A origem das cidades

segunda-feira, janeiro 30, 2012

cidade

As cidades são hoje o modelo de ocupação e povoamento ao redor do globo. Seja pequena, média, grande, esteja numa grande área metropolitana ou não, todos reconhecem as vantagens e desvantagens de se morar em uma aglomeração urbana. No entanto, o fato de estarmos inseridos neste contexto urbano acaba nos deixando de fora da origem e da evolução das cidades. A bem da verdade, não podemos ter certeza, mas vou tentar resgatar alguns motivos que levaram os seres humanos a viver em cidades.



Quando eu perguntei aos meus alunos de 2º ano do ensino médio sobre o porque de os seres humanos terem criado as cidades, as respostas foram muito óbvias: dinheiro, comércio, industria, economia, construções, etc., etc.. E eles ficaram muito surpresos quando eu disse que a cidade já existia antes de tudo isso, inclusive do dinheiro. O problema de se buscar as origens é que normalmente nos deparamos com os restos físicos de antigas construções, mas motivos e intenções nem sempre deixam resquícios.

Três motivos devem ter levado ao surgimento do primeiro aglomerado urbano: o sagrado, a alimentação e a segurança. E os restos de antigas cidades sempre apontam três construções primordiais: templos, celeiros (ou plantações) e muralhas. Diferentemente dos animais, o ser humano tem uma grande inquietação no que diz respeito à morte e, portanto os cemitérios, os locais sagrados e os templos se tornaram os locais de peregrinação e cuidado muito antes de qualquer moradia se estabelecer. Um cemitério acaba se tornando um local de vigília, um ponto fixo para onde convergir. Com disse Lewis Munford em sua obra de referência, A Cidade na História:

Embora o ajuntamento de alimentos e caça não encorajem a ocupação permanente de um sítio único, pelo menos os mortos reclamam esse privilégio.

Alimentação: um dos requisitos para a cidade. Fonte:Wikipedia

As necessidades práticas de caça, alimentação e vida em comunidade estão presentes num aglomerado urbano, mas basta notar que no centro de várias cidades existe sempre uma igreja. A própria São Paulo em seu marco zero tem a Catedral da Sé. Na Inglaterra, até o século XVIII, só era considerada uma cidade aquela aglomeração que tivesse uma igreja.

Além do local sagrado servir de ponto de encontro, se serve posteriormente como um ponto fixo de retorno das pessoas, que necessitam do básico para subsistir. Os caçadores se concentram ao redor, matriarcas cuidam da prole. Mas a caça e a coleta de alimentos sustentam menos de quatro pessoas por km2. As pequenas aldeias da Índia até o mar Báltico mostram pontos fixos de coleta de alimentos e agricultura rudimentar 15 mil anos atrás. Com o término da última glaciação e com as modificações no clima global, a oferta de alimentos aumentou e a população também.

Este período das cidades é essencialmente um papel feminino. Enquanto os homens da aldeia se concentravam na caça, eram as mulheres as responsáveis pelo cuidado com a prole, o cuidado com os animais e à coleta e posteriormente o trabalho nos campos e celeiros. Munford novamente ressalta o papel e a importância da mulher neste momento do surgimento das aldeias e pequenas aglomerações embrionárias das cidades:

Segurança, receptividade, proteção e nutrição – tais funções pertencem à mulher. (...) Nos hieróglifos egípcios, “casa” ou “cidade podem surgir como símbolos de “mãe” (...).

Aigues-Mortes
Cidade de Aigues-Mortes, França.
Fonte: Wikipedia

E o homem? Se as aldeias embrionárias são fruto do trabalho feminino ele não teve papel algum além de provedor e macho reprodutor? Teve sim. O próximo estágio na vida das aglomerações de seres humanos é a questão da segurança, papel este que sempre coube ao caçador. Com o processo de domesticação de animais e plantas para cultivo, o caçador ganhou uma nova função, que é a da segurança das aglomerações e das famílias. E uma aldeia aberta, sem proteção, é um chamariz para predadores e outras aldeias. As fortificações e muralhas correspondem à essa nova função do homem de garantir o sono e a integridade física dos outros. Podemos ver até uma nobreza e uma realeza surgindo deste momento, que em geral se mantinham em destaque através da força e da agressão.

Surgem então as cidadelas e os burgos foram a evolução desta forma segura de aglomeração. Burgo vem do latim burgus, que quer dizer “pequena fortaleza”, que em todas as línguas germânicas, “burgs”, ficou com o significado de cidadela fortificada ou que cresceu e se fortificou ao redor de um castelo. Ainda hoje existem cidades e estados pela Europa com esta terminação: Edimburgo, São Petesburgo, Brandemburgo. É também daí que surgiu o termo burguesia.

Çatal Hüyük
Çatal Hüyük, Turquia, um dos mais antigos adensamentos urbanos,
datado de 6500 a.C.. Fonte: Wikipedia.

Esta é apenas a primeira postagem sobre as cidades. Hoje falei sobre a origem, o embrião que levou ao surgimento das cidades como conhecemos. Semana que vem será sobre as cidades como são hoje. E você, tem alguma idéia de como as cidades podem ter surgido? Divida com a gente. Até mais!

Sybylla

Fã do futuro e da ficção científica. Geógrafa, professora, blogueira, escritora de FC. Capitã da Frota Estelar. Esperando para voltar para o meu planeta. Leia mais.





Leia esses também...

1 comentários

  1. Gostei muito do seu texto. Muito didático. Também sou professora de Geografia e estou indicando para meus alunos lerem o seu texto. Parabéns

    ResponderExcluir

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.
O mesmo vale para comentários:
- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.
A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.

Viajantes

Curta no Facebook

❤️


"A ficção científica é um substituto para todos os lugares que eu nunca vou alcançar nessa vida."

James W. Harris