Resenha: Jantar Secreto, de Raphael Montes

sexta-feira, janeiro 27, 2017

Sabe aquele livro difícil de largar? Então, esse é um deles. Fiquei bem intrigada quando chegou o pacote em casa, porque eu não conhecia Raphael Montes e devo dizer que este livro foi muito tenso, sangrento e muitas vezes até divertido.



Este livro foi uma cortesia da
Companhia das Letras


O livro
Quatro jovens do interior se mudam para o Rio de Janeiro quando entram na faculdade. Eles lutam para encontrar um apartamento, mas conseguem achar um lugar bom, com um quarto para cada um e dedicam-se aos estudos durante os anos seguintes. Infelizmente, a realidade pode ser bem amarga para um recém-formado. Miguel é médico e rala no serviço público em jornadas cansativas. Leitão não fez muita coisa na vida, a não ser fumar maconha, engordar e jogar no computador. Hugo é hipster machista, que se acha o centro do universo, que fez gastronomia e nosso narrador é Dante, que fez administração e achou que ficaria rico antes dos 30 anos, mas que trabalha em uma livraria para sobreviver.


Aos dezenove anos é normal querer salvar o mundo, se sentir perdido na vida e ter que contar o dinheiro para pagar uma garrafa de cerveja - tudo isso ao mesmo tempo.

Página 16

Um dia, uma pisada de bola de Leitão deixa o grupo prestes a ser despejado. Ele usava o dinheiro do aluguel dos amigos para pagar uma garota de programa. Eis então que Hugo fornece uma saída: fornecer um jantar secreto de luxo a um grupo seleto de convidados que paga adiantado e tem uma experiência gastronômica diferenciada. O tipo de negócio estava na moda e poderia ser a saída para o gargalo financeiro do grupo. Acontece que Leitão, sempre bancando o engraçadão do grupo, coloca na descrição do jantar que eles serviriam carne humana.

Aqui entra uma questão moral perturbadora: fazer o jantar e pagar a dívida ou ser despejado e ficar com a consciência tranquila. Bem, é claro que os quatro amigos embarcam no jantar e o sucesso foi tanto, entrou tanto dinheiro, que eles entram em uma espiral bizarra de jantares cada vez mais requintados e uma inversão de valores surpreendente. Até onde esses caras vão?, é o que eu pensava enquanto lia esse livro.

Pessoas poderosas começam a se envolver com o negócio, artistas, empresários, gente famosa, da nata. Mas Dante e, principalmente Miguel, começam a ter problemas com isso. Miguel por ser médico é quem mais se sente mal pelo o que estão fazendo, mas até ele dá seu jeito de lidar com a consciência para ter dinheiro fácil. Dante é quem está mais insatisfeito, apesar de todos os namorados e casos que teve na noite carioca, as drogas e a grana entrando. E a verdade pode ser muito mais chocante do que ele imaginava.

Artigo duzentos e doze. Vilipendiar cadáver ou suas cinzas. Pena: detenção, de um a três anos, e multa. Para minha surpresa, antropofagia não estava previsto no Código Penal. O problema era vilipendiar o cadáver, mas comer a carne tudo bem.

Página 109

Os malabarismos morais que eles fazem para justificar seus atos são impressionantes. Tudo é perfeitamente justificável para manter o negócio. Será que todo mundo em situação de necessidade faria o que eles fazem? Ou a tentativa desesperada de manter um status e uma vida ilusória podem transformar mesmo as pessoas? E falando em pessoas, que personagens perfeitamente irritantes, imorais, supérfluos e perturbados Raphael criou. Cada um tem seus detalhes únicos que os fazem ser completamente malas em alguns momentos. Leitão, por exemplo, é um dos piores seres humanos que já vi na literatura, seguido de Hugo, um completo babaca que poderia subir em seu próprio ego e se jogar dele que a morte seria instantânea.

Apesar de existirem momentos um pouco óbvios, em que você sabe que aquilo aconteceria, em outros você é jogado em cenas surreais de abate, corte de carnes nobres e até mesmo de escolha de vitela... Certifique-se de ter um estômago forte quando for passar por essas partes. É como se a elite tivesse encontrado uma forma perfeita de acabar com os pobres e miseráveis, deleitando-se no prazer que isso gera. Nojento, eu sei, mas acho que a ideia era essa.

O livro é bem acabado, com a brochura pintada de vermelho e uma capa simples, mas direta. Há uma parte em temos a conversa via Whatsapp dos amigos que é mórbida, mas muito engraçada. O que me desapontou é que um thriller tão bom tem apenas uma mulher de destaque, é garota de programa e ainda por cima namorada de um deles. Nesse sentido, o autor poderia ter inovado mais. Já pensou se fossem quatro amigas, ao invés de quatro caras?

Ficção e realidade
Lembro de ver o filme Mortos de Fome (1999) e pensar que a pessoa tinha ser um psicopata para poder comer carne humana com tanta facilidade. Mas aí lembrei do voo que caiu nos Andes, onde os passageiros, para sobreviver, tiveram que comer a carne dos amigos mortos, até chegar o resgate. A carne humana seria o prazer dos prazeres, o sabor dos sabores, dotada até mesmo de dons sobrenaturais e medicinais. Em Mortos de Fome, um oficial do Exército se recupera completamente da tuberculose apenas por comer carne humana.

A antropofagia é um tabu na nossa sociedade, mas foi praticada à exaustão, tanto entre povos indígenas como entre Neandertais. Fezes humanas fossilizadas já apresentaram proteínas do sangue que só estariam ali se tivessem sido ingeridas. E em extremos, como no caso dos sobreviventes da queda, você culparia alguém? O caso dos quatro amigos não era extremo, era apenas manutenção da vaidade, mas eles perderam qualquer humanidade no meio do caminho por fazer isso.

Pontos positivos
Suspense
Autor nacional
Personagens bem escritos
Pontos negativos
Pode ser meio nojento
Baixa representatividade feminina
Se alonga demais em algumas partes

Título: Jantar Secreto
Autor: Raphael Montes
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 360
Ano de lançamento: 2016
Onde comprar: Amazon

Avaliação do MS?
Quem procura thrillers de suspense em território nacional, não vai se decepcionar com esse livro. Não vai mesmo! Todos os ingredientes para fazer deste um novo clássico brasileiro estão presentes no livro. E daria um filme excelente, além de perturbador. Você terá momentos tensos, nojentos e até divertidos, enquanto submerge na escrotidão do ser humano. Quatro aliens para o livro e uma recomendação para você ler também.


Já que você chegou aqui...

Sybylla

Fã do futuro e da ficção científica. Geógrafa, professora, blogueira, escritora de FC. Capitã da Frota Estelar. Esperando para voltar para o meu planeta. Leia mais.





Leia esses também...

2 comentários

  1. Nossa! Lembrei-me por um momento de Sweeney Tood, embora a única semelhança aqui é a culinária bizarra com carne humana. Enfim. Interessante notar como a antropofagia, que sempre esteve presente em menor ou maior intensidade durante toda nossa história, é neste livro motivada por necessidade de manter o status, ou seja pura vaidade.
    Esse é o tipo de livro que fico pensando se leria, ou não.
    Tenha um bom final de semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem contar a forma de eliminar gente pobre... Foi muito bizarro, aff! Mas o livro é bom, viu? Não dá pra largar. =D

      Excluir

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.
O mesmo vale para comentários:
- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.
A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.

Curta no Facebook

Viajantes