram pesava cerca de 30kg cada uma. Devido ao peso, ficar muito tempo em pé com elas era cansativo e sentar não era possível por conta dos tanques de ar nas costas. Assim, para não cansar demais os atores, a produção improvisou ganchos no set, onde os atores podiam ficar pendurados e relaxando nos intervalos.

8. Titanic
Titanic (1997) tinha que estrear em julho de 1997, mas devido aos incontáveis atrasos da produção e as desculpas de James Cameron, o filme ficou para dezembro do mesmo ano. Isso deixou uma lacuna de lançamentos para a Paramount no meio do ano, forçando Paul Anderson a correr com a edição de O Enigma do Horizonte para agosto. A infeliz consequência para a produção foi que o design precisou ser apressado drasticamente, fazendo muitos profissionais largarem a produção e ainda obrigou o diretor a trabalhar 7 dias por semana até a edição ficar pronta.

7. Interestelar
Tem uma cena icônica em O Enigma do Horizonte, em que o Dr. Weir, engenheiro projetista da nave e de seu sistema de buraco negro, explica à tripulação da Lewis & Clark como o aparato funciona. A mesma explicação foi dada por Romily a Cooper, quando eles estão para entrar no wormhole, em Interestelar (2014), dobrando um pedaço de papel e passando a caneta pelo buraco que ele fez.

6. 45 segundos
Uma cena inicial, de Sam Neill olhando por uma escotilha em uma estação espacial na órbita da Terra e que rotaciona a partir da visão dele, durou apenas 45 segundos, levou 10 semanas para ficar pronta e custou 1/3 do orçamento do longa.

5. Notre Dame
A nave Event Horizon, nomeada assim devido ao horizonte de eventos de um buraco negro, foi baseada na arquitetura da Catedral de Notre Dame. O longo corredor, que separa a proa do gerador de buraco negro, foi inspirado na nave da igreja e o interior possui formas parecidas com cruzes, colunas e relicários.

4. Dr. Weir
O perturbado Dr. Weir, protagonizado por Sam Neill, foi inspirado em uma misteriosa figura histórica, chamada Johann Weyer, também conhecido como Wier ou Wierus. Ele era um médico holandês, e também ocultista, demonologista e opositor da caça às bruxas.

3. Deu bandeira
Na roupa espacial de cada personagem, há uma bandeira diferente da que conhecemos hoje para mostrar as mudanças políticas que ocorreram na Terra. Quem era norte-americano tinha uma bandeira com 55 estrelas, ao invés de 50. Os atores britânicos tinham uma bandeira da União Europeia com 22 estrelas. Sam Neill tinha uma bandeira australiana modificada, com a remoção da bandeira do Reino Unido do topo para uma bandeira aborígene no lugar.

2. Ninguém sabia direito o que estava fazendo
Tanto Joely Richardson quando Sam Neill admitiram que eles não sabia bem o que o filme queria dizer e que ninguém tinha entendido direito o roteiro. Eles apenas sabiam que tinha algo a ver com uma outra dimensão, mas nem o diretor nem os produtores se deram o trabalho de explicar para eles o que estava acontecendo.

1. Homenagem a Hellraiser
No script original, o sistema que cria o buraco negro, de onde a nave retira sua energia, era um orbe escuro, pendurado no ar, com braços rodando em volta dele, com um buraco negro constantemente ligado e estável no centro dele. Paul Anderson preferiu mudar para um sistema que precisava ser acionado quando fosse necessário, ao invés de ser constante, como homenagem à famosa caixa de Hellraiser - Renascido do Inferno (1987). Clive Barker, inclusive, foi consultado durante a pré-produção.


Topa assistir? Tem coragem?

Até mais!

Já que você chegou aqui...

Sybylla

Fã do futuro e da ficção científica. Geógrafa, professora, blogueira, escritora de FC. Capitã da Frota Estelar. Esperando para voltar para o meu planeta. Leia mais.





Leia esses também...

1 comentários

  1. Eu "quase gostei" do filme. Achei o início bastante promissor mas depois quando entra na "parte do hellraiser", como foi muito bem colocado no texto, o filme fica confuso e apelativo. A idéia de misturar uma space opera com um filme de terror é boa, mas infelizmente este filme não conseguiu atingir o objetivo ao qual se propôs.
    Mesmo assim ainda recomendo fortemente para quem não assistiu por ser um filme diferente, muito bem produzido e com uma proposta interessante.

    ResponderExcluir

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.
O mesmo vale para comentários:
- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.
A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.

Curta no Facebook

Viajantes