Alienígenas curiosos e impossíveis 2

quarta-feira, junho 29, 2011

Uns meses atrás eu fiz uma postagem onde falava de alguns alienígenas do cinema e da televisão que quando analisados pela ciência parecem ter algum problema. A forma humanóide é um padrão no entretenimento da ficção científica até porque é mais complicado fazer personagens virtuais que interajam com atores humanos. É natural buscarmos referência nos nossos próprios aspectos biológicos, mas às vezes, quando paramos para analisar, percebemos que tem algo errado. Ainda faltavam algumas raças para analisarmos e talvez tenha que fazer uma versão III deste mesmo tema.

Siga a Sybylla no Twitter - @Sybylla_



WRAITH
Todd WraithTambém chamados de Espectros, os Wraith são uma das raças mais interessantes e plausíveis em alguns aspectos que a ficção científica já fez. Eles são inimigos dos humanos em Stargate Atlantis e são meio insetos e meio humanos. Há muitos milhões de anos atrás, os Antigos - que deram origem aos humanos atuais - entraram em contato com um inseto chamado Iratus. Este inseto grande e que suga a energia vital das pessoas e as mata de velhice acabou evoluindo para uma forma humanóide. Nisso, ele incorporou a inteligência do ser humano, porém com a resistência, resiliência e características animais dos insetos. Eles até hibernam quando não há suprimento de comida (humanos) em abundância, como alguns carrapatos. Eles possuem rainha, que dá origem a todos os outros. Tem zangões, tem líderes de naves e pilotos, uma divisão social bastante parecida com a de uma colmeia de abelhas. É interessante ver que eles evoluíram por uma infeliz convivência com humanos. É um sinal de evolução, de selecionamento de genes pela espécie que levou milhões de anos para evoluir com os genes certos, que funcionaram enquanto outros pereceram e que no final derrotou os criadores. O difícil é saber se todos os insetos do universo terão a habilidade de viver em colmeias e colônias como o Iratus. Não temos como saber sequer se o Darwinismo vale só aqui ou para todo o universo.

BORG
Os Borg são uma das espécies mais bizarras da ficção científica e de Jornada nas Estrelas. Eles possuem implantes cibernéticos por todo o corpo, dentro e fora, implantados através de nanotecnologia. Eles estão permanentemente conectados a uma coletividade, uma mente coletiva onde suas individualidades são suprimidas e onde o pensamento é comum a todos. Todos sabem o que todos sabem. Por conta dos implantes no corpo, eles não comem nem dormem, eles se regeneram em baias. Eles possuem uma rainha, que centraliza as informações e as filtra e zangões, porém são absolutamente desprovidos de sentimentos e de hierarquia. Eles buscam a perfeição através da assimilação de várias espécies alienígenas, assimilando assim sua tecnologia e seu conhecimento. O que é interessante nos Borg é o fato de não haver individualidade, que eles repudiam. O problema é haver milhares de raças igualmente avançadas e no mesmo patamar tecnológico para os Borg assimilarem, pois aquelas que eles não vêem vantagem, eles não assimilam. E o fato de serem humanóides do outro lado da galáxia mostram que o padrão humano aparece em qualquer lugar.

BETAZOIDES
Outra raça do universo de Jornada nas Estrelas, mas sem nenhuma diferença com os seres humanos. As semelhanças genéticas são tantas que eles podem cruzar entre si, ou seja, podem nascer híbridos desta união. A única diferença está nos olhos, que parecem maiores do que dos seres humanos e bastante escuros. Por serem telepatas e empatas, a sociedade deles é baseada na verdade, já que ninguém consegue manter um segredo por muito tempo. O problema deles é justamente o fato de serem tão semelhantes aos humanos. É até meio sem graça.

FERENGI
Sempre achei os Ferengi (pronuncia-se ferengui) de Jornada nas Estrelas muito divertidos. Eles parecem obcecados pelo comércio e pelo lucro e possuem inclusive um livro com centenas de regras de aquisição e de como lucrar e enganar os outros. É também uma raça machista, pois as fêmeas não podem andar sequer vestidas e vivem confinadas em suas casas. Apesar de humanóides, eles não podem cruzar com seres humanos, pois a diferença genética é muito grande. Suas áreas erógenas são as grandes orelhas que dominam a visão. Até a religião é baseada no comércio e no lucro. O interessante dos Ferengi é que eles parecem ter evoluído mentalmente em conjunto com um sistema econômico capitalista. Lucro, demanda, oferta, valor, preço. Poderíamos evoluir para uma sociedade assim no futuro com essa convivência capitalista?

Ainda existem outras raças interessantes para analisar. Mas não vou mais me estender. Até mais!

Sybylla

Fã do futuro e da ficção científica. Geógrafa, professora, blogueira, escritora de FC. Capitã da Frota Estelar. Esperando para voltar para o meu planeta. Leia mais.





Leia esses também...

0 comentários

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.
O mesmo vale para comentários:
- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.
A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.

Viajantes

Curta no Facebook

❤️


"A ficção científica é um substituto para todos os lugares que eu nunca vou alcançar nessa vida."

James W. Harris