10 mães da ficção científica

domingo, maio 10, 2015

Ahhh, as mamães! Deste universo ou de outro, do futuro ou do presente, dos livros ou dos cinemas, da TV ou da nossa casa, nossas mães são nossa pedra fundamental, aquela que sempre nos lembra de levar um casaco e que nos estende a mão em todas as horas. O Saga não podia deixar de homenagear algumas das mães mais incríveis da ficção científica e assim homenagear a todas as mães guerreiras que, diariamente, fazem do mundo um lugar melhor e mais seguro.





A proposta da lista não é listar todas as mães da ficção científica neste universo conhecido, mas sim homenagear algumas mulheres marcantes em suas franquias, que também sejam mães. Tentei pegar exemplos variados, de vários lugares, portanto muitos nomes ainda faltarão e isso não é de propósito. Vamos lá!


Frigga (Thor)
Frigga é esposa de Odin, mãe de Thor e rainha de Asgard. E ela não é apenas uma esposa dedicada, uma mãe amorosa e cuidadosa com seus filhos Thor e Loki, ela também aconselha Odin em assuntos de guerra e pega em armas, se necessário, para proteger aqueles que ama. Assim como todos os asgardianos, ela tem poderes super humanos, como força aumentada, reflexos rápidos e longevidade. Essas características foram super importantes na batalha dela contra um Gigante de Gelo para defender Odin e desarmou Malekith. Que mulher!


Dana Scully (Arquivo X)
Scully é uma das personagens mais incríveis da ficção científica, que fugiu de muitos padrões femininos para personagens na televisão. Médica de formação, abandonou a carreira para se juntar ao FBI, em Arquivo X. Colocada ao lado do agente Mulder para desacreditar seu trabalho, no fim torna-se sua principal aliada. Tornada estéril após uma abdução, Scully percebe, com tristeza, que nunca poderá ser mãe. Mas uma gravidez tida como milagrosa a faz ser uma das mães mais sensacionais da FC.


Anna (V)
Anna chegou a ser considerada uma das vilãs mais sinistras da ficção científica desde Darth Vader. A líder da raça alienígena conhecida como Visitantes, Anna parece encantadora, pacífica, amistosa, alguém em quem se poder confiar. Na verdade, Anna é terrível, manipuladora, alguém que comanda os visitantes com punho de ferro e manipula os seres humanos como quer. Ela e sua filha, Lisa, não têm uma relação muito boa, já que Lisa considera os seres humanos como muito mais que comida.


Hipólita (Mulher Maravilha)
A grande rainha de Themyscira por 3 mil anos queria muito uma filha. Ela então criou uma escultura de barro da Ilha do Paraíso, na forma de uma criança. Hermes e as deusas trouxeram a figura à vida, que recebeu o nome de Diana, em honra à cultura guerreira amazona. Diana venceu o torneio sagrado e viajou para o mundo dos homens, tornando-se a incrível Mulher-Maravilha. Hipólita liderou as amazonas à liberdade, especialmente após o ataque brutal de Teseu, reconstruído a nação de Themyscira.


Maureen Robinson (Perdidos no Espaço)
A Terra sofre com superpopulação em 1997 e a família Robinson - professor John Robinson, sua esposa Maureen, seus filhos (Judy, Penny e Will) - e o Major Don são selecionados para viajarem até o sistema de Alfa Centauro, na nave Júpiter 2, para estabelecer uma colônia capaz de abrigar a população crescente do nosso planeta. Mas o doutor Zachary Smith, um agente de um governo inimigo, é enviado para sabotar a missão. A nave fica perdida e a família precisa lidar com esses e outros problemas. A figura de Maureen é um ponto central de união dos tripulantes para sobreviverem à missão.


Vala Mal Doran (Stargate SG-1)
Vala era uma ladra, às vezes nem tão bem sucedida, que vivia de enganar e roubar as pessoas para se dar bem em Stargate SG-1. Até que ela cai na mão dos Ori, uma raça de seres superiores que exigem a adoração dos humanos para aumentar seus poderes. Ela é então usada para gerar e dar à luz à Orici, líder e ser supremo dos Ori, que tinha a função de converter os infiéis à religião da Origem. Vala tentou ser uma mãe calorosa para a Orici, até descobrir que ela é capaz de matar inocentes sem nenhum remorso.


Sarah Connor (O Exterminador do Futuro)
Não é todo dia que você descobre ser a mãe do líder da resistência e que um robô assassino está na sua cola. Sarah Connor era uma pacata garçonete em Los Angeles até que descobre que sua vida está por um fio por causa de um robô enviado do futuro. Felizmente, Kyle Reese também foi enviado do futuro pelo próprio filho para proteger Sarah ou então a raça humana estava fadada a ser completamente exterminada. A partir daí Sarah passa a ser a principal mentora de John Connor para torná-lo o grande líder que ele precisará ser.


Padmé Amidala (Star Wars)
Uma das histórias mais tristes envolvendo uma mãe na ficção científica, sem dúvida, é a de Padme. Rainha de Naboo e depois senadora pelo planeta, Padmé se apaixona por Anakin Skywalker e engravida de gêmeos. Mas iludido pelo lado obscuro da Força, Anakin quase a leva à morte ao acreditar que ela o traiu e entregou sua posição ao mestre Obi Wan. Infeliz e mortificada pelo desgosto do que Anakin se tornou, Padmé dá à luz a Luke e Leia e em seguida morre, acreditando que ainda há bondade nele. Uma pena.


Ellen Ripley (Aliens, O Resgate)
Quando o filme foi lançado, em 1986, a cena de Ripley tendo informações sobre sua filha, Amanda Ripley, foi cortada da cópia para os cinemas. A cena e todos os extras cortados voltaram para a versão em DVD. É assim que descobrimos sobre Amanda (que se tornou personagem principal do jogo Alien Isolation) e que ela morreu sem reencontrar a mãe, perdida depois da destruição da Nostromo. Isso também explica a super proteção Ellen com Newt, a órfã da colônia LV-426, dizimada pelos aliens.


Lwaxana Troi (Star Trek)
Poucas mães são tão exuberantes e maravilhosas quanto Lwaxana! Tendo criado sua filha, Deanna, praticamente sozinha, Lwaxana é embaixadora de Betazed na Federação, flerta abertamente com seus paqueras e sempre lembra às pessoas de sua autoridade quando é subestimada pelos outros. Super protetora com sua filha, Lwaxana foi casada várias vezes, sempre reiterando o desejo de casar da maneira tradicional de Betazed: todos nus. Uma das frases que sempre me vêm à cabeça é quando ela diz a Odo, em Deep Space 9, que se tem uma coisa que ela nunca quis ser, era ser comum. Além disso, temos uma mulher de meia idade, diplomata, extravagante e que adora namorar. Uma maravilha de mulher!


Já declarou seu amor para sua mãe hoje? E em todos os outros dias do ano? Se sua mãe ascendeu para um nível superior de vida e consciência, lembre-se dela e das coisas maravilhosas que vocês fizeram juntos.

Até mais!


Sybylla

Fã do futuro e da ficção científica. Geógrafa, professora, blogueira, escritora de FC. Capitã da Frota Estelar. Esperando para voltar para o meu planeta. Leia mais.





Leia esses também...

0 comentários

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.
O mesmo vale para comentários:
- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.
A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.

Viajantes

Curta no Facebook

❤️


"A ficção científica é um substituto para todos os lugares que eu nunca vou alcançar nessa vida."

James W. Harris