Beleza na desordem e na decadência

domingo, fevereiro 20, 2011

Quase como uma continuidade do post sobre fim do mundo, achei extremamente interessante e muito bonito também o trabalho exposto no site Talk Urbex, que retrata locais abandonados, revelando a beleza e o caos destes locais que outrora estiveram pulsando de vida. Veja as fotos primeiro e depois voltemos ao assunto.



Igreja abandonada (Alemanha Oriental).  Foto: Sven Fennema/Divulgação


Chernobyl
Escola em Chernobyl, Ucrânia, cheia de máscaras de gás. 
Foto: Timm Suess/Divulgação




Hospital psquiátrico, Itália.  
Foto: Sven Fennema/Divulgação

O interessante destas fotos é o quão desolador o ambiente se torna quando o ser humano não está presente, construindo e desconstruindo a realidade. Quando o homem ocupa um determinado espaço, ele altera a paisagem antes natural. O que era um trabalho da natureza que levou milhares, milhões de anos para se formar, é alterado pela força descomunal da sociedade, que movida por um impulso capitalista, desfigura seu espaço.

Mas quando a civilização chegar a um fim e ela vai chegar, o mesmo processo lento que construiu as paisagens naturais vai destruir nos prédios e construções, hoje tão belas, tão vivas, substituindo por imagens desoladoras como as acima, que apesar de trazerem uma certa solidão, trazem uma mensagem bem forte: nós temos começo, mas também temos fim.

Milton Santos (grande geógrafo brasileiro) dizia que se você jogar uma bomba de hidrogênio sobre uma grande cidade, tudo o que for orgânico será morto e pulverizado, sobrando apenas as construções, que ficarão intactas. Ou seja, o ser humano tem à sua disposição as maneiras de aniquilar aquilo que ele próprio cria... Que contraditório.

Até mais!

Sybylla

Fã do futuro e da ficção científica. Geógrafa, professora, blogueira, escritora de FC. Capitã da Frota Estelar. Esperando para voltar para o meu planeta. Leia mais.





Leia esses também...

0 comentários

Viajantes

Curta no Facebook

❤️


"A ficção científica é um substituto para todos os lugares que eu nunca vou alcançar nessa vida."

James W. Harris