Mas e os 20 centavos?

segunda-feira, junho 17, 2013

Todo mundo viu o que aconteceu na cidade de São Paulo no dia 13 de junho de 2013. A Revolta do Vinagre explodiu no centro da capital paulista, tendo se originado com a indignação com o aumento das passagens de ônibus, que de 3 reais passou para 3,20. E claro, todo mundo fala "mas por causa de 20 centavos?"




Os tais 20 centavos foram a gota d'água. Os reducionistas e fãs da ditadura vão certamente me xingar, dizendo que "vândalo tem mais é que tomar borrachada mesmo". Parabéns por pensar assim, você está exercendo o seu direito de expressão. Pois o meu está sendo expresso neste post para dizer que você é um cego. Não é sobre 20 centavos. É sobre sentir a bile vir na garganta por ver que mais uma vez o povo está tomando na bunda com mais um aumento de passagens de um transporte que está saturado, sem ter para onde expandir.

Eu comentei isso no Facebook, vou repetir o que disse aqui. Se esses 20 centavos a mais fossem destinados a cuidar da saúde dos motoristas destes ônibus que estão surdos por anos trabalhando com um motor barulhento na orelha, que estão com problemas de coluna, de ombro, de joelho, de estresse e síndrome do pânico, se esse dinheiro a mais fosse usado para um investimento pesado em corredores, metrôs, ciclovias, se esse dinheiro fosse usado para expandir o sistema de transporte público para incentivar às pessoas a usá-lo e deixar seus carros em casa, eu não reclamaria de pagar por isso. Mas todos nós sabemos que, especialmente nas metrópoles, o investimento pesado é em transporte individual, para túneis, vias e avenidas para... carros. A grande maioria deles com um passageiro.


Mas a questão ultrapassou os 20 centavos. A revolta por causa de aumento das passagens começou em Porto Alegre, em março, lembra? Depois Goiânia, depois São Paulo. É um reducionismo pensar que tudo isso se resume a duas moedas de dez centavos de real. O curioso é ver que todo mundo aplaudiu a Primavera Árabe, os turcos, mas quando a revolta explode aqui, aí não, é tudo baderneiro, vândalo, que merece apanhar da PM.

Sou contra vandalismo, sou contra baderna. Infelizmente a gente sabe que no meio de uma multidão bem intencionada sempre tem o manezão que vai para quebrar. Vemos isso em qualquer grande aglomeração. Vemos como a raça humana discorda, pois não somos homogêneos, iguais uns aos outros. Mas deveríamos ser em direitos, certo? Deveríamos poder usufruir do que é pago por nós mesmos. Como poderemos usufruir dos estádios da Copa, cujos investimentos chegam a 27 bilhões? Dez por cento do PIB para educação era custo, mas para a Copa surgiu dinheiro do nada. Como explicar isso?

Aliás, não é mistério para ninguém do porque que os maiores eventos esportivos mundiais caíram no nosso colo. Basta ver a crise que os países ricos estão passando para entender porque fomos escolhidos como a bola da vez. Sem contar que vários países que sediaram tais eventos estão hoje devendo as cuecas, como Grécia, Espanha...


O que eu mais achei interessante desta batalha no centro foi como a mídia, onde muitos deles estavam do lado do governo, como a Folha e o Estado de São Paulo, mudaram de discurso quando seus jornalistas foram tratados na "borrachada" sem terem feito nada contra os policiais. Como que o discurso mudou quando as imagens e fotos feitas por quem estava lá começaram a pipocar nas redes sociais, mostrando que o Choque começou com a violência e fechou a Avenida Paulista, alegando que queria manter o trânsito livre (oi?). Só depois que os repórteres começaram a ser tratados na porrada pela PM que os canais de notícias começaram a mostrar os dois lados da questão, começaram a mostrar os feridos, tanto transeuntes quanto gente protestando e repórteres, todos alvos da polícia.

Isso não é mais sobre 20 centavos. Isso é sobre um basta. Isso é sobre um chega, pois uma hora ou outra esse país precisa acordar. "Aiin, mas isso não vai dar em nada." Será? Estamos tão cansados de ver as coisas neste país não andarem que até eu me pergunto isso. Mas é preciso acreditar que podemos mudar as coisas. Não sou filiada a nenhum partido, nem gosto de ver bandeiras de partidos nestas manifestações, eu sequer votei nas duas últimas eleições, pois isso é o que menos importa. PC do B, PSTU, PSOL, PQP, Partido do Raio que o Parta, nenhum desses partidos obedece suas próprias ideologias quando chega ao poder, que é o que verdadeiramente interessa. Aliás, o PT começou desta mesma maneira, com greves, manifestações, apanhando da polícia, algo que o prefeito Haddad não se lembra...


Só o tempo dirá o que a Revolta do Vinagre realmente significou, mas ver que o movimento está despertando o medo das autoridades - o que mais justificaria a ação agressiva da PM paulista? - e que cada vez mais gente está percebendo que é preciso erguer a voz e fazer barulho. E eu quero é mais. Mais gente na rua, mais gente gritando e indo bater nas portas do governo cobrando tudo aquilo que um documento embaraçoso e incômodo chamado Constituição Brasileira nos garante.

Até mais!

Leia mais:
Manuel Castells analisa as manifestações em São Paulo
Feridos no protesto em São Paulo
Erra quem pensa que a revolta é apenas por R$ 0,20
Por que o ônibus não é de graça?
Alguma coisa está acontecendo
Classe média experimenta o terror que a PM paulista toca na periferia

Sybylla

Fã do futuro e da ficção científica. Geógrafa, professora, blogueira, escritora de FC. Capitã da Frota Estelar. Esperando para voltar para o meu planeta. Leia mais.





Leia esses também...

0 comentários

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.
O mesmo vale para comentários:
- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.
A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.

Viajantes

Curta no Facebook

❤️


"A ficção científica é um substituto para todos os lugares que eu nunca vou alcançar nessa vida."

James W. Harris