Resenha: Ruins, de Dan Wells

sábado, julho 16, 2016

Com o fim da editora iD, eu fiquei sem acesso ao último livro da trilogia Partials. Como finalmente coloquei minhas mãos na edição em inglês, li e resolvi trazer para cá minhas impressões a respeito. A ideia de Partials é muito boa e faz uma crítica contundente à situação dos veteranos quando voltam para casa. Mas o livro tem problemas, vários.




Esta resenha conterá alguns spoilers de Partials e Fragmentos.

O livro
O livro começa pouco depois da partida de Kira da colônia de humanos saudáveis que eles encontraram vivendo no meio oeste do país, como vimos em Fragmentos, o segundo livro. Ela agora está nas mãos da doutora Morgan, uma cientista Partial, que tenta encontrar uma cura para os Partials, cuja data de expiração está se aproximando. Vários lotes já morreram e o tempo está correndo.

cover Ruins Dan Wells

Kira resolve ajudar seus captores, já que tem treinamento médico e vem sendo usada de cobaia. Mas depois de semanas de investigação, eles nada encontraram que pudesse ajudar os Partials e os humanos, ainda padecendo da RM, a doença que dizimou o mundo. Enquanto isso, Samm, o partial amigo de Kira, está na colônia, fazendo os partials escravizados se recuperarem. Não é fácil, mas ele tenta mesmo assim.

E lá em Long Island, onde os remanescentes da raça humana estão tentando sobreviver à uma invasão Partial, um boato se espalha de que uma bomba nuclear foi resgatada do oceano e será detonada para acabar com a ameaça Partial de uma vez por todas. Medidas desesperadas para situações desesperadas.

Kira é uma personagem que gosto muito, mesmo passando raiva com ela várias vezes. Nos dois primeiros livros, a teimosia dela me irritou muito, mas percebi que ela era uma personagem com quem a gente podia se identificar, alguém bem construída. Sua ascendência é indiana, o que acrescenta um pouco de diversidade étnica nas distopias juvenis. Isso é bem legal.

No entanto, enquanto os dois livros vão muito bem, apesar dos pesares, o terceiro livro desce a ladeira com a encheção de linguiça feita pelo autor, como se ele tivesse que bater meta de páginas para entregar o livro para a editora. É nítido quando começa a enrolação e quando começa o enredo de fato. Kira faz longos discursos sobre a convivência humana com partials e isso dá no saco, porque é o tempo toooooooodo. São partials com guelras e uma criatura monstruosa que sai avisando por aí que o inverno está voltando e as pessoas deviam se preparar. Olha...

Fiquei bem triste com o descuido do autor com um livro que finaliza uma trilogia tão boa, com personagens tão bem construídos. Kira pode ser uma boa personagem, mas nem ela consegue segurar o enredo até o final. E sim, eles acham uma cura tão estapafúrdia que médicos partials por anos nunca pensaram em procurar, mas uma adolescente sim. Não precisava ofender o leitor, segurando a conclusão da cura o tempo todo. O autor tentou dar um ar de resolução complexa para o final de Partials e tudo o que conseguiu criar foi um livro confuso, arrastado e previsível.

Ficção e realidade
Uma crítica forte que o livro faz é com relação a situação dos veteranos quando eles voltam para casa e não encontram emprego, nem assistência médica. Muitos voltam com transtornos psiquiátricos e não conseguem ajuda. Essa foi a situação inflamável que os Partials encontraram quando voltaram das guerras no exterior e encontraram um mundo que não sabia o que fazer com eles. A humanidade criou soldados superiores geneticamente modificados e depois jogou todos eles para escanteio.

Essa discussão é de extrema pertinência, especialmente depois das guerras do Iraque e do Afeganistão e com a ameaça do Estado Islâmico. O que vai ser desses soldados? Que tipo de apoio os veteranos terão? O livro mostra também aberrações genéticas e alerta sobre o perigo da modificação extrema de genes, que podem criar, por exemplo, cachorros falantes, como os que aparecem no livro.

Pontos positivos
Kira
Tema pertinente
Distopia
Pontos negativos
Final manjado
Se arrasta
Personagens inúteis demais

Título: Ruins
Trilogia Partials
1. Partials
2. Fragmentos
3. Ruins
Autor: Dan Wells
Editora: Balzer + Bray
Páginas: 465
Ano de lançamento: 2014
Onde comprar: Amazon

Avaliação do MS?
Uma pena. Sério. Não sei o que aconteceu nesse livro. Eu gostava muito de Partials e a trilogia merecia um final melhor. O livro tem tanto problema que nem indico que leiam, a menos que estejam morrendo de curiosidade para saber que raio de cura é essa que Kira adivinhou tão rápido e os médicos Partials não. As críticas valem à pena e Kira também, mas o resto do livro é desperdício. Dois aliens para o livro e olhe lá.


Até mais!

Já que você chegou aqui...

Sybylla

Fã do futuro e da ficção científica. Geógrafa, professora, blogueira, escritora de FC. Capitã da Frota Estelar. Esperando para voltar para o meu planeta. Leia mais.





Leia esses também...

3 comentários

  1. Será que não é caso de livro que era pra ser duologia, mas a editora quis trilogia?

    ResponderExcluir
  2. Então, pelo que eu percebi com a sua resenha, o nome do último livro combinou com a qualidade dele (badumtsssssss)
    Eu acho muito triste quando um autor perde a mão com o livro, ainda mais quando é o último de uma série e não vai ter mais nenhum livro para consertar a caca.

    ResponderExcluir
  3. Poxa, eu queria muito ler esse livro pra saber como acaba a trilogia, mas o fato de a editora ter falido e não ter a menor previsão de sair em português já me desanimou... Saber que o livro é ruim, então...

    ResponderExcluir

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.
O mesmo vale para comentários:
- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.
A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.

Viajantes

Curta no Facebook

❤️


"A ficção científica é um substituto para todos os lugares que eu nunca vou alcançar nessa vida."

James W. Harris